Richard Palmer - Hermenêutica

September 9, 2017 | Author: Gabi M Zabeu | Category: Language Interpretation, Hermeneutics, Science, Realism (Arts), Word
Share Embed Donate


Short Description

Richard Palmer - Hermenêutica...

Description

Richard E. Palmer

HEDMENÊUTICA

O SABER DA FILOSOFIA

edições 70

Uma visão histórica, sintética e densa, do problema e da constituição da Hermenêutica e das implicações filosóficas fundamentais da interpretação. R. Palmer analisa e expõe com argúcia as linhas básicas do pensamento de alguns dos principais hermeneutas: Scheleierm acher, Dilthey, H eidegger e Gadamer.

O SABER DA FILOSOFIA

edições 70 '

'm

Richard E. Palmer

o V

O SABER Q \ FILOSOFIA

edições 70

Q

O SABF.R DA FILOSOFIA 1 — A E PISTE M O LO G IA G aston Bacheland ID E O L O G IA E R A C IO N A LID A D E NAS C IÊ N C IA S DA VIDA Georgcs Canguilhem 3 - A FILO SO FIA C R ÍT IC A DE KA NT Gillcs Deleuze 4 — 0 NO VO E S P ÍR IT O C IE N T ÍF IC O G aston Bachclard 5 — A FIL O S O FIA C H IN ESA Max Kaltenm ark 6 - A FIL O S O FIA DA M A TE M Á TIC A A m brosio G iacom o M anno 7 - PR O LEG Ó M EN O S A TO D A A M E T A FÍS IC A FU TUR A Im m anuel Kant 8 - RO USSEAU E M ARX Galvano Dclla Volpe 9 — BREVE H ISTÓ R IA DO A TEÍSM O O C ID E N T A L Jam es Throw er 10 — FIL O S O FIA DA FÍSIC A M ario Bunge II — A T R A D IÇ Ã O IN T EL EC TU A L DO O C ID EN TE J. Bronowski c Brucc Mazlish 12 - A LÓ G ICA CO M O C IÊ N C IA H IST Ó R IC A G alvano Dclla Volpe 13 — A H IST Ó R IA DA LÓ GICA — DE A R ISTÓ TE LES A B ERTRA N D RUSSEL R obert Blanché 14 — A RA ZÃO Gilles-G aston Granger 15 - H E R M E N Ê U T IC A Richard E. Palmcr 16 — A FIL O SO FIA A N TIG A Em anuele Severino 17 - A FILO SO FIA M OD ERN A Em anuele Severino 18 — A FILO SO FIA C O N TE M P O R Â N E A E m anuel Severino 19 — EX PO SIÇ Ã O E IN TE R PR E T A Ç Ã O DA FIL O SO FIA T E Ó R IC A DE KANT Felix G rayeff 20 - T E O R IA S DA LIN G U A G EM , T E O R IA S DA A P R EN D IZA G EM M assim o Piattelli-Palm arini (org.) 21 — A REV O L U Ç Ã O NA C IÊ N C IA 1500-1700 A . Rupert Hall 1— IN T R O D U Ç Ã O À FILO SO FIA DA H IST Ó R IA DE HEG EL Jean Hyppolite 23 — AS FIL O S O FIA S DA C IÊ N C IA Rom H arre 24 - G A LILEU E N E W T O N LIDO S P O R E IN ST EIN Françoise Balibar 25 — AS RA ZÕES DA C IÊ N C IA L udovico G ey m o n at/G iu lio Giorello 26 — A FILO SO FIA DE DESCA RTES Jo h n C ottingham 27 — IN TR O D U Ç Ã O A H E ID EG G ER G ianni Vattim o 2 -

HERMENÊUTICA

Título original: HERMENEUT1CS - INTERPRETATION THEORY in Schleiennacher, Dilthey, Heidegger and Gadamer © Northwestern University Press, 1969 Tradução de Maria Luísa Ribeiro Ferreira Capa de Edições 70 Todos os direitos reservados para língua portuguesa por Edições 70, Lda. Depósito legal n° 96840/96 ISBN: 972-44-0340-8 EDIÇÕES 70, LDA. Rua Luciano Cordeiro, 123 - 2.” Esq.° - 1069-157 LISBOA / Portugal Telefs: (01) 3158752 - 3158753 Fax: (01) 3158429 Esta obra está protegida pela lei. Não pode ser reproduzida no todo ou em parte, qualquer que seja o modo utilizado, incluindo fotocópia e xerocópia, sem prévia autorização do Editor. Qualquer transgressão à lei dos Direitos do Autor será passível de procedimento judicial.

Richard E. Palmcr

HERMENÊUTICA 79491

edições 70 SISTEMA INTEGRADO DE BiBLIOTECAS Pe. Inocente Radrizzam Centro UnivtfcitíHlo '>•!" ( , precioso o capítulo final da obra de Walter Sutton «Modem Am e­ rican Crillcism» (a crítica como um acto social). (’) listou a pensar na bem conhecida «falácia afectiva» como foi, por mrmplo, apresentada na obra de William K. Wimsatt Jr., «The Verbal Icon». (') «liyr and Mind», tradução Carleton Dallery, in Merleau-Ponty «The 1'rlriiin v nI 1‘trctption and other Essays», ed. James M. Edie, pág. 1S9. 18

obra, considerando-a como um objecto de análise. Contudo, iti obras literárias serão consideradas mais perfeitamente não enquanto objectos de análise mas como textos que falam, criados por seres humanos. H á que arriscar o nosso «mundo» pessoal se queremos penetrar no mundo vivo de um grande poema lírico, de um romance ou de uma obra. E para isso, não precisamos de qualquer método científico disfarçado, ou de qualquer «anatomia de uma crítica», com tipologias e classificações muito brilhantes e subtis f ) , mas sim de uma compreensão humanística daquilo que implica a interpre­ tação de uma obra.

Interpretação literária, hermenêutica e Interpretação de obras A tarefa da interpretação e o significado da compreensão são diferentes (uma mais indefinível, outra mais histórica) no que res­ peita a uma obra e no que respeita a um «objecto». Um «objecto» é sempre selado com um toque humano; a própria palavra o sugere, porque uma obra é sempre a obra de um homem ou de Deus. Por outro lado, um «objecto» pode ser uma obra ou pode ser um objecto natural. Usar o termo «objecto» relativamente a uma obra é tornar obscura uma distinção importante, pois temos necessidade de enca­ rar a obra não como objecto mas como obra. A crítica literária precisa de procurar um «método» ou «teoria» especificamente ade­ quados à decifração da marca hum ana num a obra, ao seu «signi­ ficado». Este processo de «decifração», esta «compreensão» do signi­ ficado de uma obra, é o ponto central da hermenêutica. A herme­ nêutica é o estudo da compreensão, é essencialmente a tarefa de compreender textos. As ciências da natureza têm métodos para compreender os objectos naturais; as «obras» precisam de uma her­ menêutica, de uma «ciência» da compreensão adequada a obras enquanto obras. É certo que os métodos de «análise científica» podem e devem ser aplicados às obras, mas ao proceder deste modo estamos a tratar as obras como objectos silenciosos e naturais. Na medida em que são objectos, são redutíveis a métodos científicos de interpretação; enquanto obras, apelam para modos de compreensão mais subtis e compreensíveis. O campo da hermenêutica nasceu como esforço para descrever estes últimos modos de compreensão, mais especificamente «históricos» e «humanísticos». Como veremos nos próximos capítulos, a hermenêutica chega à sua dimensão mais autêntica quando deixa de ser um conjunto de artifícios e de técnicas de explicação de texto e quando tenta ver o problema hermenêutico dentro do horizonte de uma avaliação (") Especialmente a obra de Northorp Frye «Anatomy of Criticism». 19

geral da própria interpretação. Deste modo, implica dois pólos de atenção, diferentes e interactuantes: 1) o facto de compreender um texto e 2) a questão mais englobante do que é compreender e interpretar. Um dos elementos essenciais para uma teoria hermenêutica ade­ quada e, consequentemente, para uma teoria adequada da interpre­ tação literária, é uma concepção da própria interpretação que seja suficientemente lata (” ). Consideremos por um momento a ubiquidade da interpretação e a generalidade da utilização da palavra: O cientista chama «interpretação» à análise que faz dos dados; o crítico literário chama interpretação à análise que faz de uma obra. Chamamos intérprete ao tradutor de uma língua estrangeira; um comentador de notícias «interpreta» as notícias. Interpreta­ mos — por vezes erradam ente — uma observação de um amigo, uma carta de familiares, ou um sinal da estrada. Na verdade, desde que acordamos de manhã, até que adormecemos, estamos a «interpre­ tar». Ao acordar, olhamos para o despertador e interpretamos o seu significado: lembramos em que dia estamos e ao compreender o significado desse dia estamo-nos já a lem brar do modo como nos situamos no mundo e dos planos de futuro que temos; levantamo-nos e temos que interpretar as palavras e os gestos das pessoas que con­ tactam os na nossa vida diária. A interpretação é, portanto, talvez o acto essencial do pensamento humano; na verdade, o próprio facto de existir pode ser considerado como um processo constante de interpretação. A interpretação ultrapassa o mundo lingüístico em que o homem vive, pois a própria existência dos animais depende dela. Estes sen­ tem o modo como se situam no mundo. Um pouco de comida em frente de um chimpanzé, de um cão ou de um gato será interpre­ tado pelo animal em termos das suas próprias necessidades e da sua própria experiência. Os pássaros conhecem os sinais que os levam a voar em direcção ao Sul. É claro que há uma interpretação constante a muitos níveis lin­ güísticos, tecidos pela convivência humana. Joachim Wach diz-nos que podemos conceber a existência hum ana sem linguagem, mas não a podemos conceber sem uma compreensão m útua de um homem para outro — ou seja, não a podemos conceber sem inter­ pretação. No entanto, a existência hum ana (“ ) tal como a conhe­ cemos implica sempre a linguagem e, assim, qualquer teoria sobre interpretação hum ana tem que lidar com o fenômeno da linguagem. E entre os mais variados meios simbólicos de expressão usados pelo homem, nenhum ultrapassa a linguagem quer na flexibilidade e (“ ) Ver o meu artigo «Toward a Broader Concepl of Interpretation» ISN (Novembro 1967), 3-14, e a minha resenha de VII in JAAR, XXXVI (Setembro 1968) 243-46. O1) V I, 1.

20

poder comunicativos, quer na importância geral que desempenha (” ). A linguagem molda a visão do homem e o seu pensamento — simul­ taneam ente a concepção que ele tem de si mesmo c do seu mundo (não sendo estes dois aspectos tão separados como parecem). A própria visão que tem da realidade é moldada pela linguagem (1J). Muito mais do que pensa, o homem veicula através da linguagem as várias facetas da sua vida — aquilo que venera, aquilo que ama, os comportamentos sociais, o pensamento abstracto; mesmo a forma dos seus sentimentos é conforme com a linguagem. Se considerar­ mos este tema em profundidade, torna-se visível que a linguagem é o «medium» no qual vivemos, nos movemos e no qual temos o nosso ser (“ ). A interpretação é, portanto, um fenômeno complexo e universal. E no entanto até que ponto o crítico literário compreende este fenô­ meno de um modo complexo e profundo? Temos que nos interrogar se os críticos não tenderão a equacionar análise e interpretação. Temos que nos interrogar se acaso as asserções realisticamente meta­ físicas e as suposições que estão na base de quase todas as formas da crítica m oderna não apresentarão uma visão da interpretação, simplificada e mesmo distorcida. Uma obra literária não é um objecto que compreendemos através da conceptualização ou da aná­ lise; é um a voz que devemos ouvir, e «ouvindo-a» (mais do que vendo-a) comprendemo-la. Como sugeriremos nos capítulos seguin­ tes, a compreensão é simultaneamente um fenômeno epistemológico e ontológico. A compreensão literária tem que se enraizar em modos de compreensão mais latos e primordiais que têm a ver com o nosso próprio ser-no-mundo. Portanto, compreender uma obra literária não é uma espécie de conhecimento científico que foge da existência para um mundo de conceitos; é um encontro histórico que apela para a experiência pessoal de quem está no mundo. A hermenêutica é o estudo deste último tipo de conhecimento. Pretende juntar duas áreas da teoria da compreensão: o tema da­ quilo que está envolvido no facto de compreender um texto e o tema de o que é a própria compreensão, no seu sentido mais fundante e «existencial». Enquanto corrente de pensamento alemão, a hermenêutica acabou por ser profundamente influenciada pela fenomcnologia alemã e pela filosofia existencial. E é claro que- o signi­ ficado que tem para a interpretação literária americana é realçado pela aplicação desse pensamento aos problemas da interpretação dc textos. O esforço constante de lidar com o fenômeno da compreensão naquilo em que ele ultrapassa a m era interpretação textual, dá à (IJ) Ver Ernst Cassirer, «Philosophy of Symbolic Forms» e o capítulo sobre lliiKUUKcm na sua obra «Essay on Man*. (•*) Ver Benjamin Whorf, «Language, Thoughl and Reality». (“ ) Ver mais adiante os capítulos sobre Heidegger e sobre Gadamer. 21

hermenêutica um significado potencialmente lato no que se refere a todas as disciplinas habitualmente designadas por humanidades. A hermenêutica, enquanto se define como estudo da compreensão das obras humanas, transcende as formas lingüísticas de interpre­ tação. Os seus princípios aplicam-se não só a obras escritas, mas também a quaisquer obras de arte. Visto isto, a hermenêutica é fundam ental em todas as humanidades — em todas as disciplinas que se ocupam com a interpretação das obras do homem. É mais do que meramente interdisciplinar, porque os seus princípios in­ cluem um fundamento teórico para as humanidades (“ ); os seus princípios deviam colocar-se como um estudo essencial para todas as disciplinas humanísticas. O contraste acima feito entre uma compreensão científica e aquilo a que chamámos uma compreensão histórica ou hermenêu­ tica, torna mais claro o carácter distinto da tarefa interpretativa nas humanidades. E, por contraste, também clarifica o carácter de interpretação nas ciências. Através de um estudo da teoria herme­ nêutica, as humanidades alcançam uma medida mais cheia de autoconhecimento e uma melhor compreensão do carácter da sua tarefa. O presente estudo'tenta, no entanto, lançar os fundamentos filo­ sóficos para explorar o significado da hermenêutica na interpretação literária. Esses fundam entos deverão ser uma compreensão ade­ quada do que é a própria hermenêutica. Na busca dessa compreen­ são, este livro começa com as raízes grçgas da moderna palavra «hermenêutica», traçando depois o desenvolvimento de certas con­ cepções da teoria hermenêutica (tanto quanto se chamou a si pró­ pria hermenêutica) nos tempos modernos. Finalmente, explora com certo pormenor os problemas que inquietaram quatro dos principais pensadores dessa área. A busca não é de modo algum exaustiva, mas preliminar; não entra na utilização da hermenêutica na teo­ logia contemporânea O , nem tenta discutir o incremento deste tema que actualmente ocorre em França (17). Os capítulos finais dão realmente algumas indicações sobre o significado da hermenêutica fenomenológica no que respeita à interpretação literária, mas o pre­ sente estudo é encarado essencialmente como uma introdução filo­ sófica à hermenêutica, podendo servir simultaneamente de funda­ mento para um segundo volume que discuta a hermenêutica na sua relação com a teoria literária.

C“ ) Ver HAMG e AAMG. C*) A nota 3 acima mencionada faz uma listagem de referências nesse campo. (,T) Com uma pequena excepção que é a discussão no capitulo cinco de D. I. de Ricoeur; ver também a sua «Exislence et Hermeneutique» Dialogue, IV (1965-6) 1-25, e a sua obra «La Structure, Le Mot, VEvènement», M EW I, (1968), 10-30. 22

2

H ERM EN EU EIN E HERM ENEIA: O SIGNIFICADO MODERNO DO SEU ANTIGO USO

As raízes da palavra hermenêutica residem no verbo grego hermeneuein, usualmente traduzido por «interpretar», e no substantivo liermeneia, «interpretação». Uma exploração da origem destas duas palavras e das três orientações significativas básicas que elas veiculavam no seu antigo uso esclarece consideravelmente a natureza da interpretação em teologia e em literatura e servirá no actual con­ texto de introdução válida para a compreensão da hermenêutica moderna. Hermeneuin e hermeneia, nas suas várias formas, aparecem inúmeras vezes em muitos dos textos que nos vieram da Antiguidade. Aristóteles no Organon considerou que o tema merecia um trata­ do importante, o famoso Peri hermeneias, «Da interpretação», (’). A palavra aparece na sua forma substantiva em «Édipo em Co­ lono», e muitas vezes em Platão. Encontram-se inúmeras forrnas do termo na maior parte dos escritores antigos mais conhecidos, como Xenofonte, Plutarco, Eurípedes, Epicuro, Lucrécio e Longino (J). Poder-se-ia consagrar um estudo frutífero ao contexto de cada ocor­ rência, para determ inar em cada caso os matizes de significado; neste capítulo, apenas notaremos a associação das palavras com o deus Hermes, apontaremos três vertentes essenciais do seu signifi­ cado e sugeriremos algo sobre o seu actual sentido, especialmente no que respeita à interpretação literária e bíblica.

(') Aristóteles. The Basic Works, págs. 40-61. Tem interesse uma tradução roccnte do tratado: Aristóteles, «Da interpretação», com comentário de S. Tomás do Aquino e de Caetano, tradução e introdução de Jean T. Oecterle. (a) Hermeneia e hermêneuein, G E L . Ver também Johannes Bhem, Ermrncuo, ermeneia in TDNT II, 661-66. 23

As origens e as três orientações significativas

de «hermeneuein» e «hermeneia» A palavra grega hermeios referia-se ao sacerdote do oráculo de Delfos. Esta palavra, o verbo hermeneuein e o substantivo her­ meneia, mais comuns, remetem paar o deus-mensageiro-alado Hermes, de cujo nome as palavras aparentemente derivaram (ou vice-versa?). E é significativo que Hermes se associe a uma fun­ ção de transm utação — transform ar tudo aquilo que ultrapassa a compreensão hum ana em algo que essa inteligência consiga compreender. As várias formas da palavra sugerem o processo de trazer uma situação ou uma coisa, da inteligibilidade à com­ preensão. Os Gregos atribuíam a Hermes a descoberta da linguagem e da escrita — as ferram entas que a compreensão humana utiliza para chegar ao significado das coisas e para o transm itir aos outros. M artin Heidegger, que vê a própria filosofia, enquanto «inter­ pretação», relaciona explicitamente a filosofia-como-hermenêutica com Hermes. Hermes «traz a mensagem do destino; hermeneuein é esse descobrir de qualquer coisa que traz uma mensagem, na medida em que o que se m ostra pode tornar-se mensagem. Uma tal descoberta torna-se num a explicação do que já fora dito pelos poetas, que são eles próprios, segundo Sócrates no diálogo platônico «Io n» (534 e) «mensageiros (Botschafter) dos deuses», hermenes eisin tòn tehon (J). Assim, levada até à sua raiz grega mais antiga, a ori­ gem das actuais palavras «hermenêutica» e «hermenêutico» sugere o processo de «tornar compreensível», especialmente enquanto tal pro­ cesso envolve a linguagem, visto ser a linguagem o meio por exce­ lência neste processo. Este processo de «tornar compreensível», associado a Hermes enquanto ele é mediador e portador de uma mensagem, está implí­ cito nas três vertentes básicas patentes no significado de herme­ neuein e hermeneia, no seu antigo uso. As três orientações, usando a form a verbal (hermêneuein) para fins exemplificativos, significam: 1) exprimir em voz alta, ou seja, «dizer»; 2) explicar, como quando se explica uma situação, e 3) traduzir, como na tradução de uma língua estrangeira C). Os três significados podem ser expressos pelo verbo português «interpretar», e no entanto cada um representa um sentido inde-

(») U S 121-122. (') Relativamente a estas três orientações significativas, ver o precioso artigo de Gerhard Ebeling «Hermeneutik» R G G III, 242. 24

pendente e relevante do termo interpretação. A interpretação ptule pois referir-se a três usos bastante diferentes: uma recitaçflo oral, uma explicação racional e uma tradução de outra língua quer para grego quer para português. Podemos, no entanto, notar que o «processo Hermes» originário, está em acção: nos três casos, há algo de diferente, de estranho e de separado no tempo, no espaço ou na experiência, que se torna familiar, presente e compreensível; há algo que requer representação, explicação ou tradução e que é, de certo modo, «tornado compreensível», «interpretado». Para começar, podemos notar que a interpretação literária en­ volve dois desses processos e muitas vezes um terceiro. A literatura apresenta algo que deve tornar-se compreendido. O term o do texto pode estar longe de nós no tempo, espaço, linguagem e pode haver outros obstáculos à sua compreensão. Isto também se aplica à compreensão de um texto bíblico. A tarefa da interpretação deverá ser tornar algo que é pouco familiar, distante e obscuro em algo real, próximo e inteligível. Os diferentes aspectos deste processo interpretativo são vitais e essenciais quer para a literatura quer para a teologia. Examinemos, pois, cada um deles no que respeita ao seu significado na interpretação literária e teológica. (É interes­ sante notar como a maior parte dos críticos literários ignoram as abordagens interpretativas existentes na teologia cristã contem­ porânea.)

Hermeneuein como «dizer» A primeira orientação fundam ental do sentido de hermeneuein é «exprimir», «afirmar» ou «dizer». Isto relaciona-se com a função anunciadora de Hermes. Do ponto de vista da teologia, tem signi­ ficado uma polêmica etimológica que nota estar a forma inicial herme próxima do latim sermo, «dizer», e do latim verbum, pala­ vra (’)• Isto sugere que o sacerdote ao apresentar a Palavra está a «anunciar» e a «afirmar» algo; a sua função não é meramente explicar, mas sim proclamar. O sacerdote, tal como Hermes, e tal como o sacerdote de Delfos, traz notícias fiéis da divindade. Naquilo que diz ou proclama, ele é, tal como Hermes, um- men­ sageiro de Deus para com o homem. Mesmo o simples dizer, afirmar ou proclamar é um acto importante de interpretação. Ainda dentro desta primeira orientação significativa, há um matiz vagamente diferente, sugerido pela frase «expressar», que ainda mantém um sentido de «dizer», mas que é um dizer que é (’) Ibidem. James M. Robinson nota, N H 2-3, que hermêneia era tam­ bém usado antigamente para designar um trabalho de formulação lógica ou de elocução artística, aquilo a que hoje se chama «interpretação oral». 25

cm si próprio interpretação. Por esta razão, somos orientados pelo modo como uma coisa se exprime — o «estilo» de uma «perfor­ mance». Usamos este cambiante da palavra «interpretação» quando nos referimos à interpretação que um artista faz de uma canção ou que um maestro faz de uma sinfonia. Neste sentido, a interpre­ tação é uma forma de dizer. De igual modo, a dicção oral ou o canto são interpretações. No tempo dos gregos, hermeneia podia referir-se por exemplo a uma recitação oral de Homero. No Ion de Platão, o jovem intérprete recita Homero e através das suas entoações «interpreta-o», exprimindo-o e mesmo explicando-o subtilmente, transm itindo mais do que ele próprio cons­ tata ou compreende. Assim, torna-se tal como Hermes, num veículo da mensagem homérica. É certo que Homero era ele próprio um intermediário entre os deuses e o homem, um «intérprete» que nas palavras de Milton, «justificava os caminhos de Deus para o homem». Assim, Homero era um intérprete, no sentido mais primitivo da palavra, pelo facto de que antes dele as palavras não tinham ainda sido ditas. (É óbvio que as lendas já existiam; daí poder-se dizer que ele apenas «inter­ pretava» e enunciava as lendas.) Dizia-se que o próprio Homero fora inspirado pelos deuses; no seu «dizer», era um intérprete deles. O dizer e a recitação oral enquanto «interpretação» recordam aos literatos um nível que muitos deles tendem a desprezar ou mesmo a esquecer. E, no entanto, a literatura faz derivar muito do seu dinamismo, do poder da palavra falada. Desde tempos imemo­ riais que as grandes obras da linguagem são feitas para serem ditas em voz alta e para serem ouvidas. Os poderes da linguagem falada deveriam recordar-nos um importante fenômeno: a fraqueza da linguagem escrita. A linguagem escrita não tem a «expressividade» primordial da palavra falada. Todos sabemos que a passagem de uma língua a escrito a vai fixar e conservar, dando-lhe estabilidade, constituindo as bases da história (e da literatura), mas ao mesmo tempo sabemos que a enfraquece. N a sua Carta Sétima e também no Fédro, Platão enfatiza a fraqueza e inutilidade da linguagem escrita. Toda a linguagem escrita apela para uma reconversão na sua form a falada; apela para um poder perdido. Escrever uma língua é «uma alienação da língua» relativamente à sua vivacidade — é uma Selbstentfremdung der Sprache (*), um autodistanciamento da fala. (A palavra alemã para língua, Sprache, é sugestiva dessa forma primordial da linguagem que é a de ser falada.) As palavras orais parecem ter um poder quase mágico, mas ao tornarem-se imagens visuais perdem muito desse poder. A literatura usa palavras de modo a tirar o máximo partido da sua «eficácia», mas, no entanto, muito do seu poder se esgota quando a audição (•) Ver W M 370-71. 26

se converte num processo visual de leitura. Naturalmente que não podemos hoje recuar para uma transmissão oral da literatura (e há vantagens numa transmissão escrita), mas não deveríamos esquecer que a linguagem na sua forma originária é mais ouvida do que vista e de que há boas razões que fazem com que a linguagem oral seja mais facilmente «compreendida» do que a linguagem escrita. Consideremos o facto da leitura em voz alta. A interpretação oral não é um a resposta passiva aos signos no papel, à maneira de um fonógrafo que toca um disco; é um tema criativo, 6 uma «per­ formance», semelhante à de um pianista que interpreta uma peça musical. Qualquer pianista poderá dizer-nos que uma partilura musical é como uma casca. Para interpretar a música é preciso chegar ao «sentido» das frases. O mesmo se passa com a leitura da linguagem escrita. Um intérprete oral tem apenas um envólucro do original — «contornos» de sons sem indicação do tom, ênfase ou atitude, e no entanto tem que reproduzir sons vivos. Mais uma vez, aquele que reproduz tem que chegar ao sentido das palavras, de modo a exprimir, mesmo que seja uma só frase. Mas como se passa esta misteriosa apreensão de sentido? O processo é um para­ doxo confuso: para lermos algo torna-se necessário compreender previamente o que vai ser dito e, porém, esta compreensão deverá vir da leitura. O que aqui começa a emergir é um complexo processo dialéctico implicado em toda a compreensão, na medida em que torna uma frase significativa e, de certo modo, numa orien­ tação oposta, lhe fornece o alvo e o relevo. Só estes conseguirão tornar significativa a palavra escrita. Assim, a interpretação oral tem duas vertentes: é necessário compreender algo para o podermos exprimir e, no entanto, a própria compreensão vem a partir de uma leitura-expressão interpretativa. Para quem profissionalmente esteja ligado à «interpretação lite­ rária», particularmente para os professores de literatura, que sen­ tido terá o facto da linguagem falada ser considerada em si mesma como um fenômeno interpretativo? Fundamentalmente torna-se ne­ cessário reexaminar o papel da interpretação oral em todo o ensino da literatura. Pois não será a leitura de produções literárias (pelo estudante) uma «performance» análoga à interpretação musical? Precisamos de nos interrogar sobre quantas produções literárias foram escritas directamente para serem lidas em silêncio. Os roman­ ces foram-no nitidamente e alguns poemas recentes assentam oca­ sionalmente sobre efeitos visuais; no entanto, mesmo nestes casos, não é verdade que muitas vezes (e com toda a justiça) imaginamos os sons à medida que os lemos? Por exemplo, ao ler um romance de Dostoiévsky, não é que ou­ vimos o diálogo por meio de uma «audição interna?» Não será pois o sentido inseparável das entoações auditivas fornecidas de acordo com «o círculo do sentido contextual» que se construiu no processo 27

de leitura da obra? (Isto, como veremos, é na realidade o «círculo hermenêutico».) Aqui está novamente a vertente oposta da dialéctica: o leitor fornece a «expressão» de acordo com a sua com­ preensão do texto. A tarefa da interpretação oral não é de modo algum uma mera técnica que exprima um sentido totalmente co­ piado; é uma tarefa filosófica e analítica e nunca pode divorciar-se do problema da própria compreensão. Mais especificamente, «o problema da compreensão», especialmente o da compreensão da linguagem, é intrínseco a toda a «interpretação literária». É este problema que constitui o tema da hermenêutica. Tomemos isto como princípio: Toda a leitura silenciosa de um texto literário é uma form a disfarçada de interpretação oral. E os princípios de compreensão que se aplicam numa boa interpretação oral também se aplicam à interpretação literária como um todo. Uma crítica literária que aspira a ser um «Enabling Act» (*), colo­ ca-se em parte como um esforço para compensar a fraqueza e a total debilidade da palavra escrita; tenta devolver à obra as dimen­ sões do discurso oral. Consideremos a segunda questão: Não é ver­ dade que um crítico literário avaliará diferentemente uma versão oral de um soneto e um a versão escrita do mesmo? No caso da interpretação oral, não estará ele na verdade a oferecer uma inter­ pretação rival, uma comparação imaginária com a sua própria inter­ pretação? No caso de ser escrita, não estará à procura de outras palavras escritas (e por conseguinte igualmente castrantes, retendo o seu conteúdo básico conceptual, visual e não auditivo) para subs­ tituir o que se perdeu com o som das palavras? Não estará ele num certo sentido a fornecer aquilo que uma boa interpretação oral fornece por meio da pura sonoridade? Especialmente na «nova crítica», é habitual imaginar que o texto fala por si, sem a ajuda de dados biográficos, históricos ou psico­ lógicos. O próprio texto tem o seu «ser» nas palavras, no seu arranjo, nas suas intenções, e nas intenções da obra enquanto ser de uma determinada espécie. Se assim é, não será que o crí­ tico — que idealmente não domina mas que antes se rende ao ser da obra (e é assim que deverá ser) — ajuda a restaurar a perda implícita nas palavras escritas? Quando o crítico tom a patentes os elementos conceptuais (as suas ferramentas) não estará a construir um contexto significativo (um «círculo hermenêutico») a partir do qual sairá uma «performance» oral mais apropriada, mesmo que disfarçada de leitura silenciosa mais profundamente interpretativa? Isto ainda cumpre a intenção da Nova Crítica que é preservar a integridade da existência da própria obra, da «heresia da paráfrase», pois ela trabalha para que o texto fale por si mesmo. A esta luz, a (*) Decreto que conferiu à Igreja Estabelecida (Established Church) uma certa autonomia. (N. da T.) 28

Nova Crítica sem dúvida que concordaria que uma crítica verda­ deira, «autônoma», é a que se orienta para uma leitura oral mais adequada do próprio texto, de modo a que o texto possa existir outra vez como um acontecimento significativo no tempo, um ser que irradie pela sua verdadeira natureza e integridade. A interpretação oral ajuda a crítica literária a lembrar-se da sua intenção secreta, quando considera (de um modo mais cons­ ciente) a definição da «existência» de uma obra, não como uma coisa estática e conceptual, não como uma «essência» atemporal que se coisificou enquanto conceito expresso por palavras, mas antes como um a existência que realiza o seu poder de existir en­ quanto acontecimento oral no tempo. A palavra tem que deixar de ser palavra (i. e. visual e conceptual) e tornar-se «evento»; a existência de uma obra literária é uma «palavra evento» que acon­ tece enquanto «performance» oral O - Uma crítica literária ade­ quada orienta-se para a interpretação oral da obra na qual se concentra. Nada há na «autonomia existencial» da obra literária que contradiga este princípio; pelo contrário, a autonomia da exis­ tência está de acordo com ele ('). O poder da palavra oral é também significativo nessa religião centrada no texto que é o Cristianismo. Tanto São Paulo como Lutero são famosos por dizerem que a salvação vem pelos ouvidos. As epístolas de São Paulo foram compostas para serem lidas em voz alta e não silenciosamente. Lembremo-nos que a leitura rápida e silen­ ciosa é um fenômeno moderno trazido pela Imprensa. A nossa era de velocidade fez da «leitura rápida» uma virtude; é-nos extrem a­ mente custoso imprimir a semivocalização das palavras numa criança que aprende a ler. E, no entanto, isto era perfeitamente normal em épocas passadas. Santo Agostinho afirma que era assim que lia. A teologia cristã tem que se lembrar de que a «teologia da Palavra» não é uma teologia da palavra escrita mas sim da palavra falada, a Palavra que nos confronta na «linguagem evento» das palavras faladas. As Escrituras (especialmente na teologia de Bult­ mann) são Kerygma, uma mensagem que deve ser proclamada. É certo que a tarefa da teologia é explicar a palavra na língua e no contexto de cada época, mas deverá também exprimir e proclamar a Palavra no vocabulário da época. O esforço de propagação da Bíblia impressa, auto-anular-se-á se a Bíblia for vista basicamente como um contrato, como um documento legal ou como uma expli­ cação conceptual do mundo. A linguagem bíblica actua de um modo totalmente diferente de um manual de construção ou de uma O Usei aqui intencionalmente o vocábulo familiar de teologia do «evento discursivo» (speech-event theology); ver W F 295 n.° 313, 31 8 - 9 e passim. (*) Algumas teorias modernas da interpretação oral orientam-se para a centração numa palavra evento. Ver Don Geiger, «The Sound, Sense and Per­ formance of Literature». 29

folha informativa; «Informação» é uma palavra significativa aponta para uma utilização da linguagem diferente da que se encontra na Bíblia. Apela para a faculdade racional e não para a personalidade no seu todo; para compreendermos uma informação não temos que recorrer à nossa experiência pessoal nem que tomar qualquer risco — e a informação não é muito afectada por uma leitura silen­ ciosa. Mas a Bíblia não é informação; é uma mensagem, uma «pro­ clamação», e é suposto lê-la em voz alta e ouvi-la. Não é um conjunto de princípios científicos; é uma realidade de uma ordem diferente da verdade científica. É uma realidade que deve ser com­ preendida como um relato histórico, é um acontecimento para ser ouvido.' Um princípio é científico; um acontecimento é histórico. A racionalidade de um princípio não é a de um evento. Neste sen­ tido mais profundo da palavra «histórico», a literatura e a teologia são, enquanto disciplinas, mais estritamente «históricas» do que «científica» (9). Os processos interpretativos adequados à ciência, são diferentes dos processos interpretativos adequados aos aconte­ cimentos históricos, ou dos acontecimentos que a teologia e a literatura pretendem compreender. A presente abordagem da primeira orientação significativa do antigo uso de hermeneuein — interpretação como dizer e como ex­ primir — levou à afirmação de alguns princípios fundamentais de interpretação, quer em literatura quer em teologia. Levou-nos à form a e função primordiais da linguagem como som vivo, detentor do poder de uma fala significativa. A linguagem, enquanto emerge de um não ser, não é signo mas som. Perde algum do seu poder expressivo (e por conseguinte do seu significado) quando se reduz a imagens visuais — o mundo silencioso do espaço. Por conseguinte, a teologia e a interpretação literária devem reconverter a escrita em discurso. Os princípios de compreensão que permitem esta con­ versão constituem uma preocupação dominante da moderna teoria hermenêutica.

Hermeneuein como «explicar» A segunda orientação significativa de hermeneuein é «explicar». A interpretação como explicação dá ênfase ao aspecto discursivo da compreensão; aponta para a dimensão explicativa da interpre­ tação, mais do que para a sua dimensão expressiva. No final de contas, as palavras não se limitam a dizer algo (embora também o façam e isso seja um movimento fundam ental da interpretação); elas explicam, racionalizam e clarificam algo. Podemos exprimir

(s) Ver Car! Michalson «The Rationality of Failh». 30

uma situação sem a explicar; exprimi-la é interprctá-la, mas cxpli cá-la é também uma forma de «interpretação». Consideremos hIku mas das dimensões desta segunda e mais óbvia forma de interpre tação e o seu significado actual. As mensagens crípticas do oráculo de Delfos não interpretavam um texto preexistente; eram «interpretações» de uma situação. (As próprias mensagens precisavam de ser interpretadas.) Levavam algo a exprimir-se (o que é a primeira e primordial orientação significa­ tiva) mas o que levavam a exprimir-se era ao mesmo tempo a explicação de algo — algo previamente inexplicado. Levavam o «sig­ nificado» de uma situação à sua formulação verbal; explicavam-no, por vezes, por meio de palavras que escondiam tante quanto revela­ vam. Diziam em palavras, algo sobre uma situação, sobre a realidade. O significado não estava escondido no estilo ou na maneira de dizer; não era isso que constituía a sua preocupação dominante. Tratava-se antes de uma explicação, no sentido de dizer algo sobre qualquer outra coisa. Asskn, enquanto que num sentido os oráculos apenas diziam ou enunciavam, enquanto explicação orientavam-se para um segundo momento interpretativo — explicar ou dar conta de algo. O tratado de Aristóteles «Peri hermeneias» define a interpretação como «enunciação». Uma definição deste tipo sugere a primeira orientação significativa, «dizer» ou «anunciar». No entanto, se o texto for aprofundado, como actualm ente o podem fazer aqueles que lêem inglês, devido a um a recente tradução com um extenso comentário de S. Tomás (’°), a segunda orientação também se pode aplicar. Aristóteles define hermeneia referindo-se à operação da mente que formula juízos que têm a ver com a verdade ou falsidade das coisas. Neste sentido, a «interpretação» é a operação fundamental do intelecto quando formula um juízo verdadeiro sobre uma coisa. Um pedido, uma ordem, uma pergunta ou uma imprecação não são juízos, segundo Aristóteles, mas derivam de juízos. Constituem for­ mas secundárias de frases que se aplicam a situações que o intelecto originalmente percebeu sob a forma de juízo. (É típico em Aristó­ teles o facto do intelecto se aperceber do significado sob a forma de juízo.) O juízo originário «a árvore é castanha» precede qualquer juízo que exprima um desejo ou uma utilização da mesma. Por conseguinte, as «interpretações» não são juízos que tendam para uma utilização — como é um pedido ou uma ordem — mas antes juízos sobre algo que é verdadeiro ou falso. Aristóteles define-os como «um discurso onde há verdade ou falsidade» (17 a 2). Uma conseqüência desta definição de interpretação é que tanto a retó­

(” ) Ver a nota (I). 31

rica como a poética estão fora do âmbito do tratado de interpre­ tação, visto que tendem a comover o ouvinte (17 a 5). A enunciação (interpretação) não pode, segundo Aristóteles con­ fundir-se com a lógica, porque a lógica provém da comparação de juízos formulados. A enunciação é a formulação dos próprios juízos, não é um processo de raciocínio que parte do conhecido para o desconhecido. De um modo geral, Aristóteles divide as operações básicas da mente em 1) compreensão simples dos objectos 2) ope­ rações de composição e de divisão, 3) operações de raciocínio partindo do conhecido para o desconhecido. A enunciação, tal como é discutida na obra Da interpretação é apenas lida com o segundo sentido: a operação construtiva e divisiva de formular juí­ zos susceptíveis de verdade ou falsidade. A enunciação não é por­ tanto lógica, retórica ou poética, mas mais fundamental; é a enunciação da verdade (ou falsidade) de uma coisa enquanto juízo. O que fazer com esta definição específica de interpretação, restrita mas contudo frutífera? Em primeiro lugar, é significativo o facto de a enunciação não ser «a compreensão simples dos objectos» mas de lidar com os processos implicados na construção de um juízo verdadeiro. Actua ao nível da linguagem mas ainda não é lógica; a enunciação alcança a verdade de uma coisa e incorpora-a como juízo. O telos do processo não é agir sobre as emoções (a poética) ou provocar uma actuação política (retórica) mas sim tornar com­ preensível o juízo. A enunciação, ao procurar exprimir a verdade de algo tal como um juízo proposicional, inclui-se nas operações da mente mais altas e puras, na teoria mais do que na prática; preocupa-se mais com a verdade e falsidade do que com a utilidade. Não se tratará então da primeira orientação significativa e não da segunda? Ou seja, mais do que exprimir ou dizer, não se tratará antes de explicar? Talvez assim seja; mas temos que ver que a expressão diz respeito ao estilo, temos que notar que dizer era quase como que uma operação divina: anunciava o divino mais do que enunciava o racional. A enunciação para Aristóteles, não é uma mensagem da divindade mas uma operação do intelecto racional. E como tal, começa imperceptivelmente a transformar-se em explicação. Come­ çamos já a compor e a dividir para encontrar a verdade de um juízo; porque o dizer é pensado como juízo, começa já a afirmar-se o elemento racional, a verdade torna-se estática e informativa, é um juízo sobre uma coisa que corresponde à sua essência. Já a verdade é «correspondência» e o dizer é «juízo»; imperceptivelmente, a ver­ dade do «acontecer» transforma-se na verdade estática de princípios e de juízos. E, no entanto, Aristóteles teve razão ao situar o momento da interpretação mais cedo do que os processos de análise' lógica. Isto chama a atenção para um erro do pensamento moderno, que tende 32

demasiado depressa a fixar automaticamenle a interpretação no momento da anáüse lógica. Os processos lógicos são também inter­ pretação, mas a «interpretação» prioritária e fundante tem que ser lembrada. Por exemplo, um cientista chamará interpretação às análises de dados que faz; também seria correcto cham ar inter­ pretação à sua visão dos dados. Mesmo no momento cm que os dados se tornaram juízos, ocorreu interpretação. Do mesmo modo um crítico literário chamará interpretação à análise que faz de uma obra; seria igualmente correcto chamar interpretação ao modo como ele vê a obra. Todavia, a «compreensão» que serve de base à interpretação já molda e condiciona a interpretação — é uma interpretação preli­ minar, mas uma interpretação que provocará toda a diferença (mudança) porque coloca o palco para uma interpretação subse­ quente. Mesmo quando um intérprete literário se volta para um poema e diz: «Isto é um poema, vou compreendê-lo fazendo isto ou aquilo», ele iá interpretou a sua tarefa e consequentemente já moldou a sua visão do poema ("). E com o seu método, já moldou 0 significado do objecto. Na verdade, método e objecto não podem separar-se: o método já delimitou o que veremos. Já nos disse o que o objecto é enquanto objecto. Por este facto, todo o método é já interpretação; é, no entanto, apenas uma interpretação e o objecto, visto com um método diferente, será um objecto diferente. Portanto, a explicação tem que ser vista no contexto de uma explicação ou interpretação mais funda, a interpretação que já ocorre no modo como nos voltamos para o objecto. A explicação apoiar-sc-á certamente nas ferram entas da análise objectiva, mas a selecção das ferram entas relevantes é já uma interpretação da tarefa compreensiva. A análise é interpretação; sentir a necessidade de análise é também uma interpretação. Assim, a análise não é realmente uma interpretação básica mas sim uma forma derivada; montou primeiro o palco com uma interpretação essencial e pri­ mária, antes mesmo de começar a trabalhar com os dados. E isto infelizmente é tão verdade no que respeita à «análise noticiosa» que interpreta os acontecimentos do dia, como para a análise cien­ tífica de laboratório ou para a análise literária feita na sala de aula. O carácter derivado da lógica, enquanto dependente de propo­ sições, é suficientemente claro; o carácter caracteristicamente deri­ vado da explicação ou análise não é tão óbvio, mas não é menos real. Um uso interessante da palavra hermenêutica aparece no Novo 1cstamento, em Lucas 24, 25-27. Jesus ressuscitado aparece: (“ ) Isto é uma fraqueza inerente ao gênero crítica, por exemplo à trab^iIIh. Hü observações brilhantes sobre este tipo de crítica, aplicadas a Ésquilo, nrn H. D. F. Kitto, «Form and Meaning in Drama» e mais recentemente na mm « Poitsis».

33

E disse-lhes: «Ó homens loucos, lentos em acreditar no que os profetas disseram! Então não era necessário que Cristo sofresse tudo isto antes de ser glorificado?» E começando pelos livros de Moisés e por todos os profetas interpretou-lhes (diermeneusen) tudo o que acerca dele se dizia nas Escrituras. Repare-se que Cristo apelou para as faculdades dos discípulos: «Então não era necessário?» Depois desvendou o significado dos textos colocando-os no contexto do seu sofrimento redentor e colo­ cando esse sofrimento no contexto das profecias do Antigo Testa­ mento. Embora a utilização que o Novo Testamento faz do Antigo Testamento tenha interesse em si mesma, deixemos de parte o problema teológico e interroguemo-nos sobre o que o exemplo sugere sobre a interpretação enquanto explicação. A citação é nitidamente um exempio de explicação, porque Jesus estava a fazer algo mais do que repetir ou reafirm ar os textos antigos; explicou-os e explicou-se a si mesmo em função deles. Aqui a interpretação envolve a busca de um factor externo, Cristo, para designar o «sentido» dos textos antigos. Só na presença deste factor é que os textos se tor­ nam significativos. Por outro lado, Cristo é também visado para m ostrar que só à luz dos textos o seu sacrifício se torna significa­ tivo enquanto cum primento histórico do profetizado Messias. O que é que isto sugere do ponto de vista hermenêutico? Sugere que o significado tem a ver com o contexto; o processo explicativo fornece o palco da compreensão. Um acontecimento só se torna significativo dentro de um contexto específico. Mais ainda: Cristo ao relacionar a sua m orte com a esperança num Messias, relaciona este acontecimento histórico com as esperanças pessoais e intenções dos seus ouvintes. O seu significado torna-se o de um Redentor pessoal e histórico. O significado está numa relação com os pró­ prios projectos e intenções dos ouvintes; não é algo que Jesus pos­ sua em si próprio, fora da história e fora da relação que tem com os ouvintes. Podemos dizer que um objecto não tem sentido fora de uma relação com alguém e que a relação determina o signifi­ cado. F alar de um objecto independentemente de um sujeito que o perceba é um erro conceptual causado por um conceito realisticamente inadequado, quer da percepção quer do mundo; mas mesmo aceitando esse conceito, será pertinente falar de sentido e de signifado fora de sujeitos que percepcionem? Os teólogos gostam de realçar o aspecto pro nobis (para nós) de Cristo, mas podemos afirm ar que em princípio todas as expli­ cações são «para nós», toda a interpretação explicativa assume inten­ ções naqueles a quem a explicação se dirige. Outro modo de dizer isto é afirmar: a interpretação explicativa torna-nos conscientes de que a explicação é contextual, é «horizon­ tal», (horizonal). Deve processar-se dentro de um horizonte de sig­ 34

nificados e intenções já aceites. Em hermenêutica, esta área de uma compreensão pressuposta, é designada por pré-comprccnsão. Pode­ mos frutiferam ente perguntar que pré-compreensão é necessária para podermos conhecer o texto (dado). Jesus forneceu aos seus ouvintes os elementos necessários para compreenderem os textos proféticos; isso fazia parte da explicação necessária. Mesmo assim, tinha que assumir uma pré-compreensão do que era a profecia e daquilo que ela poderia significar para eles antes de poder explicar-se perante os seus ouvintes. Poderíamos perguntar qual o horizonte interpretativo que um grande texto literário habita e, depois, como é que o horizonte do próprio mundo de intenções, esperanças e pré-interpretações de um indivíduo se relaciona com ele. Esta fusão de dois horizontes deve ser consi­ derada um elemento básico de toda a interpretação explicativa. Uma forma de interpretação literária que, como foi sugerido, tem como meta uma interpretação oral mais completa, não des­ prezará as dimensões explicativas da interpretação. Longe disso, o enquadram ento do horizonte no qual se coloca a compreensão é o fundamento de uma interpretação oral verdadeiramente comu­ nicativa. (Lembremos que interpretação oral é o que todos fazemos quando ao ler um texto procuramos fornecer todas as nuances do seu significado; pode não ser em público ou mesmo em voz alta.) Para que o intérprete faça uma «performance» do texto tem que o compreender; tem que previamente compreender o assunto e a situação antes de entrar no horizonte do seu significado. Só quando consegue meter-se no círculo mágico do seu horizonte é que o intérprete consegue compreender o seu significado. Esse é o tal misterioso «círculo hermenêutico» sem o qual o sentido do texto não pode emergir. Mas há aí um a contradição. Como pode um texto ser compreendido, quando a condição para a sua compreensão é já ter percebido de que é que o texto fala? A resposta é que, de certo modo, por um processo dialéctico, há uma compreensão parcial que é usada para compreendermos cada vez mais, tal como ao m anusear as peças de um «puzzle» adivinhamos o que dele falta. Uma obra literária fornece um contexto para a sua própria compreensão; um problema fundamental em hermenêutica é expli­ car como é que um horizonte individual se pode acomodar ao hori­ zonte da obra. É necessário um certo conhecimento prévio, sem o qual não haverá qualquer comunicação. No entanto, esse conhe­ cimento tem que ser alterado no acto de compreensão. A função de uma interpretação explicativa na interpretação literária pode ser vista neste contexto, como um esforço para colocar os fundamentos numa pré-compreensão que permita compreender o texto. À medida que consideramos estas duas orientações da interpre­ tação (dizer e explicar), a complexidade do processo interpretativo e o modo como ele se baseia na compreensão começam a aparecer. 35

A interpretação como «dizer», relembra a natureza da leitura como «performance»; contudo, mesmo na «performance» que é ler um texto literário, o actor tem que o «compreender». Isto implica expli­ cação; mas aqui, mais uma vez a explicação se fundamenta numa pré-compreensão, de modo a que anteriorm ente a qualquer expli­ cação significativa ele tem que entrar no horizonte do tema e da situação. Ele tem que, na própria compreensão do texto, agarrar esse texto e ser agarrado por ele. A sua posição neste encontro, a pré-compreensão do material e da situação a que tem que chegar, num a palavra, todo o problema da fusão do seu horizonte com­ preensivo com o horizonte compreensivo que vem ao encontro dele no texto, nisto consiste a complexa dinâmica da interpretação. É o «problema hermenêutico». Considerar os elementos acima indicados do problema interpretativo, não é, como alguns poderiam pensar, cair no «psicologismo». Porque a perspectiva em que a acusação de «psicologismo» e a atitude de antipsicologismo (pressuposta na acusação) ganham algum sentido, pressupõe de base uma separação e um isolamento do objecto e depois considera depreciativamente a reacção «subjectiva» como se ela estivesse no campo intangível dos «sentimentos». No entanto, a discussão aqui apresentada não lidou com sentimentos mas com a estrutura e a dinâmica da compreensão, com as condi­ ções em que o significado pode surgir na interacção do leitor com o texto, com o modo como qualquer análise pressupõe já uma definição formada da situação. Dentro do enquadramento destas considerações, vemos como é verdadeira a observação de Georges Gurvitch — que objecto e método nunca podem separar-se (“ ). É claro que isto é uma verdade estranha ao modo realista de ver.

Hermeneuein como «traduzir» As implicações da terceira orientação do significado de herme­ neuein são quase tão sugestivas para a hermenêutica e para a teoria da interpretação literária como as outras duas. Nesta orientação, «interpretar» significa «traduzir». Quando um texto é na própria língua de um autor, o choque entre o mundo do texto e o do seu autor pode passar despercebido. Quando o texto é numa língua estrangeira, o contraste de perspectivas e horizontes não pode ser ignorado. No entanto, como veremos, os problemas daquele que interpreta línguas não são estruturalm ente diferentes dos do crítico literário que trabalha com a sua própria língua. Permitem-nos ver mais claramente a situação presente em qualquer interpretação de texto. (1J) Georges Gurvitch, «Diatectique el Sociologie». 36

A tradução é uma forma especial do processo básico intcrpre tativo de tornar compreensível. Neste caso, tornamos compreensível o que é estrangeiro, estranho ou ininteligível, utilizando como medium a nossa própria língua. Tal como o deus Hermes, o tradutor é um mediador entre um mundo e outro. O acto de traduzir não é uma simples questão mecânica de encontrar sinônimos. Os resul­ tados ridículos das máquinas tradutoras tornaram isso por de mais evidente. O tradutor é um mediador entre dois mundos diferentes. A tradução torna-nos conscientes do facto de que a própria língua contém uma interpretação. A tradução torna-nos conscientes de que a própria língua contém uma visão englobante do mundo, à qual o tradutor tem que ser sensível, mesmo quando traduz expres­ sões individuais. A tradução apenas nos (orna mais totalmente conscientes do modo como as palavras na realidade moldam a nossa visão do mundo, mesmo as nossas percepções. Não há dúvida de que a língua é um repositório de uma experiência cultural; existi­ mos nesse medium e através dele; vemos através dos seus olhos. A tradução da Bíblia pode servir de ilustração aos problemas da tradução em geral ("). A Bíblia chega-nos de um mundo distante no tempo, espaço e língua, um mundo estranho que temos que interrogar (e que nos interroga). De certo modo, o horizonte do nosso universo compreensivo deve encontrar-se e fundir-se com o horizonte compreensivo do texto. Mediado não só pela língua mas também pela história (um espaço de tempo de dois mil anos), o Novo Testamento deve falar com palavras que sejam do nosso mundo, que constituam o nosso medium para ver o que existe. Como podemos esperar compreender acontecimentos que se passa­ ram num contexto totalm ente diferente da moderna cidade secular de comunicação de massas, de conflitos mundiais, gás, napalm, armas atômicas e guerra bacteriológica? Devemos manter a acção literal do Novo Testamento ou apresentar o que seria o seu equi­ valente nos tempos modernos? Eugene Nida, por exemplo, no seu livro sobre ciência da tradução, cita o exemplo da frase caracte­ rística de S. Paulo: «Cumprimentai-vos uns aos outros com um santo beijo.» O beijo era o cumprimento habitual nos termos do Novo Testamento mas não o é nos dias de hoje. Uma versão do século XX deverá dizer: «Cumprimentai-vos uns aos outros com um "caloroso aperto de mão?» Este exemplo é um problema menor, comparado com as ques­ tões mais fundas do choque entre toda a visão do mundo do Novo Testamento e a visão do mundo moderno, científica e pós-deística. É exactamente este o problema que o teólogo alemão Rudolf Bult­ mann tentou encarar com o seu projecto controverso de desmito(ls) Eugene A. Nida, «Toward a Science oi Translating: with special reference to Principies and Procedures Involved in Bible Translating». 37

logização. Bultmann nota que a mensagem bíblica se coloca no contexto de uma concepção cosmológica em que os céus são colo­ cados em cima, a terra no meio e o mundo subterrâneo em baixo — é um universo de três níveis. A resposta a tal situação é afirm ar que a mensagem do Novo Testamento não está dependente da sua cosmologia. Esta é apenas o contexto de uma mensagem sobre a obediência pessoal e a transformação num «homem novo». A desmitologização é uma tentativa de separar a mensagem essencial da «mitologia» cosmológica na qual nenhum homem moderno pode acreditar. Sejam quais forem os méritos teológicos da desmitologização enquanto solução para este dilema interpretativo, o próprio projecto aponta para um problema profundo: Como devemos «compreender» o Novo Testamento? O que é que estamos a tentar compreender? Até onde temos que penetrar no mundo histórico do pensamento e da experiência próprios do Novo Testamento antes de o podermos interpretar? Será de algum modo possível encontrar equivalentes para a «compreensão» do Novo Testamento? Será que o nosso mundo mudará tanto num século que o Novo Testamento se tor­ nará ininteligível? Já hoje é mais difícil para os jovens dos centros urbanos compreender Homero, devido aos componentes da vida homérica — barcos, cavalos, charruas, lanças, machados, odres de vinho — serem artigos que eles apenas conhecem de livros ou de museus. Isto não é sugerir que Homero esteja fora de moda mas sim que o esforço para o compreendermos se torna cada vez mais difícil à medida que mecanizamos o nosso modo de vida. Desmitologizar não é um problema meramente teológico; ocorre com menos mas ainda significativa premência quando tentamos perceber qualquer obra antiga. A actual teologia da «morte de Deus» é uma outra form a de desmitologizar, mas clarifica um pouco mais o problema da compreensão moderna da antiga tragédia grega: Como é que por exemplo podemos considerar significativa uma peça de Sófocles, se o antigo Deus da metafísica morreu e se o Deus vivo das relações entre os homens ainda não nasceu? Será essa peça de teatro um monumento a um Deus morto ou a um conjunto de deuses mortos? Será, tal como disse o crítico Raleigh acerca do Paraíso Perdido, um «monumento a ideias mortas»? Como é que uma peça grega deverá ser traduzida para uma língua moderna? Ou como é que devem ser compreendidos os antigos termos? Como devemos evitar que as obras antigas se assemelhem a meras comédias? O que muitos professores de clássicas têm feito, é verdadeiramente desmitologizar quando defendem a relevância de um trabalho na base do seu perene significado humano. Mesmo assim, este «significado humano» tem que ser interpre­ tado em termos de auditores modernos (a fase explicativa de inter­ pretação), e para proceder deste modo temos que ser mais precisos 38

na determinação de como é que uma coisa é significativa. Uma abordagem da interpretação literária que se concentre na enume­ ração de imagens de um ou de outro tipo, ou que se focalize na forma de uma obra. ou que faça uma análise temática de uma obra ou de várias, deixa passar de facto o problema da «signifi­ cação». Uma abordagem literária que encare a obra como um objecto afastado dos sujeitos que a percepcionam, automaticamente foge ao problema daquilo que na verdade constitui o significado humano de um a obra. No entanto, é possível que a crítica literária americana acorde uma manhã, descobrindo que, ao pôr de lado a questão de tornar hum anam ente relevante uma grande obra atra­ vés da interpretação da mesma, os exercícios complicados que faz no domínio da imagem, da forma e da análise temática, acabaram por se transform ar num passatempo insípido para professores de inglês. As suas dissecações perderam interesse; tal como Deus, a «literatura morreu»; m orreu porque os seus intérpretes estão mais interessados em conhecer a sua estrutura e a sua função autônoma do que em mantê-la viva e humanamente significativa. A literatura (ambém pode m orrer, m orrer de fome pela ausência de uma rela­ ção com o leitor. As interpretações teológica e literária terão que ser hum anam ente significativas para os dias de hoje, caso contrário perderão todo o valor. Os professores de literatura têm que se tornar peritos em «tra­ dução», mais do que em «análise»; a sua tarefa é transform ar o que é estranho, pouco comum e obscuro, em algo que tenha signi­ ficado, que «fale a nossa língua». Isto não significa pressionar os clássicos e apresentar Chaucer num inglês do século XX: significa reconhecer o problema da existência de um conflito entre hori­ zontes, significa prepararmo-nos para lidar com ele, mais do que varrê-lo para debaixo do tapete, concentrando-nos em jogos analí­ ticos. A visão do mundo implícita num poema ou pressuposta por ele e portanto essencial para a sua compreensão, não devia ser tratada como uma espécie de falácia de uma crítica histórica ultra­ passada. Por exemplo, um pré-requisito essencial para compreender a Odisséia é o reconhecimento básico de que as coisas naturais são dotadas de vida e de intenções, de que o universo é uma questão de terra e de água até onde o podemos enxergar, de que cada processo natural é o resultado da vontade de um ser sobrenatural, c de que os deuses são chefes sobre-humanos com todas as fra­ quezas dos seres humanos, sendo, no entanto, seres que actuam mima versão mais elevada do código do herói grego, centrado na honra. Só quando avançamos neste mundo que já não é o nosso mundo real, é que nos centramos no homem dos estratagemas ili­ mitados, esse herói que se aventura arrojadam ente nas garras da morte, esse inventor de contos que conseguia contar uma história 39

de modo a (quase) enganar a sua protectora Atena, esse pesquisador insaciável de conhecimentos perigosos, Odysseus. O génio das aná­ lises textuais de Erich Auerbach (lidando por exemplo com a cica­ triz de Odysseus) não reside apenas na sua lealdade e capacidade de resposta ao modo como a história é contada, mas também no seu reconhecimento de que o sentido de realidade subjacente é uma chave para a compreensão (“ ). Assim, o sentido de realidade e o modo de estar no mundo patente na obra devem ser um ponto central para uma interpretação literária «capaz», a base para uma leitura da obra que pode «agarrar-nos» (e «ser agarrada») pela sig­ nificação hum ana da sua acção. A metafísica (definição da reali­ dade) 'e a ontologia (característica de estar no mundo) de uma obra são fundantes para uma interpretação que torna possível uma compreensão significativa. A tradução consciencializa-nos, pois, do choque entre o nosso universo de compreensão e aquele em que a obra actua. Enquanto que a barreira da língua torna mais visíveis estes dois universos compreensivos, eles estão presentes em qualquer interpretação de uma obra escrita na nossa própria língua, e em qualquer diálogo autêntico, especialmente entre interlocutores separados por dife­ renças geográficas. Na literatura inglesa, mesmo um espaço de cem anos produz algumas transformações na língua, de modo que os problemas de interpretar Wordsworth, Pope, Milton, Shakespeare ou Chaucer implica o encontro de dois mundos contrastantes, no plano histórico e no plano lingüístico, e para americanos que nunca visitaram Inglaterra a separação é ainda maior. É-nos necessário um esforço de imaginação histórica e de «tra­ dução» só para considerarmos o mundo da Inglaterra de Words­ worth, na orla da industrialização mas ainda essencialmente rural. Ver a Itália de Dante e mudar-nos para esse mundo ao compreen­ dermos a Divina Comédia não é só uma questão de mera tradução lingüística (embora a tradução nos diga muito); é uma questão de tradução histórica. Mesmo com a melhor tradução inglesa, o pro­ blema da compreensão implicado no encontro com um horizonte distinto da compreensão da existência hum ana está sempre presente. A desmitologização é um reconhecimento deste problema em ter­ mos de interpretação bíblica; mas em princípio, como se observou, a desmitologização deve ocorrer com qualquer leitura de documentos históricos ou textos literários, mesmo que a desmitologização não tente roubar a originalidade da sua imediatez dramática. Resu­ mindo, uma explicação da visão do mundo implícita na própria linguagem, c depois na utilização da linguagem numa obra literária, é um desafio fundamental para a interpretação literária.

(H) «Odysseus Scar», Mimcsis, págs. 1-20. 40

A hermenêutica moderna encontra na tradução c na teoria da tradução um reservatório imenso para explorar o «problema hermenêutico». N a verdade, a hermenêutica no seu estádio histó­ rico primitivo sempre implicou a tradução lingüística, quer como hermenêutica filológica clássica quer como hermenêutica bíblica. O fenômeno da tradução é o próprio cerne da hermenêutica: nele se confronta a situação básica da hermenêutica, de ter que compor o sentido de um texto, trabalhando com instrumentos gramaticais, históricos e outros para decifrar um texto antigo. E, no entanto, tal como dissemos, esses instrumentos apenas são formalizações explícitas de factores implicados em qualquer confrontação com um texto lingüístico, mesmo na nossa própria língua. Há sempre dois mundos, o mundo do texto e o mundo do leitor, e por conse­ qüência há sempre a necessidade de que Hermes «traduza» de um para o outro. Esta discussão sobre a origem de hermeneuein e hermeneia e as três orientações significativas do seu antigo uso ocorreu no contexto do problema hermenêutico em geral. Assim serve de introdução a alguns dos problemas essenciais e alguns dos conceitos de hermenêutica que aparecerão nos capítulos seguintes. As defi­ nições modernas de hermenêutica darão ênfase quer a uma quer a outra orientação do rico manancial de significado existente nas raízes gregas das quais derivou o termo «hermenêutica». É bom que o campo da hermenêutica volte constantemente ao significado das três orientações significativas da interpretação como dizer, como explicar e como traduzir.

41

3

SEIS DEFINIÇÕES MODERNAS DE HERM ENÊUTICA

Porque evoluiu nos tempos modernos, o campo da hermenêutica tem sido definido pelo menos de seis maneiras diferentes. Desde ó começo que a palavra significou ciência da interpretação, referindo-se especialmente aos princípios de uma exegese de texto adequada. Mas o campo da hermenêutica tem sido interpretado (numa ordem cronológica pouco rigorosa) como: 1) uma teoria da exegese bíblica; 2) uma metodologia filológica geral; 3) uma ciência de toda a compreensão lingüística; 4) uma base metodo­ lógica dos Geisteswissenschaften; 5) uma fenomenologia da exis­ tência e da compreensão existencial; 6) sistemas de interpretação, simultaneamente recolectivos e inconoclásticos, utilizados pelo homem para alcançar o significado subjacente aos mitos e símbolos. Cada uma destas definições é mais do que um estádio histórico; cada uma delas indica um «momento» importante ou uma abor­ dagem ao problema da interpretação. Podiam ser chamadas de ênfase bíblico, filológico, científico, geisteswissenchaftliche, exis­ tencial e cultural (*). Cada uma representa essencialmente um ponto de vista a partir do qual a hermenêutica é encarada; cada uma (') Todos estes adjectivos classificativos são de certo modo inadequados e não satisfatórios; uso-os de um modo experimental e provisório para indicar a alteridade entre as seis diferentes abordagens. A hermenêutica bíblica tem muitas orientações diferentes; só no século dezoito incluía a gramática, a his­ tória, o pietismo e outras escolas, e continuou a ser maximizada até aos dias de hoje. A hermenêutica «Filológica» também gozou de um desenvolvimento complexo no século dezoito. A «científica» é de certo modo ilusória no que se refere a Schleiermacher pretendendo apenas sugerir a tentativa feita por este autor de dar à hermenêutica uma base universal e sistemática. A geisteswissenschaflliche refere-se ao projecto de Dilthey A «existencial» cobre as concepções hermenêuticas de Heidegger e de Gadamer. Por último a «cultural» sugere imperfeitamente a riqueza das aplicações que Ricoeur faz da hermenêutica na sua procura de uma filosofia mais adequada, centrada na interpretação dos símbolos. A hermenêutica jurídica é, de um modo geral, omitida. 43

esclarece aspectos diferentes mas igualmente legítimos do acto da interpretação, especialmente da interpretação de textos. O próprio conteúdo da hermenêutica tende a ser remodelado com estas m udan­ ças de perspectiva. Um esboço destes seis momentos ilustrará este tema e servirá de breve introdução histórica à definição da herme­ nêutica.

Hermenêutica como teoria da exegese bíblica O significado mais antigo e talvez ainda o mais difundido da palavra' «hermenêutica» refere-se aos princípios da interpretação bíblica. H á uma justificação histórica para esta definição, visto que a palavra encontrou o seu uso actual precisamente quando surgiu a necessidade de regras para uma exegese adequada das Escrituras. Provavelmente, o primeiro registo da palavra enquanto título de um livro foi a obra de J. C. D anhauer, Hermeneutica sacre sive rnethodus exponendarum sacrarum litterarum, publicada em 1654 f). Mesmo só pelo título do livro, percebemos que a hermenêutica se diferencia da exegese enquanto metodologia da interpretação. A distinção entre o com entário real (exegese) e as regras, métodos ou teoria que o orientam (hermenêutica) data desta utilização pri­ mitiva e permanece fundamental para uma distinção da herme­ nêutica, quer na teologia quer, quando a definição foi ulteriormente alargada, relativamente à literatura não bíblica. Depois do aparecimento da obra de Danhauer, o termo parece ter surgido cada vez mais frequentemente, especialmente na Ale­ manha. Aí, houve círculos protestantes que sentiram vivamente a necessidade de manuais de interpretação que ajudassem os sacer­ dotes na exegese das Escrituras, dado que os sacerdotes estavam desligados de qualquer recurso à autoridade da Igreja para decidirem sobre questões de interpretação. Assim houve um ímpeto forte no desenvolvimento de padrões viáveis e independentes para interpretar a Bíblia; entre 1720 e 1820, não passava um ano que não aparecesse algum novo manual para ajudar os pastores protestantes (’)• Na Inglaterra e mais tarde na América, a utilização da palavra «hermenêutica» seguiu a tendência geral de referência a uma exegcsc especificamente bíblica. O primeiro uso registado no Oxford Enulish Dictionary rem onta a 1737: «Tomar tais liberdades com as Sagradas Escrituras, que não são de modo algum permitidas por

(”) F.bcling, «Hermeneutik», R G G III, 243. (J) Ver Ibid., 242; Heinrici, «Hermemeutik», R P T K VII, 719; e E. I lolwrhül/., «Interprctation», ERE VII, 390-95. 44

quaisquer regras de uma hermenêutica sóbria e justa.» (*) Um século mais tarde, Longfellow, no Hyperion, põe o Irmão BcrnunU) a falar sobre «os meus papéis e a minha grande obra dc ílcrm c nêutica Bíblica» (5). Quando a utilização da palavra se alargou para se referir a tex tos não bíblicos, repare-se que os textos são obscuros, como se pre­ cisassem de métodos especiais para deles extrair um significado oculto. Por exemplo, a referência a uma «aprendizagem da musa hermenêutica» num caso (W. Taylor, 1807) (6), sugere uma inter­ venção deste gênero, tal como «o método hermenêutico de um significado profundo e oculto» (D. H unter, traduzindo a obra dc Reuss, Historical Canon, 1884) (7). De igual modo, a firmação dc Edward Burnett Tylor em Primi:ivc Culture (1871): «Nenhuma lenda, nenhuma alegoria ou rima infantil está a salvo da herme­ nêutica de um teórico radical da mitologia» (*). Portanto, no seu uso em inglês, a palavra pode referir-se a uma interpretação não bíblica, mas nesses casos, o texto é de um modo geral obscuro ou simbólico, requerendo um tipo especial de interpretação para que se alcance o seu significado escondido. A definição mais geral de hermenêutica manteve-se como sendo a de uma teoria da exegese das escrituras. Enquanto que o próprio termo «hermenêutica» apenas data do século XVI], as operações de exegese textual e as teorias da interpretação— religiosa, literária, legal — remontam à antiguidade. Assim, uma vez aceite a palavra como designando uma teoria da exegese, o campo que cobre estende-se geralmente (poderíamos dizer que retroactivamente) na exegese bíblica, aos tempos do Antigo Testamento, quando havia regras para se interpretar adequadamente a Torah (9). Existe uma relação hermenêutica importante entre o Novo e o Antigo Testamento pois Jesus explica-se a si próprio aos Judeus, em termos de profecia bíblica. Os estudiosos do Novo Testamento detectam nos Evangelhos (especialmente no Evange­ lho de S. João) (10) e nas epístolas de S. Paulo, operações para

(*) V, 243. (’) Henry Wadsworth Longfellow, «Prose Works», II, 309. «Hyperion» é um romance em prosa, uma das duas únicas obras de ficção em prosa que Longfellow pretendia conservar. (•) O E D V, 243. C) Ibid. (*) «Primitive Culture», I, 319. (“) O artigo final de Ebeling, acima citado, divide o desenvolvimento da hermenêutica biblica em sete períodos históricos: Pré-cristão, Cristão Primitivo, Patrística, Medieval, Reforma e Ortodoxo, Moderno, Contemporâneo. Também nos dá referências bibliográficas abundantes para cada período. (*“) Ver Frederik W. Herzog, «Historico-Ontological Hcrmeneutic in thc Fourth Gospel», «Understanding God», págs. 65-68. 45

interpretar Jesus aos seus ouvintes de acordo com um certo sistema de compreensão. A «teologia» já está em acção; num certo sentido, a própria teologia enquanto intérprete histórica da mensagem bíblica, é já hermenêutica. A história da hermenêutica bíblica podia tra ­ çar-se: através da Igreja primitiva; dos patriarcas; da interpretação medieval quadruplicada da Bíblia; da luta de Lutero contra os sistemas de interpretação místicos, dogmáticos, humanísticos e outros; do aparecimento do método histórico-crítico no século XV III e do complexo de forças em actuação durante este período, que­ rendo remodelar a interpretação das Escrituras; do contributo de Schleiermacher; da escola da história das religiões relativamente à interpretação; do aparecimento da teologia dialéctica nos anos de 1920 e da Nova Hermenêutica na teologia contemporânea. Não podemos apresentar aqui uma história com tantos pormenores; limitar-nos-emos a apontar simplesmente dois pontos, um sobre a natureza da hermenêutica indicada pelo exemplo da hermenêutica bíblica, e outro sobre a questão do âmbito da hermenêutica. Sem entrarm os em pormenores, será interessante notarmos a tendência geral da hermenêutica bíblica de confiar num «sistema» de interpretação a partir do qual as passagens individuais possam ser interpretadas. Mesmo na «hermenêutica» protestante há uma procura de um «princípio hermenêutico» que sirva de guia (u). O texto não é interpretado em si mesmo; de facto, pode ser que isto seja um ideal impossível. Por exemplo, no Iluminismo, o texto bíblico é um receptáculo de grandes verdades morais; no entanto, essas verdades encontram-se nele porque se moldou um princípio interpretativo que as encontrasse. Nesse sentido, a hermenêutica é o sistema que o intérprete tem para encontrar o significado oculto do texto. A outra questão envolve o campo da hermenêutica. Mesmo se assegurarmos a legitimidade de incluir retroactivamente na herme­ nêutica bíblica toda a teoria da exegese do tempo do Antigo Tes­ tam ento ao nosso tempo há sempre a questão de saber se a her­ menêutica inclui uma teorização explícita — regras de exegese niti­ damente expressas — ou uma teoria não formulada, implícita, da exegese, revelada através de uma prática. O teólogo G erhard Ebeling, por exemplo, fez um estudo sobre «a hermenêutica de Lutero» (” ). Lidar-se-á aqui apenas com as afirmações de Lutero no que respeita à interpretação bíblica, ou também com a sua prática exegética revelada pela análise dos seus sermões e de outros escritos? O estudo de Ebeling inclui ambas as perspectivas. (" ) Ver «Dai hermeneutische Prinzip der theologischen Exegese», F H 111 - 118 .

(” ) nEvangelische Evangelienauslegung: Eine Untersuchung zu L uthen Hermeneutik». 46

Isto aumenta grandemente o âmbito da hermenêutica blblun, < ■ de imediato a tarefa de escrever, por exemplo, uma histórlu tia hermenêutica bíblica alarga-se da consideração dc fontes relativa mente controláveis que discutem o problema hermenêutico, m> exame dos sistemas de interpretação implícitos em todos os grandes comentadores da Bíblia, desde os tempos antigos até aos nossos dias (13). Uma história deste tipo, transforma-se essencialmente em história da teologia (“ ). Levando as implicações deste âmbito mais lato da hermenêutica (enquanto sistema simultaneamente implícito e explícito de interpre­ tação) para uma definição de hermenêutica que se aplique à litera­ tura bíblica e não bíblica, o perímetro da hermenêutica não-bíblica torna-se historicamente tão vasto que fica incontrolável. Quem por exemplo poderia pensar em escrever uma história da hermenêutica assim definida? O sistema interpretativo implícito em todo o comen­ tário de texto (jurídico, literário, religioso) no pensamento ociden­ ta l — de resto porque não incluir também os sistemas Orientais? — teria que ser incluído. Na sua obra-prima de dois volumes (“ ) Emílio Betti deu um a contribuição essencial para a apresentação de um cruzamento de várias disciplinas interpretativas numa perspectiva actual de interpretação; no entanto, este esforço possante é ape­ nas uma fracção daquilo que uma tal «história da hermenêutica» implicaria. Podemo-nos ainda interrogar se, quer uma história completa da hermenêutica quer uma síntese inclusiva das muitas diferentes teo­ rias disciplinares da interpretação (partindo do princípio que ambas as perspectivas seriam possíveis) constituiriam, na verdade, uma res­ posta adequada ao problema hermenêutico actual. Ambos os pro­ jectos olham para o que já foi realizado, no passado ou no presente, e como tal, representam um esforço de conservação e de consolida­ ção. Mas para inovar e para avançar com perspectivas ainda inexis­ tentes, é preciso mais do que uma perspectiva histórica, ou científica. Tão necessário como cada uma das perspectiva referidas (e ninguém (ls) Há vários e excelentes estudos sobre hermenêutica bíblica que nos dão pormenores históricos, como por exemplo: E. C. Blaokman, «Biblical Interpretation»; Frederic W. Farrar, «History of Inlerpretalion»; Robert M. Grant, «A Short History of lhe Inlerpretation of lhe Bible»; Stephen Neill, «The Interpretation of lhe New Testament»; 1861-1961-, B. Smalley, «The Study of lhe Bible in the Middle Ages»\ e James D. Wood, «The Inlerpretation of lhe Bible». Em alemão, há a obra recente de Lothar Steiger, «Die Hermeneutik ais dogmatische Problem» recomendável pelo tratamento que faz da hermenêutica teológica desde Schleiermacher. (14) Ver Gerhard Ebeling, «Kirchengeschichte ais Geschichte der Auslegung der Heiligen Schrift». (“ ) T G I, traduzido para alemão pelo seu autor e reduzido a um terço como AAMG. Ver também o contributo de Joachim Wach para este projecto, V, uma história da hermenêutica no século dezanove, em três volumes. 47

nega o valor que têm) é uma compreensão mais funda do fenômeno da própria interpretação, uma compreensão que seja filosoficamente adequada, quer epistemológica quer ontologicamente. As histórias da teoria da interpretação em disciplinas específicas são certamente vitais para a busca contínua de uma compreensão mais funda da interpretação, como são as sínteses das várias abordagens disciplinares; mas não são em si mesmas, suficientes.

A hermenêutica como metodologia filológica O desenvolvimento do racionalismo e, concomitantemente, o advento da filologia clássica no século dezoito teve um efeito pro­ fundo na hermenêutica bíblica. Surgiu então o método histórico-crítico na teologia (>s); tanto a escola de interpretação bíblica «grama­ tical» como a «histórica», afirmavam que os métodos interpretativos aplicados à Bíblia, eram precisamente os que se aplicavam às outras obras. Por exemplo, Ernesti, no seu manual de hermenêutica de 1761, defendia que «o sentido verbal das Escrituras deve ser determinado do mesmo modo como é considerado noutros livros» (” ). Com o aparecimento do racionalismo, os intérpretes sen­ tiram-se obrigados a tentar ultrapassar juízos prévios. «A norma da exegese bíblica, segundo Spinoza, consiste na luz da razão, comum a todos os homens» (” ). «As verdades acidentais da história nunca se poderão transform ar em provas de verdades necessárias da razão» disse Lessing (’*); assim é um desafio à interpretação tornar a Bíblia relevante para o homem racional do Iluminismo. Este desafio, tal como K urt Frõr observou no seu livro sobre hermenêutica bíblica, levou à «intelectualização das afirmações bí­ blicas» (20). Porque as verdades acidentais da história eram encara­ das como inferiores às «verdades de razão», os intérpretes bíblicos defendiam que a verdade das Escrituras estava acima do tempo e da história; a Bíblia não diz ao homem nenhuma verdade que ele (*•) Ver Hans-Joachim Kraus, «Geschichte der historisch-kritischen Erforsehung der Alten Testaments von der Reformation bis zur Gegenwarth», esp. cap. 3, págs. 70-102. (H) F. W. Farrar, «History of Interpretation», pág. 402, citando Johan August Ernesti IINT. Fizeram-se duas traduções inglesas do tratado, no co­ meço do século xix (Ver Bibliografia). (**) «Traclatus iheologico-policitus», (1670) cap. VII; citado em Ebeling «Hermeneutic», RGGIII, 245. ('•) Ober den Beweis des Geistes und der Kraft» (1777): «Zufãllige Geschlchtswahrheiten kõnnen der Beweis von notwendingen Vernuftswahrheiten nie wrrden», citado cm Kurt Frõr, Biblische Hermeneutik: Zur Schriftauslegung in Predlgt und llnterricht, pág. 26. Ver «On the Proof of the Spirit and of Power», In Lessing's Theological Writings, ed. Henry Chadwick, págs. 51-56. (,0) Ibid. 48

não pudesse ter reconhecido pelo uso da razão. Trata-se npcniis >l< uma verdade racional e moral, revelada antes dc tempo. A titrrfu da exegese era pois entrar profundamente no texto, usando as fri ramentas da razão natural e encontrando aquelas grandes verdades morais que os escritores do Novo Testamento pretendiam, verdades escondidas sob diferentes termos históricos. Essas escrituras defen diam a suficiência de uma compreensão histórica manifesta, sus ceptível de captar o espírito (Geist) subjacente à obra e dc o tra ­ duzir em termos aceitáveis para uma razão esclarecida. Podemos cham ar a isso um a form a esclarecida de «desmitologização», embora o termo no século vinte signifique interpretar e não simplesmente purgar os elementos míticos no Novo Testamento. Para além da fé Iluminista nas «verdades morais» que levou ao que hoje parece uma distorção da mensagem bíblica, d e um modo ; t c ral, as conseqüências na hermenêutica e na investigação bíblica foram salutares. A interpretação bíblica fez desenvolver tccnicas de análise gramatical de grande requinte (**), e os intérpretes compromete­ ram-se mais do m;e nunca rum conhecimento teta! do contexto histórico das narrações bíblicas. J. S. Semler defende por exemplo que o intérprete «deve ser capaz de falar sobre esses temas (bíblicos) de um modo adaptado às diferentes épocas e às diferentes circuns­ tâncias» (” ). A verdadeira tarefa do intérprete torna-se uma tarefa histórica. Com todos estes progressos, os métodos da hermenêutica bíblica tornaram-se essencialmente sinônimos de uma teoria secular da interpretação — isto é, da filologia clássica. E. pelo menos, desde o Iluminismo até aos nossos dias os métodos de investigação bíblica têm estado sempre ligados à filologia. Assim a designação «Herme­ nêutica Bíblica» substituiu a de hermenêutica enquanto referência à teoria da exegese bíblica. O termo «hermenêutica», inalterável, tor­ nou-se virtualmente idêntico a um a metodologia filológica. Num outro capítulo exploraremos mais especificamente o conteúdo da filologia no começo do século dezanove, discutindo dois grandes filólogos do tempo de Schleiermacher, Friedrich August Wolf e Friederich Ast. Aqui basta-nos simplesmente dizer que a concepção de uma hermenêutica estritamente bíblica, se transformou gradual­ mente na de uma hermenêutica considerada como conjunto de regras gerais da exegese filológica, sendo a Bíblia um objecto entre outros de aplicação dessas regras.

(” ) Ernesti, IINT, é um exemplo excelente. (” ) Ver H.-J. Kraus, op. cit., págs. 93-102, sobre Semler. O sentido das Escrituras é satisfeito, dizia Semler, quando «der historisch Verstehende nun auch imstande ist, von diesen Gegenstànden auf eine solche Weise jetzt zu reden, ais es die verànderte Zeit und andere Umstande der Menschcn neben uns erfordem». 49

A hermenêutica como ciência da compreensão lingüística É característica de Schleiermacher ter repensado a hermenêu­ tica como «ciência» ou «arte» da compreensão. Visto que lhe dedi­ cámos todo um capítulo, aqui apenas notaremos que uma tal con­ cepção de hermenêutica implica uma crítica radical do ponto de vista da filologia, pois procura ultrapassar o conceito de hermenêu­ tica como conjunto de regras, fazendo uma hermenêutica sistemati­ camente coerente, uma ciência que descreve as condições da com­ preensão,. em qualquer diálogo. O resultado não é simplesmente uma hermenêutica fiíológica mas uma «hermenêutica geral» (allgemeine Hermeneutik) cujos princípios possam servir de base a todos os tipos de interpretação de texto. Esta concepção de uma hermenêutica geral marca o começo da «hermenêutica» não disciplinar, tão im portante para a presente discussão. Pela primeira vez a hermenêutica define-se a si mesma como estudo da sua própria compreensão. Quase podemos dizer que o que aqui é típico da hermenêutica emerge historicamente do seu parentesco com a exegese bíblica e com a filologia clássica.

A herm enêutica como base metodológica p ara as «geisteswissenschaften» Wilhelm Dilthey foi um biógrafo de Schleiermacher e um dos grandes filósofos do século passado. Dilthey viu na hermenêutica a disciplina central que serviria de base a todas as Geisteswissenscha­ ften (i. e. todas as disciplinas centradas na compreensão da arte, comportamento e escrita do homem). Dilthey defendia que a interpretação das expressões essenciais da vida humana, seja ela do domínio das leis, da literatura ou das Sagradas Escrituras, implica um acto de compreensão histórica, uma operação fundamentalmente diferente da quantificação, do domínio científico do mundo natural; porque neste acto de compreensão his­ tórica está em causa um conhecimento pessoal do que significa ser­ mos humanos. Acreditava ser necessário nas ciências humanas uma outra «crítica» da razão, crítica que faria para a compreensão his­ tórica o que a crítica kantiana da razão pura tinha feito para as ciências naturais — «uma crítica da razão histórica». Num estádio primitivo do seu pensamento, Dilthey procurou fundam entar a sua crítica numa versão transform ada da psicologia; mas, como a psicologia não era uma disciplina histórica, os seus esforços foram dificultados desde o começo. Dilthey encontrou na hermenêutica — disciplina centrada na interpretação, e especifica­ mente na interpretação de um objecto sempre histórico, um 50

texto — a base mais humana e histórica para o seu próprio esforço de formulação de uma metodologia verdadeiramente luimanística das Geisteswissenschaften.

A hermenêutica como fenomenologia do Dascin e da compreensão existencial Martin Heidegger, ao tratar do problema ontológico, voltou-se para o método fenomenológico do seu mentor, Edmund Husscrl, e empreendeu um estudo fenomenológico da presença quotidiana do homem no mundo. Esse estudo Ser e Tempo (1927), é hoje reco­ nhecido como a sua obra-prima, como a chave para toda a com­ preensão adequada do seu pensamento. Chamou à análise apre­ sentada em Ser e Tempo uma «hermenêutica do Daseim>. Neste contexto, a hermenêutica não se refere à ciência ou às regras da interpretação textual nem a uma metodologia para as Geisteswissenschaften mas antes à explicação fenomenológica da própria existência humana. A análise de Heidegger indicou que a «compreensão» e a «interpretação» são modos fundantes da exis­ tência humana. Assim a hermenêutica heideggeriana do Dasein, transforma-se também em hermenêutica, especialmente na medida em que apresenta uma ontologia da compreensão; a sua investigação é de carácter hermenêutico, quer nos conteúdos quer no método. O aprofundamento que Heidegger faz da hermenêutica e das características hermenêuticas em Ser e Tempo é um outro ponto de viragem no desenvolvimento e na definição quer da palavra quer do campo da hermenêutica. A hermenêutica é relacionada de uma só vez com as dimensões ontológicas da compreensão (e com tudo aquilo que isso implica) e simultaneamente com a fenomenologia específica de Heidegger. O professor Hans-Georg Gadamer, seguindo a liderança de Heidegger, desenvolveu as implicações do contributo de Heidegger para a hermenêutica (tanto as do Ser e Tempo, como as de ulteriores obras) num trabalho sistemático sobre hermenêutica filosófica (W ahrheit und Methode 1960). Gadam er traça detalhadamente o desenvolvimento da hermenêutica, de Schleiermacher até Dilthey e Heidegger, fornecendo o primeiro relato histórico adequado da hermenêutica englobando a perspectiva do contributo revolucionário de Heidegger e reflectindo sobre ele. Mas Wahrheit und Methode é mais do que uma história da hermenêutica; é um esforço dc relacionação da hermenêutica com a estética e com a filosofia do conhecimento histórico. Apresenta de uma forma bem estruturada a crítica heideggeriana da hermenêutica, no velho estilo dc Dilthey, c retrata parte do pensamento hermenêutico de Hegel c dc llcidcgger, no conceito de consciência «historicamente operativa», 51

actuando dialecticamente com a tradição enquanto transmitida atra­ vés do texto. A hermenêutica avança ainda mais um passo entrando na sua fase lingüística, com a controversa afirmação de Gadamer de que «um ser que pode ser compreendido é ilnguagem.» A hermenêu­ tica é um encontro com o Ser através da linguagem. Ultimamente, Gadamer defendeu o caracter lingüístico da própria realidade hu­ m ana, e a hermenêutica mergulha nos problemas puramente filo­ sóficos da relação da linguagem com o Ser, com a compreensão, a história, a existência e a realidade. Ela coloca-se no centro dos problemas filosóficos de hoje; não pode fugir às questões epistemológicas e ontológicas pois a própria compreensão é defendida como um tema epistemológico e ontológico.

A hermenêutica como um sistema de interpretação: recuperação de sentido «versus» iconoclasmo Paul Ricoeur em De 1'Imerprétaiion (1965) adopta uma defini­ ção de hermenêutica que remonta a uma centração na exegese tex­ tual considerando-a o elemento distinto e central na hermenêutica. «Por hermenêutica entendemos a teoria das regras que governam uma exegese, quer dizer, a interpretação de um determinado texto ou conjunto de sinais susceptíveis de serem considerados como textos» (” ). A psicanálise, e particularmente a interpretação dos sonhos, é muito obviamente uma form a de hermenêutica; todos os elementos de uma situação hermenêutica estão nela contidos: o sonho é o texto, um texto cheio de imagens simbólicas, e o psica­ nalista usa um sistema interpretativo para produzir uma exegese que traga à superfície o significado oculto. A hermenêutica é o processo de decifração que vai de um conteúdo e de um significado manifestos para um significado latente ou escondido. O objecto de interpretação, i. e., o texto no seu sentido mais lato, pode ser cons­ tituído pelos símbolos de um sonho ou mesmo por mitos e sím­ bolos sociais ou literários. O estudo de Ricoeur distingue entre símbolos unívocos e equí­ vocos; os primeiros são signos de sentido único, como os símbolos

(” ) «Ainsi, dans la vaste sphère du langage, le lieu de la psychanalyse se précise: c’est à ia foi le lieu des simboles ou du double sens et celui ou s’affrontent les diverses manières d’interpréter. Cette circonscription plus vaste que la psychanalyse, mais plus étroite que la théorie du langage total qui lui sert d‘horizon, nous 1’appellcron désormais le ‘champ herméneutique’; nous entendrons toujours par herméneutique la théorie des règles qui président à une cxégèse, c’est à dire à 1’interprétation d’un texte singutier ou d’un ensemble de signes susceptible d’être considéré comme un texte» (Dl 18). 52

da logica simbólica, enquanto os últimos são o verdadeiro ccnlro da hermenêutica. Porque a hermenêutica tem a ver com textos simbólicos com múltiplos significados; estes podem constituir uma unidade semântica que tem (como os mitos) um significado super­ ficial totalmente coerente, tendo ao mesmo tempo uni significado mais fundo. A hermenêutica é o sistema pelo qual o significado mais fundo é revelado, para além do conteúdo manifesto. Contudo, a operação de encontrar um sentido oculto em sonhos e em lapsos de linguagem, demonstra na realidade uma desconfiança na superfície, ou realidade manifesta; o empreendimento de Freud foi tornar-nos desconfiados do conhecimento consciente que temos de nós mesmos, e em última instância pedir-nos que destruíssemos os nossos mitos e ilusões. Mesmo as nossas crenças religiosas, como Freud pretende demonstrar em O Futuro de uma Ilusão, são de facto ilusões infantis. A função da hermenêutica freudiana é por­ tanto iconoclástica. Isto leva Ricoeur a sustentar que nos nossos dias há dois síndromas muito diferentes da hermenêutica; um, representado pela desmitologização de Bultmann, lida amorosamente com o símbolo esfor­ çando-se por recuperar o significado que nele se oculta; o outro procura destruir o símbolo enquanto representação de uma reali­ dade falsa. Destrói máscaras e ilusões num esforço racional e inces­ sante de «aesmitificação». Ricoeur destaca como exemplo desta última forma de hermenêutica, três grandes desmitificadores: Marx, Nietzsche e Freud. Cada um destes três homens interpretou como falsa a superfície da realidade e avançou com um sistema de pen­ samento que destruiu essa realidade. Os três combateram activamente a religião; para os três, o pensamento verdadeiro era um exercício «de suspeita» e de dúvida. M inaram a confiança piedosa que o indivíduo depositava na realidade, nas suas próprias crenças c motivações; cada um defendeu uma transform ação de pontos de vista, um novo sistema interpretativo do conteúdo manifesto dos nossos mundos — uma nova hermenêutica. Devido a estas duas abordagens antitéticas da actual interpre­ tação dos símbolos, Ricoeur defende que não pode haver regras universais para a exegese, apenas teorias separadas e opostas, rela­ tivas às regras de interpretação. A desmitologização trata o símbolo ou o texto como uma abertura para uma realidade sagrada; os desmitificadores tratam os mesmos símbolos (ou seja, os textos bíblicos) como um a falsa realidade que deve ser destruída. A abordagem que Ricoeur faz de Freud é ela própria um exer­ cício brilhante do primeiro tipo de interpretação, pois recupera e Interpreta o significado de Freud de um modo inovador para o momento histórico actual. Ricoeur tenta contemplar tanto a racio­ nalidade da dúvida como a fé de uma interpretação passada, numa 53

filosofia reflexiva que não se refugia em abstracções nem degenera cm simples exercício de dúvida, um a filosofia que aceita o desafio hermenêutico de mitos e símbolos e que tematiza reflexivamente a realidade que está por detrás da linguagem, do mito e do símbolo. A filosofia hoje já se centra na linguagem; já é, num certo sentido, hermenêutica; o desafio é fazê-la criativamente hermenêutica.

54

4

A LUTA CONTEM PORÂNEA SOBRE HERM ENÊUTICA: BETTI «VERSUS» GADAM ER

As seis definições de hermenêutica atrás abordadas, inter-relacionadas e muitas vezes sobrepostas, transpcrtam -nos de 1654 até aos nossos dias. As seis ainda se encontram, em graus variáveis, no spectrum do pensamento hermenêutico contemporâneo; no entanto, hoje há uma nítida polarização. Temos, por um lado, a tradição de Schleiermacher e de Dilthey, cujos partidários encaram a herme­ nêutica como um corpo geral de princípios metodológicos que subjazem à interpretação. E temos, por outro, os seguidores de Hei­ degger que vêm a hermenêutica como uma exploração filosófica das características e dos requisitos necessários a toda a compreensão. Os representantes mais conhecidos destas duas posições básicas são Emílio Betti, autor de uma obra sobre teoria da interpretação (’) e Hans-Georg Gadamer cuja Wahrheit und Methode foi breve­ mente discutida no capítulo anterior. Betti, na tradição de Dilthey, pretende dar-nos uma teoria geral do modo como «as objectivações» da experiência hum ana podem ser interpretadas; defende veemente a autonomia do objecto de interpretação e a possibilidade de uma «objectividade» histórica na elaboração de interpretações válidas. Gadamer, na seqüência de Heidegger, orienta o seu pensamento para a questão mais filosófica do que é a interpretação em si mesma; defende de um modo igualmente convincente que a compreensão é um acto histórico e que como tal está sempre relacionada com o presente. Sustenta que é ingênuo falarmos de «interpretações objectivamente válidas», pois fazê-lo implicaria ser possível uma com­ preensão que partisse de um ponto de vista exterior à história. Os teólogos da desmitologização — Rudolf Bultmann e os dois líderes da Nova Hermenêutica, Gerhard Ebeling e Ernst Fuchs podem associar-se enquanto aliados da abordagem de Gadamer,

(■) T G I e A A M G. 55

essencialmente heideggeriana e fenomenológica. Esta identificação da Nova Hermenêutica com Gadamer é explícita e recíproca; na sua obra C) Gadamer cita aprovadoramente Ebeling e Fuchs, e os teólogos aconselham os seus discípulos a que estudem cuidadosa­ mente a obra de Gadam er (’). Também os teólogos e filósofos que criticam a Nova Herm enêutica, tal como W olfhart Pannenberg ('), a relacionam explicitamente com a posição de Gadamer. Betti ata­ cou Bultmann, Ebeling e Gadamer como sendo inimigos da objectividade histórica no seu panfle'o de 1962, Die Hermeneutik ais allaemeine M ethodik der Geisteswissenschaften, e E, D. Hirsch, posteriormente, repetiu e de certo modo ampliou o protesto num artigo sobre a teoria da interpretação em Gadamer (5). Certamente que é um problema discutível saber quem ataca e quem defende, ou saber quem é que iniciou o ataque. Poderia pare­ cer que Betti e Hirsch criticam toda a visão hermenêutica de Hei­ degger e da Nova Hermenêutica ('). E, no entanto, há vozes de ataque e de defesa, apelando para um retorno à «objectividade», reafirmando que o estudo da história implica o abandono do ponto de vista actual do historiador; a hermenêutica, alegam, deve fun­ cionar de modo a fornecer os princípios de uma interpretação objectiva. Gadam er sustenta, em autodefesa, que está simplesmente ligado à descrição do que é, a cada acto de compreensão; está a fazer ontologia e não metodologia OO problema surge pelo facto da ontologia de Gadamer pôr em causa a possibilidade de um conhecimento histórico objectivo. Do ponto de vista de Betti, Heidegger e Gadam er são cs críticos des­ trutivos da objectividade, que pretendem mergulhar a hermenêu­ tica num pântano de relatividade, sem quaisquer regras. É a in‘egridade do próprio conhecimento histórico que está a ser atacada e é preciso defendê-la com firmeza. (’) W M 313. (3) O Professor Ebeling orientou um seminário semestral sobre esta obra na Universidade de Zurique, pouco depois de ela ter sido publicada. Guardou-se o protocolo habitual do curso (actas). Este terá interesse numa avaliação da relação Ebclins/Gadamer. (4) Ver «Hermeneutics and Universal History» H H 222-5; originalmente ZT hK LX (1963) 90-121. (5) HAMG; e Hirsch «Gadamer’s Theory of Interpretation» RM XVIII (1965), 488-507, reimpressa em VII 245-64. (•) Betti discute Bultmann, Ebeling e Gadamer em HAMG, e Hirsch refere-se á WM de Gadamer como a «summa» da Nova Hermenêutica em teologia. Õ) Carta a Betti, incluída cm HAMAG 51 n. Esta carta é posteriormente citada no artigo de Gadamer, «Hermeneutik und Historismus», PhR IX (1962), 248-9. O assunto é clarificado no Prefácio da segunda edição dc WM. Ver também a discussão de Robinson sobre sobre esta importante carta em NH 76. Ver Niels Thulstrup, «An Observation Concerning Past and Present Herme­ neutics» OL XXII 24-44, para uma comparação entre Gadamer e Betti. 56

Para compreendermos os ataques das objecções de Betti e de Hirsch à hermenêutica de Bultmann, Ebeling c Gadamer, tornu nc necessário esboçar muito ao de leve as abordagens feitas por Bultmann e por dois dos seus discípulos, Gerhard Ebeling c lirnst Fuchs.

A hermenêutica em Bultmann, Ebeling e Fuchs Rudolf Bultmann é sobejamente conhecido como um dos maiores teólogos protestantes deste século. Embora o seu nome esteja as mais das vezes associado ao controverso projecto de des­ mitologização, a sua fam a como eminente estudioso do Novo Tes­ tamento estava já confirmada muito antes de publicar o seu famoso ensaio Jesus Chríst and Mythology, em 1941 (*). Contudo, as linhas essenciais da sua orientação existencialista em teologia, eram já patentes desde 1926, no seu JesusC) e con­ tinuaram desde então. Esta orientação é ela própria um esforço que pretende confrontar de um modo mais significativo o problema hermenêutico da interpretação do Novo Testamento com o homem do século xx. «Desmitologizar» é talvez um termo infeliz. Pode sugerir que o Novo Testamento, tal qual está, é encarado como falso (i. c. mítico) e que a sua mensagem terá que ser acomodada à nova visão do mundo pós-deística. Traça-sé demasiado facilmente o retrato de um teólogo engenhoso, pronto a deitar fora os elementos míticos como não sendo significativos e a apresentar uma Bíblia resumida onde só se m anteriam os elementos mais dignos de crédito. Ora não é isto que se passa. Pelo contrário, a desmitologização não pre­ tende apagar nem ignorar os elementos míticos do Novo Testa­ mento, mas sim realçar neles o seu significado original e salvífico. Longe de ser um esforço de acomodação dos Evangelhos a uma mentalidade moderna, a desmitologização ataca a literaüdade super­ ficial patente num ponto de vista moderno, ataca a tendência que os leigos, e mesmo os teólogos têm de considerar a linguagem como mera informação e não como o meio pelo qual Deus confronta os homens com a possibilidade de um autoconhecimento radicalmente novo (não grego, não naturalista, não moderno). A desmitologização

(*) As obras mais importantes de Bultmann estão traduzidas em inglês, como por exemplo «The History of the Synoptic Tradition (1921); «Jesus and lhe Word (1926); e «Theology of lhe New Testament», I (1941) e II (1951). 11;\ também duas colecções de artigos: «Essays: Philosophical and Theological»; o «Exislence and Faith», trad. e ed. Schubert M. Ogden. (As datas entre parfinlc»ls são das edições alemãs e não das traduções.) (*) Ver especialmente págs. 11-19; «Introduction, Viewpoinl and Mcthod». 57

não 6 um instrum ento de desmitificação racionalista e iconoclástico à m aneira de Freud, Nietzsche ou M arx (para mencionarmos a dis­ tinção de Ricoeur entre desmitificação e desmitologização); não procura atacar e destruir o símbolo mítico, antes o encara como abertura para o Sagrado. Interpretar o símbolo é relem brar o seu sentido original e autêntico, agora escondido. A tônica da desmitologização de Bultmann reside na transfor­ mação do conhecimento de cada um. No que respeita ao autoconhecimento existencial, Bultmann está nitidamente em dívida para com Heidegger, a quem esteve estreitamente ligado em meados de 1920 na Universidade de M arburgo, quando este coligia Ser e Tempo. A influência que Heidegger teve sobre Bultmann é tão conhecida que por vezes é mesmo vista de um modo exagerado. Contudo, enquanto que a tentativa de construir uma analogia total entre os conceitos de Heidegger e os de Bultmann (como John M acquarrie fez) (10) pode ser devida tanto ao carácter inconsciente­ mente religioso do modelo ontológico de Heidegger, como à dívida de Bultmann, é justo dizer-se que Heidegger foi uma força decisiva no pensamento de Bultmann no que respeita ao problema herme­ nêutico. Isto reflecte-se na desmitologização, que é essencialmente um projecto hermenêutico da interpretação existencial. Assim, por exemplo, não só o conceito que Bultmann tem do homem como ser histórico orientado para o futuro, está muito perto do que se defende em Ser e Tempo como há também pelo menos três aspectos específicos em que a teologia de Bultmann segue Hei­ degger: 1.° N a distinção entre a linguagem usada como mera infor­ mação que se deve interpretar objectivamente como um facto e a linguagem plena de contributos pessoais e de poder de impor obe­ diência que se assemelha ao conceito heideggeriano do carácter derivativo das asserções (especialmente lógicas) ("). 2.° Na ideia de que Deus (o Ser) confronta o homem enquanto Palavra, enquanto linguagem, que se assemelha à tônica crescente dada por Heidegger ao carácter lingüístico do Ser quando se apresenta ao homem, 3.9 Também no conceito de que o Kerygma como a palavra das pala­ vras, fala por uma autocompreensão existencial. O Novo Testa­ mento em si ríiesmo, diz Bultmann, visa um novo (autêntico) conhe­ cimento de nós próprios; a função de proclamar o Novo Testamento é trazer este novo conhecimento ao homem moderno a quem ele hoje se dirige. A Palavra do Novo Testamento é, portanto, algo como uma actualização da chamada de consciência que Heidegger descreve em Ser e Tem po (1J). C°) «An Existencialist Theology: A Comparison of Heidegger and Bult­ mann*. (*>) S Z § 33. (») Ibid., § 60.

58

Certamente que a chamada de atenção para uma nova maneira de nos conhecermos a nós próprios é uma afronta ao nosso modo actual de estar no mundo. Bultmann não tem qualquer desejo de afastar «o escândalo» do Novo Testamento, pretende sim colocar esse escândalo no seu devido lugar: não é considerando literalmente os mitos como verdades de fé, não é acreditando numa informação cosmológica manifestamente falsa, mas sim apelando para uma obe­ diência radical, para uma abertura à Graça, à liberdade na fé. A discussão que Bultmann faz do problema hermenêutico indica especificamente que para ele a hermenêutica é sempre definida em termos de exegese de um texto, transmitido historicamente. Por muito que deva a Heidegger, continua a ver a hermenêutica mais como uma filosofia que deve orientar a exegese, do que como uma teoria da compreensão «per se». Em The Problem of Hermeneutics (1950), reafirma a insistência liberal dos Protestantes na total liber­ dade de investigação — o método histórico-crítico — e vai ao ponto de dizer novamente que a Bíblia está sujeita às mesmas con­ dições de compreensão, aos mesmos princípios filológicos e histó­ ricos aplicáveis a qualquer outro livro (“ ). O «problema hermenêu­ tico» embora sempre relacionado com a exegese, é encarado não enquanto distinta e especificamente teológico mas como um pro­ blema existente em toda a interpretação de textos, seja ela de documentos jurídicos, obras históricas, literatura ou Escrituras. É claro que a dificuldade do problema está em definir o que constitui a compreensão histórica de um texto. Para Bultmann, a questão hermenêutica é «como compreender os documentos histó­ ricos deixados pela tradição», que por seu lado assenta na questão: «Quais as características do conhecimento histórico?» O'1) É a este problema que dedica a segunda parte das suas Gifford Lectures (1955) e é precisamente a análise que nelas apresenta que Betti mais tarde irá violentamente pôr em causa (1!). Bultmann assinala que toda a interpretação da história ou todo o documento histórico é orientado por um certo interesse, que por sua vez se baseia numa certa compreensão preliminar do assunto. A «questão» molda-se a partir deste interesse e desta compreensão. Sem eles nenhum a questão se form ularia e não haveria qualquer interpretação. Por conseguinte, toda a interpretação é guiada pela «pré-compreensão» do intérprete (” )• [Mais uma vez esta análise da (13) «Die Interpretation der biblischen Schriften unterliegt nicht anderen Bedingungen des Verstehens ais jede andere Literatur». G&V II, 231. O artigo apareceu como «Das Problem der Hermeneutik» ZT h K XLVII (1950), 47-69, e mais tarde traduzido em «Essays: Philosophical and Theological», págs. 234-61. (») HE 110. (1J) Ver HAMG 19-36. ('•) HE 113. Ver a crítica de Betti a «essa palavra ambígua que é melhor evitar». HAMG 20-21.

59

compreensão se relaciona nitidamente com a delimitação feita por Heidegger de Vorhabe, Vorsicht e Vorgriff (") em Ser e Tempo, como condições prévias de interpretação.] Aplicado à história, isto significa que o historiador escolhe sempre um certo ponto de vista, o que por seu lado significa que ele é essencialmente receptivo ao aspecto do processo histórico aberto às questões que surgem a partir desse ponto de vista. Por muito objectivo que pretenda ser ao abor­ dar um tema, o historiador não pode escapar à compreensão que dele tem: «Já na escolha de um ponto de vista está em acção aquilo a que posso chamar o encontro existencial com a história. A história só ganha sentido quando o próprio historiador está dentro da histó­ ria e toma parte nela» ('*). Bultmann cita então R. G. Collingwood para o facto de que os eventos têm que ser refeitos na mente do historiador. Eles são, portanto, objectivos e conhecidos apenas porque também são subjectivos (’*). Dado que o significado apenas surge da relação que o intérprete tem com o futuro, segundo Bultmann torna-se impossível falar de um significado objectivo — quer dizer destituído de qualquer ponto de vista — e como hoje já não se afirm a que se sabe o fim e a meta da história «a questão do sentido da história (como um todo) deixa de ter significado» (J0). Podemos aqui ver como actua de um modo radical o «princípio de Heisenberg» ou teoria de campo; isto é, que o objecto ao ser observado é subtilmente alterado, pela simples condição de estar a ser observado. O historiador é uma parte do próprio campo que observa. O conhecimento histórico é ele próprio um evento histó­ rico; o sujeito e o objecto da ciência histórica não existem indepen­ dentemente um do outro (” ). Isto, de acordo com Bultmann tem implicações na fé cristã, especialmente porque através do momento escatológico, o cristão é elevado para além da história e reingressa nela com um novo futuro. Por conseguinte a história reveste-se de um significado novo. Podemos aqui referir que Bultmann procura ir mais longe que Collingwood no conceito que defende de escatologia, usando uma abordagem teológica (escatológica) para a ques­ tão do sentido da história (” ). Mas a argumentação central de Bultmann é clara (e é esse mesmo problema que Betti põe em causa): em história não podemos falar de sentido objectivo porque a história não pode ser conhecida excepto através da subjectividade do próprio historiador.

(lr) SZ § 32. Vorhabe, Vorsicht e Vorgriff podem ser traduzidos um pouco literalmente por posse prévia, visão e concepção. (“ ) HE 119. (l9) R- G. Collingwood, «The Idea of History», pág. 218. («) HE 120. (Jl) Ibid., 133. (” ) Ibid-, 136.

60

Gerhard Ebeling e Ernst Fuchs seguem Bultmann quando colo cam o problema hermenêutico no centro do seu pensamento. Tnl como ele continuam a agarrar-se à nítida disparidade entre a visflo moderna do real e a visão em que assenta o Novo Testamento. Como Bultmann, opõem-se à visão literal da linguagem e continuam a tentativa feita por este, de restaurar para a Palavra o seu poder original. Como ele, centralizam-se no significado do Novo Testa­ mento enquanto testemunho mais do que no seu carácter factual; acentuam que o intérprete está sempre no meio da história que ele quer interpretar e que o sentido da história está em relação com a compreensão que o intérprete tem do futuro. Ebeling e Fuchs levaram ainda mais longe as concepções de Bultmann relativamente à história, à linguagem e à desmitologiza­ ção, dando-lhes uma interpretação ainda mais radical. Se a herme­ nêutica de Bultmann se centra na autocompreensão existencial do homem e vai directamente para a análise do que isso significa em termos da Palavra revelada, Ebeling e Fuchs voltam-se para a pró­ pria linguagem e para a sua relação com a realidade. O problema hermenêutico nessa perspectiva não é simplesmente uma questão de ajustar a proclamação da Palavra à realidade que ela veicula em termos de uma autocompreensão existencial; é lingüístico, i. e.. «como é que uma palavra (palavra evento) que aconteceu, chega a ser compreendida» (” ). Como Ebeling sustenta em Word of God and Hermeneutics: «a existência é existência através da palavra e na palavra; (...) a interpretação existencialista significaria interpre­ tação do texto relativamente à palavra evento» C21). Tanto Ebeling como Fuchs fizeram da palavra evento o centro do seu pensamento teológico. Este foi designado por «teologia da palavra evento». A hermenêutica, dizem eles, tem que encontrar o seu apoio na palavra evento; «o objecto da hermenêutica» diz Ebeling, «é a palavra evento enquanto tal» (” ). Contudo, a herme­ nêutica não procura compensar qualquer deficiência da Palavra Bíblica através da paráfrase, antes tenta facilitar «a função her­ menêutica» (de provocar a ocorrência da compreensão) da própria palavra. É a própria palavra que abre e mediatiza a compreensão: «O fenômeno primário no domínio da compreensão não é çi com­ preensão da linguagem mas a compreensão através da linguanem.» (” ) Ou ainda, para reavivar o caracter lingüístico de tal teo­ logia: «A hermenêutica enquanto teoria da compreensão deve portanto ser a teoria da palavra.» (” ) Fuchs põe a questão de

(") (*) (” ) (") (”)

WF 313. Ibid., 331. Ibid., 319. Ibid., 318; citado em HAMG 36. WF 319.

61

um modo sucinto no começo da sua H erm eneutik: «A Herm e­ nêutica no campo da teologia é a doutrina da fé da linguagem (Sprachlehre).» (” ) Do ponto de vista de uma definição de hermenêutica há duas questões com interesse nesta abordagem. Primeiro, a referência à «função hermenêutica» das palavras rem onta ao sentido mais pri­ mitivo de interpretação como mediação directa da compreensão, atribuindo assim à hermenêutica a finalidade de «remoção dos obstáculos à compreensão» ("). Isto é, uma focalização salutar dos objectivos da hermenêutica, embora não altere o facto de tendermos a utilizar, consciente ou inconscientemente, sistemas de interpre­ tação, mesmo nos actos de mediação mais directos. O segundo ponto refere-se ao historicismo: a focalização na linguagem evento que continua a sustentar o «carácter lingüístico» da realidade, encara a história não como um museu de factos mas como uma realidade que se exprime por palavras. Assim, as perguntas adequadas não são tanto «Quais eram os factos?» ou «Como podemos explicar este facto?», mas «O que é que se exprimiu neste facto ou neste mito?», «O que é que está a ser mediatizado?» (3°). O historicismo em teo­ logia dá origem a um uso incorrecto da linguagem, a uma «visão falsificada da palavra» que a abstrai do evento que é a palavra viva e a trata como um mero enunciado. Daí resulta o falhanço do intérprete em compreender a palavra revelada, à luz das suas carac­ terísticas de palavra evento ("). A ênfase dada em teologia à palavra evento, tem como con­ seqüência irazer a filosofia da linguagem para o centro da herm e­ nêutica. A finalidade da hermenêutica ainda é uma finalidade prá­ tica, de remoção de obstáculos à palavra evento, mas a focalização do problema hermenêutico está sem dúvida na interconexão da linguagem com o pensamento e com a realidade. Dado que a her­ menêutica não pode ser considerada separadamente da moderna epistemologia, da metafísica e da filosofia da linguagem, ultrapassa nitidamente os limites de um conjunto de meras regras práticas de interpretação. Ao afastar-se da objectividade realista dos «factos históricos» chamou a crítica para o terreno da teologia, especial­ mente a partir de W olfhart Pannenberg (” ) e para fora da teologia, a partir de Emilio Betti.

(«) (") (” ) (>') (” )

WF 318-19. WF 318-19. Ibid., 295. Ibid. «Hermeneutics and Universal History» HH 122-152.

62

A hermenêutica de Betti Emílio Betti, historiador de Direito, fundou em 1955 um ms tituto para a teoria da interpretação (” ). Publicou em 1962 um livrinho com o título Hermeneutik ais allgemeine M ethodik der Geiteswissenschaften. Surgido pouco depois da obra-prima de Gadamer, de 1960, este ensaio avança com uma crítica nítida e inequívoca à abordagem que Gadam er fizera a este tema — tal como às abordagens de Bultmann e de Ebeling. Em termos muito simples, as objecções que Betti faz à obra de Gadamer são: cm primeiro lugar, que esta não serve como metodologia ou como auxiliar de metodologia dos estudos humanísticos e, em segundo lugar, que ela põe em risco a legitimidade de nos referirmos ao estatuto objectivo dos objectos de interpretação e que portanto torna discutível a ob.iectividade da própria interpretação. O livrinho começa com um lamento: A hermenêutica como problemática geral da interpre­ tação. essa grande disciplina geral que tão nobremente se originou no período Romântico" como preocupação comum a todas as disciplinas, que ocupou a atenção de muitos espí­ ritos eminentes do século dezanove — como por exemplo Humboldt na filosofia da linguagem, August Wilhelm von Schlegel o grande historiador literário. Bõckh o filólogo e enciclopedista, Savigny o jurista, e historiadores como Niebuhr, R anke e Droysen — essa venerável forma mais antiga de hermenêutica parece estar a desaparecer da moderna consciência alemã (” ). Numa sua primeira obra enciclopédica — Teoria' generale delia interpretazione (S!) — Betti procurou renovar a tradição alemã, já antiga mas ricamente significativa. Os leitores alemães tiveram acesso ao pensamento geral de Betti desde 1954, quando ele publicou o seu curto «manifesto hermenêu­ tico » — Z ur Grundlegung einen allgemeinen A uslegungsleher (!e), uma antecipação densamente documentada do seu magnus opus de 1955, do qual surgiu finalmente uma tradução em 1967 (” )• Esta obra de m aior fôlego, produto de sete ou mais anos de tra­ balho, remonta à sua conferência inaugural de Maio de 1948. De facto, o manifesto de 1954 é uma versão alargada desta primeira apresentação. Em 1962, Betti escreveu com tristeza que, apesar

(” ) Ver HAMG 6-7 n. (») HAMG. (” ) TGI. (") Apareceu originalmente em «lesischrijt für Ernst Rabel», II, 79-168, publicado no mesmo ano. (” ) AAMG.

63

da sua publicação de 1954, na Alemanha dera-se pouca impor­ tância ao seu trabalho (” ). Pelo contrário, o fascínio pela filosofia heideggeriana continuou a exercer influência na teologia protestante e na filosofia, surgindo uma visão completamente diferente de hermenêutica. Este desenvolvimento não estava na grande corrente da tra­ dição que remonta a Schleiermacher passando por Humboldt, Steinthal, Lazarus Bockh, Dilthey, Simmel, Litt, Joachim Wach e Nicolai H artm ann. Foi esta corrente que ocupou a atenção de Betti na sua resolução de retom ar o projecto de formulação de uma teoria metodológica geral da interpretação (” ). Foi a influência da feno­ menologia e da ontologia heideggerianas, ligadas ao interesse geral pela filosofia da linguagem, que constituiu a força condutora do interesse renovado que os alemães demonstraram pela hermenêutica (Gadamer afirma que um outro impulso dado ao seu pensamento foi o profundo descontentamento que experimentou relativamente à teoria estética dominante nos anos de 1930 e seguintes) O9). Como vimos, em teologia, o desenvolvimento da hermenêutica estava intimamente ligado à desmitologização. A desmitologização é a maneira de defrontar o problema profundo de tornar a Bíblia relevante e significativa para os actuais ouvintes da Palavra. Enquanto historiador de Direito, o interesse de Betti não partiu do desejo filosófico de uma avaliação mais adequada da verdade de uma obra de arte (como aconteceu com Gadamer) ou de um desejo de chegar a uma compreensão mais funda do Ser (como aconteceu com Heidegger) ou da obrigação de alcançar a total compreensão da palavra bíblica (como em Bultmann e em Ebeling). Betti queria distinguir os diferentes modos de interpretação das disciplinas humanas e formular um corpo básico de princípios com os quais se interpretasse as acções do homem e os objectos. Se há que fazer uma distinção entre o momento de compreender um objecto por si mesmo e o momento de ver o significado exis­ tencial do objecto através da nossa própria vida e do nosso futuro, então podemos dizer que este último ponto de vista é nitidamente a preocupação de Gadamer, de Bultmann e de Ebeling, enquanto a preocupação de Betti tem sido determ inar a natureza da inter­ pretação «objectiva». Betti de modo algum pretende om itir da interpretação o mo­ mento subjectivo ou mesmo negar a sua necessidade em toda a interpretação humana. Mas o que pretende afirm ar é que. qualquer (“ ) HAMG 6. (" ) Ibid. (w) Dc acordo cora observações feitas por Gadamer sobre a gênese de WM, muna abordagem que segue a minha comunicação *Die Tragweile von Gadumrrs II'M fiir dir Literaiurauslegung». Heidelberg, 14 de Julho de 1965.

64

que seja o papel da subjectividade na interpretação, o o h ja lo mantém-se objecto e podemos tentar fazer dele e realizar com clr uma interpretação objectivamente válida. Um objecto fala, c pode ser ouvido de um modo correcto ou incorrecto, precisamente por que nele há um significado objectivamente verificável. Se o objecto não é diferente do seu observador, e se não fala por si mesmo, para quê então escutá-lo? (4I) Betti defende que a recente hermenêutica alemã se tem dc tal modo ocupado com o fenômeno do Sinngebung (a função do intér­ prete na atribuição de sentido ao objecto) que acabou por se equa­ cionar com a interpretação. No começo de Die Hermeneutik ais allgemeine M ethodik der Geiteswissenschaften (1962), Betti sus­ tenta que é seu objectivo, em primeiro lugar clarificar a distinção entre Auslegung (interpretação) e Sinngebung. Precisamente porque esta interpretação é ignorada, diz Betti, toda a integridade de resul­ tados objectivamente válidos nas humanidades (die Objectivitàt der Auslegungsergebnisse) é posta em risco. A defesa que Betti faz da objectividade é ilustrada com alguns exemplos de regras de hemenêutica e com objecções à posição dc Gadamer. Para Betti, o objecto a interpretar é uma objectivação do espírito humano (Geist) expressa de uma forma sensível. A inter­ pretação, portanto, é necessariamente um reconhecimento e uma reconstrução do significado que o seu autor foi capaz de incorporar, usando um determinado tipo de materiais. Isto significa evidente­ mente que o observador tem que ser traduzido para uma subjec­ tividade que lhe é estranha e, por meio da inversão do processo criativo, tem que voltar à ideia ou à «interpretação» que é incor­ porada no objecto O . Assim, como Betti observa, é perfeitamente absurdo falar de uma objectividade que não envolva a subjectividade do intérprete. Porém, a subjectividade do intérprete deve pene­ trar a estranheza e a alteridade do objecto, ou então o intéprete apenas consegue projectar a sua própria subjectividade no objecto de interpretação. Assim é fundamental (é mesmo a primeira regra de toda a interpretação), afirm ar a autonomia essencial do objecto (“ ). Uma segunda regra é a do contexto do sentido, ou seja, a totalidade no interior da qual as partes individuais são interpretadas. Há uma relação íntim a de coerência entre as partes individuais de um discurso devido a uma totalidade sobreposta, construída com as partes individuais C14). Numa terceira regra geral, Betti reconhece (“ ) HAMG, 35. («) Ibid., 11-12. (4>) Ibid., 14. (**) «Kanon des slnnhaften Zusammenhanges (Grundsatz der Ganzholt)» OU «Kanon der Totalitãt», ibid., 15. 65

■ o «carácter tópico» (Actualitãt) do significado, isto é, a relação com a própria posição e com os actuais interesses do intérprete que toda a compreensão envolve. O intérprete de um aconteci­ mento passado, necessariamente o interpretará em termos daquilo que experienciou. Do lado subjectivo não há fuga possível à compreensão e à experiência de cada um. Betti está longe de ima­ ginar que a comprensão é uma questão de receptividade passiva; antes a considera sempre como um processo de reconstrução que envolve a própria experiência que o intérprete tem do mundo (“ ). Pode-se mesmo dizer que Betti reafirma «em princípio» o conceito de compreensão prévia enunciado por Bultmann. Para este, devido à historicidade da compreensão prévia, a ideia de que é possível ter um conhecimento histórico objectivo é uma «ilusão do pensar objectivado» (die lllusion emes objektivierenden Denkens) (“ ). Diz Betti: «O texto a que um pré-conhecimento dá sentido não existe simplesmente para fortalecer a opinião que pre­ viamente sustentávamos; pelo contrário, temos que partir do prin­ cípio de que o texto tem algo a dizer-nos, que nós ainda ignoramos mas que existe, independentemente da acção de o compreendermos. É precisamente aqui que ganha luz a discutibilidade de uma foca­ lização subjectiva; esta é obviamente influencida pela filosofia exis­ tencial contemporânea e luta pela junção de uma explicação (Auslegung) e de uma compreensão (Sinngebung), tendo como con­ seqüência o facto de que a objectividade dos resultados do processo interpretativo nas humanidades, é totalmente posta em causa» (")• As críticas de Betti a Gadamer levantam sérias objecções à «intersubjectividade» existencial e à historicidade da compreensão, defendendo que Gadamer não conseguiu produzir métodos norm a­ tivos que permitissem distinguir uma interpretação certa de uma interpretação errada, e de que ele considera conjuntamente pro­ cessos muito diferentes de interpretação (**). Betti defende que o historiador não está muito preocupado com uma relação prática com o presente, estando sim submerso contemplativamente no texto que está a estudar; por outro lado, o advogado na relação que sus­ tenta com um texto, tem em mente a sua aplicação prática ao presente. Como conseqüência, os dois processos de interpretação têm características diferentes; a afirmação de Gadamer de que cada interpretação implica uma aplicação ao presente, é verdade para uma interpretação legal mas não para uma interpretação histórica (“ ). (" ) ('•) ») GS VII, 86; citado em PhWD 249.

113

Indo mais longe, podemos considerar «experiência» cada unidade determinada das partes da vida ligadas por um sentido comum — mesmo quando as várias partes se sepa­ ram umas das outras por eventos que as interrompem (í0). Por outras palavras, a experiência significativa de uma pintura, por exemplo, pode ter envolvido muitos encontros separados pelo tempo e no entanto ser considerada uma «experiência» (Erlebnis). Uma experiência de am or romântico não se baseia num só encontro mas reúne eventos de vários tipos, tempos e lugares; no entanto, a unidade de sentido que têm enquanto «experiência» eleva-as da corrente da vida e junta-as numa unidade de sentido, i. e., numa experiência. Quais as características desta unidade de sentido? Dilthey ana­ lisa a questão com bastante pormenor e, para compreendermos a sua hermenêutica, é essencial compreendermos a que é que ele chama «experiência». Em primeiro lugar, a experiência não deve ser construída como o «conteúdo» de um acto reflexivo da cons­ ciência, pois então teria que ser algo de que tivessemos consciência; ora ela é antes o próprio acto; é algo no qual e pelo qual vivemos, é a própria atitude que temos para com a vida e na qual vivemos. Resumindo, é a experiência enquanto tal, tal como é dada de um modo pré-reflexivo na significação. Subsequentemente a experiência pode tornar-se objecto de reflexão, mas então deixa de ser expe­ riência imediata, torna-se objecto de um outro encontro. Assim a experiência mais do que discussão é urr acto de consciência; não tem que ser construída como algo que a consciência apreende e contra o qual se coloca (J1). Isto significa que a experiência não tem nem consegue ter cons­ ciência de si mesma, pois fazê-lo seria um acto reflectidamente consciente. Também não é um dado da consciência, pois a sê-lo teria que se defrontar contra o sujeito como um objecto que lhe tivesse sido dado. Assim a experiência existe antes da separação sujeito-objecto, separação que é ela própria um modelo usado pelo pensamento reflexivo. De facto, experienciar não se distingue do próprio percepcionar ou do apreender (innewerden). A Erlebnis representa aquele contacto directo com a vida a que podemos cha­ m ar «a experiência imediatamente vivida». A análise descritiva deste campo de difícil compreensão, ante­ rior ao pensamento reflexivo, é essencial tanto para os estudos humanísticos como para as ciências naturais, mas é particularmente importante para o primeiro, pois as próprias categorias da com­

(*>) GS VII, 194. C") Ibid., 139; PhWD 38-40. 114

preensão humanística e hermenêutica dela derivam. JÊ justamente este campo da consciência pré-reflexiva que é demarcado pela feno­ menologia de Husserle de Heidegger. À medida que Dilthey procura desenvolver o seu projecto metodológico numa relação íntima com a sua filosofia da vida, à medida que faz uma separação nítida entre o mero «pensar» e a «vida» (ou a experiência) vai colocando fun­ damentos para a fenomenologia do século xx. Assim, por exemplo, Dilthey defende que: «O modo como a ‘experiência vivida’ se me apresenta (à letra: «está ali para mim») é completamente diferente do modo como as imagens se colocam face a mim. A consciência da experiência e a sua constituição são a mesma coisa: não há separação entre o que está-ali-para-mim e o que eu experimento enquanto estando ali-para-mim. Por outras palavras, a experiência não se coloca como um objecto em face daquele que a experimenta, mas antes a sua própria existência para mim é indiferenciada da ‘qualidade’ que nela para mim está presente» (22). Contudo seria um erro grave pensar a experiência como se apontasse para qualquer espécie de realidade meramente subjectiva, porque a experiência é precisamente experiência daquilo que eslá-para-mim antes de se tornar objectiva (e consequentemente uma separação do subjectivo). É a partir desta unidade primitiva que Dilthey tenta forjar categorias que contenham e não que separem os elementos do sentimento, saber e vontade que surgem conjun­ tamente na experiência — categorias como por exemplo, «valor», «significado» «textura» e «relação». Dilthey encontra dificuldades na formulação destas categorias, contudo, a própria tarefa dc as formular é da maior importância. A sua selecção teve como meta adquirir um conhecimento objectivamente válido, e é esta meta que lhe levanta objecções que ele próprio não solicitara. Ao mesmo tempo, temos que adm irar a impaciência com que exigiu catego­ rias que exprimissem «a liberdade da vida e da história» (” ). A fer­ tilidade das suas intuições está na visão da experiência que coloca um campo anterior ao sujeito e ao objecto, um campo cm que o mundo e a experiência que dele temos são conjuntamente dados. Viu com toda a nitidez a pobreza do modelo do encontro humano com o mundo em termos de sujeito-objecto, viu como é superficial separar os sentimentos dos objectos, as sensações do acto total da compreensão. «Vivemos e movemo-nos», diz ele depreciativamente, «não numa esfera de sensações mas sim de objectos que se nos apresentam, não num a esfera de sentimentos mas sim de valor, de sentido, e assim por diante.» (**) Como é absurdo, diz-nos, separar C2) GS VII, 139. (“ ) Ibid., 203.

(*•) GS VI. 317. 115

as nossas sensações e sentimentos do contexto total de relações que surgem conjuntam ente na unidade da experiência. O utro aspecto que deu frutos em Dilthey foi a ênfase concedida à temporalidade do «contexto de relações» dadas na «experiência». A experiência não é algo de estático; pelo contrário, na sua uni­ dade de sentido, tende a alcançar e a abranger tanto a recolecção do passado como a antecipação do futuro no contexto total de «significado». O significado não pode ser imaginado a não ser em termos daquilo que esperamos que será o futuro, nem pode liber­ tar-se da dependência de materiais cedidos pelo passado. O passado e o futuro constituem portanto uma unidade formal com o carácter presente de toda a experiência, e este contexto temporal é o hori­ zonte inevitável dentro do qual qualquer percepção presente é inter­ pretada. Dilthey vai longe provando que a temporalidade da experiência não é algo imposto reflexivamente pela consciência (a posição que os kantianos tomariam, a mente como agente activo que impõe um a unidade à percepção), é antes o que já está implícito na pró­ pria experiência, aquilo que nos é dado. A este respeito, podemos considerar Dilthey como realista, mais do que idealista: a tempo­ ralidade da experiência é, como Heidegger diria, «equiprimordial» à própria experiência. Nunca é nada que se acrescente à expe­ riência. Suponhamos que alguém tenta captar conscientemente o decurso ou a progressão de uma vida (das Lebenstauf) por meio de um acto reflexivo. A unidade deste exercício particular é ins­ trutiva pois é quase como que um espelho do modo como essa unidade é actualmente dada conscientemente, a um nível pré-reflexivo. Dilthey descreve o seu próprio esforço ao agir desse modo: «O que acontece quando a ‘experiência’ (das Erlebnis) se torna objecto da minha reflexão? Estou acordado de noite (por exemplo) e preocupo-me com a possibilidade de, na minha velhice, poder completar o trabalho que comecei; penso e repenso no que hei-de fazer. H á nesta ‘experiência’ um conjunto estruturado de relações: a base da situação é constituída pela captação objectiva que dela faço, e sobre essa base constrói-se uma instância (Stellungsnahme), de preocupação ‘para com’ e de ‘dor sobre’ o facto captado objectivamente, juntam ente com uma tentativa de ultrapassar o facto. E tudo isto está ali — para — mim, nisso reside o seu (do facto) contexto estrutural. É claro que agora trouxe a situação para uma consciência discriminativa e dei relevo à relação estrutural — ‘isoleia-a’. Mas tudo aquilo a que aqui dei relevo está realmente contido na própria experiência e apenas foi esclarecido por este acto de reflexão.» (” )

(” ) GS VII, 139-40; parafraseando e não traduzido literalmente.

116

O «sentido» de «um facto captado objectivamenle» 6 dado com o próprio facto, e o sentido é intrinsecamentc temporal, defi­ nido em termos do contexto da vida de cada um. Dilthey continua a passagem acima transcrita, defendendo que tal facto tem um «ignificado essencial para todo o estudo da realidade humana: «As par­ tes constitutivas que formam a visão da progressão da nossa vida (Anschauung des Lebens verlaufes) estão todas contidas no prAprUt viver.» Ç*) Podendo designar este facto como sendo a temporalidade interna da historicidade que não se impõe à vida mas que lhe 6 intrínseca. Dilthey defende um facto da m aior importância para a hermenêutica: A experiência é intrinsecamente temporal (quer dizer, histórica, no sentido mais fundo da palavra), e portanto a com­ preensão da experiência tem também que ser dada em categorias de pensamento proporcionalmente temporais (históricas). Dilthey, ao insistir na temporalidade da experiência tem pois defendido a fundamentação de todos os esforços subsequentes que afirmam a «historicidade» da existência humana no mundo. Histo­ ricidade não quer dizer concentração no passado, nem tem a ver com qualquer espécie de mentalidade tradicional que nos subordine a ideias mortas; historicidade (Geschichlichkeit) é essencialmente a afirmação da temporalidade da experiência humana tal como a descrevemos. Significa que compreendemos o presente apenas no horizonte do passado e do futuro; isto não é uma questão de esforço consciente, construindo-se sobre a estrutura da própria expe­ riência. Mas tornar explícita esta historicidade tem na verdade conseqüências hermenêuticas, pois a não historicidade da interpre­ tação já não pode ser assumida; não mais ficamos satisfeitos com uma análise que se apoie firmemente sobre categorias científicas fundamentalmente alheias à historicidade da experiência humana. Tornou-se por demais evidente que a experiência não pode ser com­ preendida em categorias científicas. A tarefa é nítida: fabricar as categorias «históricas» adequadas às características da experiência vivida. 2 — Expressão O segundo term o da fórmula experiência — expressão — com­ preensão — A usdruck — pode ser traduzido por «expressão». O uso deste termo não deve associar autom aticam ente Dilthey às teorias da expressão na arte, pois tais teorias são estruturadas em termos de sujeito-objecto. P or exemplo, ligamos quase automaticamente o termo «expressão» a «sentimento»; «exprimimos» os nossos senti­ mentos e uma teoria da expressão em arte encara geralmente a

(*) Ibid-, 140. 117

obra como uma representação simbólica de sentimentos. Wordsworth, um representante da teoria da expressão na criação poética, vê o poema como um transbordar espontâneo de sentimentos pode­ rosos. Quando Dilthey usa Ausdruck não se refere essencialmente a esse transbordar ou a esse sentir, mas a algo muito mais englobante. Para Dilthey, uma expressão não é essencialmente a encarnação dos sentimentos de uma pessoa, mas antes uma «expressão de vida»; uma expressão pode referir-se a uma ideia, a uma lei, a uma forma social, à linguagem — qualquer coisa que espelhe a marca da vida interior do homem. Não é essencialmente o símbolo de um sen­ timento. Talvez que Ausdruck se pudesse traduzir, não por «expressão» mas sim por «objectificação» da mente — conhecimento, sentimento e vontade — do homem. O significado hermenêutico da objectifica­ ção é que, devido a ela, a compreensão pode centrar-se numa expressão fixa e «objectiva» da experiência vivida em vez de lutar pela sua captação através da introspecção. Dilthey reconhece que a introspecção nunca poderia servir de base para os estudos humanos pois a reflexão directa sobre a experiência produz quer 1) uma intui­ ção que não pode ser comunicada, quer 2) uma conceptualização que é ela própria expressão de uma vida interior. A introspecção é pois um modo pouco seguro quer de nos conhecermos a nós pró­ prios, quer de conhecermos o homem pelos estudos humanísticos. Os estudos humanísticos têm que necessariamente centrar-se em «expressões de vida»; esses estudos, centrados numa objectificação da vida, são intrinsecamente hermenêuticos. Em que tipo de objec­ tos poderão centrar-se os estudos humanísticos? Dilthey é peremptó­ rio quanto ao âmbito destes: «Tudo aquilo em que o espírito humano se objectificou cai na área das Geisteswissenschaften. O limite des­ tas é tão lato como a compreensão, e a compreensão tem o seu verdadeiro objecto na objectificação da própria vida (” )■ 3 — A obra de arte como objectivação da experiência vivida Se o limite dos estudos humanísticos é tão vasto, onde encaixar a obra de arte, e mais especificamente, a obra de arte literária? Dilthey classificou as várias manifestações da vida ou da experiên­ cia interior humana («a vida» em Dilthey não é algo metafísico, não é um a parte profunda para além da própria experiência vivida; a experiência humana é aquilo para além do qual a reflexão não deveria querer ir) em três categorias fundamentais: 1) As ideias (i. e. conceitos, juízos, e formas mais amplas de pensamento), são

(” ) Ibid., 148.

118

«meros conteúdos de pensamento», independentes do lugar, tempo e pessoa em que surgem; por esta razão, têm uma certa precisão sendo facilmente comunicáveis 2) As acções, são mais difíceis de interpretar; numa acção há uma certa meta, mas só com grande dificuldade podemos determ inar os factores que agem na decisão que levou ao acto. Uma lei, por exemplo, é um acto público ou comunitário mas aplicam-se-lhe as mesmas dificuldades; por exem­ p lo — ao praticar uma acção não podemos saber o que decidimos contra essa acção. 3) Finalmente há expressões de uma experiência vivida que vão desde as expressões espontâneas da vida interior, tal como exclamações e gestos, até às expressões convencional­ mente controladas incorporadas na obra de arte. Dilthey refere-se geralmente às primeiras duas categorias— idéias e acções — como «manifestações de vida» (Lebensausserungen), mas reserva para a terceira o termo mais específico de «expres­ sões de experiência vivida» (Erlebnisausdrücke). É nesta terceira categoria que a experiência interior hum ana chega à sua máxima expressão e nela a compreensão sofre o seu maior desafio. «Como é diferente a expressão de um a experiência vivida (da ideia ou do acto)! Existe uma relação especial entre esta, como expressão da própria vida, e a compreensão que a provocou. A ex­ pressão contém mais do contexto da vida anterior (seelischen Zusammenhang) do que qualquer introspecção pode perceber, pois surge das profundidades que a consciência nunca ilumina.» (2‘) É claro que a obra de arte, na sua flexibilidade e segurança ultrapassa de longe os meros gestos ou as exclamações pois os gestos podem ser imitados enquanto que a arte aponta para, ou exprime, a própria experiência, não sendo assim susceptível de imitação: «Nas grandes obras de arte liberta-se (sich loslõst) uma visão (ein Geistiges) do seu criador, o poeta, o artista, o escritor, c entra­ mos num campo em que aquele que se exprime não nos pode enga­ nar. Nenhuma obra de arte verdadeiramente grande tenta retratar uma realidade estranha ao conteúdo interno (geisligen Gehalt) do seu autor. De facto, não pretende dizer-nos nada sobre o seu autor. É verdadeira em si mesma, mantendo-se fixa, visível, duradoura.» (2“) Afasta-se o problema da simulação, presente nos gestos e em toda a actividade ou situação hum ana, com o seu jogo de interesses em conflito, pois a obra de arte não aponta dc modo algum para o seu autor, mas para a própria vida. É precisamente por esta razão que a obra de arte é aquele objecto dos estudos humanísticos em que podemos confiar, o mais duradouro e o mais fértil. Com este estatuto fixo e objectivo torna-se possível uma compreensão segura

(” ) Ibid., 207. C") Ibid. 119

c artística da expressão. «Assim, nos limites do conhecimento e da acção, surge um círculo ou campo em que a vida se revela com uma profundidade inacessível à observação, à reflexão ou à teo­ ria.» (") De todas as obras de arte, as da linguagem têm talvez maior poder de revelar a vida interior do homem. Devido à presença desses objectos fixos e imutáveis, neste caso as obras literárias, existe já um corpo de teoria sobre a interpretação dos textos: a hermenêuticd. Dilthey sustenta que os princípios da hermenêutica podem desbravar caminho a uma teoria geral da compreensão, por­ que «acima de tudo ... a captação da estrutura da vida interior baseia-se na interpretação de obras, obras em que a textura da vida interior se exprime plenamente» (“ ). Assim, para Dilthey, a hermenêutica adquire um significado novo e mais lato: torna-se teoria, não só da interpretação do texto mas do modo como a vida se revela e se exprime nas obras. Contudo, neste caso, a «expressão» não é a de uma realidade individual e puram ente pessoal, pois então não poderia ser perce­ bida por outra pessoa; quando a expressão é escrita utiliza a lin­ guagem, um meio que é comum àquele que compreende, e a com­ preensão ocorre em virtude de uma experiência análoga. Assim é possível postular a existência de estruturas gerais nas quais e pelas quais o conhecimento objectivo ocorre. E a expressão não é por conseguinte a de um a pessoa, como quando se trata de psi­ cologia, mas sim a de uma realidade social e histórica, revelada na experiência, a realidade social e histórica da própria experiência. 4 — A compreensão A «compreensão» (Versteheri) tal como as outras duas palavras chave da fórmula de Dilthey — experiência — expressão — com­ preensão—, é usada num sentido especial. Assim «compreensão» não se refere à compreensão de uma concepção racional, como por exemplo a de um problema matemático. O term o «compreensão» é reservado para designar a operação na qual a mente capta «a mente» (Geist) de outra pessoa. Não é de modo algum uma ope­ ração puramente cognitiva da mente, é aquele momento muito espe­ cial em que a vida compreende a vida: «Explicamos por meio de processos puramente intelectuais, mas compreendemos por meio da actividade combinada de todos os poderes mentais da apreensão.» (” ) O aforismo mais famoso do seu pensamento, expressa-se de um modo mais sucinto: «Explicamos a natureza; há que compreender o ho(" ) ibid. (51) Ibid., 322. (n ) GS V, 172. 120

mem.» (” ) A compreensão é portanto o processo mental pelo qual compreendemos a experiência humana viva. É o acto que constitui o nossa melhor contacto com a própria vida. Tal como a experiên­ cia vivida (Erlebnis), a compreensão tem uma plenitude que escapa à teorização racional. A compreensão abre-nos o universo das pessoas individuais, e portanto abre também possibilidades para a nossa própria natu­ reza ("). A compreensão não é um mero acto de pensamento mas uma transposição e uma nova experiência do mundo tal como o captamos na experiência vivida. Não é um acto de comparação, consciente e reflexivo, é antes a operação de um pensar silencioso que efectua a transposição pré-reflexiva de uma pessoa para a outra. Redescobrimo-nos a nós próprios no outro (” ). Um outro aspecto que realça o modo como a compreensão contrasta com toda a compreensão e explicação meramente científicas é que a com­ preensão tem valor em si mesma, para além de quaisquer consi­ derações práticas. Não é necessariamente um meio para qualquer outra coisa, é intrinsecamente boa. É só pela compreensão que encontramos os aspectos especificamente pessoais e não conceptuais da realidade. «O segredo da pessoa» atrai (— nos) em si mesmo pelos esforços de compreensão cada vez mais novos c profundos. E numa compreensão desse tipo surge o campo do individual, que delimita o homem e as suas criações. Aqui reside a função com­ preensiva mais adequada aos estudos humanísticos ("). Tal como anteriormente fizera Schleiermacher, Dilthey afirma «que os estu­ dos humanísticos» se debruçam amorosamente sobre o particular, por ele mesmo. As explicações científicas raram ente são valorizadas em si mesmas, mas sim devido a qualquer outra coisa; quando certos tratados são apreciados por si mesmos, como é o caso do De rerum natura de Lucrécio vê-mo-los como chaves para a natureza mais íntima do homem — por outras palavras, mudamo-nos para os estudos humanísticos e para as categorias da compreensão, mais do que da mera explicação.

O sentido da historicidade na hermenêutica de Dilthey Dilthey afirmou repetidas vezes que o homem é «um ser his­ tórico» (eingeschichtliches Wesen). Mas o que denota aqui a palavra histórico? A resposta é importante não só para compreendermos a hermenêutica de Dilthey como pela influência que teve na teoria hermenêutica subsequente. (” ) (” ) (” ) (")

Ibid., 144. GS VII, 145, 215-16; ver D 170-71. GS VII. 191. GS V, 212-13. 121

Dilthey não concebe a história como algo passado que defron­ tamos como se fosse um objecto. A historicidade também não aponta para o facto, já objectivamente evidente, de que o homem nasce, vive e morre no decurso do tempo. Não se refere ao carác­ ter passageiro e efêmero da existência hum ana, que constitui um tema poético. A historicidade (Geschichlichkeit) significa duas coisas: 1) O homem compreende-se a si próprio, não pela introspec­ ção mas sim por meio de objectivações da vida. «O que o homem é, só a história o pode dizer.» (” ) Algures, mais detalhadamente diz: «O que o homem é e o que ele quer, só o experimenta no desenrolar da sua natureza através dos milênios e nunca até à última sílaba, nunca em conceitos objectivos mas sempre apenas na experiência vivida que brota das profundezas do seu próprio ser.» C') Por outras palavras, a autocompreensão do homem não é directa mas indirecta; tem que sofrer um desvio hermenêutico através de expressões fixas que datam do passado. Dependente da história, é essencial e necessariamente histórico. 2) A natureza hum ana não é um a essência fixa; em todas as suas objectificações o homem não se limita a pintar murais intermináveis nas paredes do tempo de modo a perceber em que é que a sua natureza sempre consistiu. Pelo contráiio, Dilthey concordaria com outro filósofo da vida, Nietzsche, em que o homem é «o animal-ainda-não-determinado» (noch nicht festgestellte Tier), o animal, que ainda não determinou aquilo que é (39). Para mais, não está simplesmente a tentar descobri-lo; ainda não decidiu o que há-de ser. O que há-de ser aguarda ainda as suas decisões históricas. Não é tanto o timoneiro de um navio já pronto como o arquitecto do próprio navio. A isto chamou mais tarde Ortega y Gasset «o privilégio ontológico» (“ ). Um homem está constante­ mente a tom ar posse das expressões já formadas que constituem a sua herança, torna-se criativam ente histórico. Este captar do pas­ sado não é uma form a de escravatura mas de liberdade, a liberdade de um autoconhecimento ainda mais pleno e a consciência de ser capaz de querer aquilo que irá ser. Visto que o homem tem o poder de alterar a sua própria essência, poderíamos dizer que ele tem o poder de alterar a própria vida; tem poderes verdadeiros e radicais de criação. U m a outra conseqüência da historicidade é que o homem não foge à história, pois ele é o que é, na e pela história. «A totalidade da natureza humana é apenas história.» f11). Para Dilthey, isto tinha (” ) (3«) (M) (40) («)

GS VIII, 224. GS VI, 57; IX, 173; também D 219. L 42. L 44. GS VIII. 166.

122

como conseqüência um relativismo histórico. Afirmnvu i|iic «nflo 6 de todo possível recuar para além da relatividade di» consciência histórica ... o tipo de ‘homem’ dissolve-se e ultcru-xc no processo da história» (“ ). A história é em última instância uma sérlc dc visões do mundo, não temos padrões determinados c fixos para jul­ gar em que é que uma visão do mundo é superior a outra (*’). Tudo isto apenas reforça o que dissemos anteriormente nobre a temporalidade intrínseca da compreensão: o significado coloca sempre num contexto horizontal que se estende pelo passado c pelo futuro. Gradualmente, esta temporalidade torna-se parte intrínseca do conceito de «historicidade» de modo que o termo acaba por referir-se não só à dependência do homem relativamente à história pelo autoconhecimento e pela auto-interpretação, pela sua finitude criativa na determinação histórica da própria essência, mas também à inevitabilidade da história e à temporalidade intrínseca dc toda a compreensão. As conseqüências hermenêuticas da «historicidade» são eviden­ tes em toda a obra de Dilthey, de tal modo que Bollnow tem razão ao notar que, juntam ente com a concepção da unidade da vida e da expressão, a concepção da historicidade é fundamental para a compreensão de Dilthey (“ ). Quando diferenciamos Dilthey dos outros filósofos da vida, é precisamente esta historicidade que o demarca de Bergson e dos outros. Dilthey deu um verdadeiro avanço ao moderno interesse pela historicidade. Como diz Bollnow: «Todos os esforços recentes para compreender a historicidade humana têm em Dilthey o seu início decisivo.» (4!) Resumindo, ele é o pai das concepções modernas da historicidade. Nem a própria hermenêutica de Dilthey nem a de Heidegger ou Gadamer, que serão abordadas resumidamente, se concebem excepto em termos de historicidade, especialmente de temporalidade da compreensão. Na teoria hermenêutica, o homem é visto na sua dependência relativamente a uma interpretação constante do passado, e assim, quase poderíamos dizer que o homem é «o animal hermenêutico» que se compreende a si próprio em termos de interpretação de uma herança e de um mundo partilhados que o passado lhe trans­ mite, uma herança constantemente presente e activante' em todas as suas acções e decisões. A m oderna hermenêutica encontra a sua fundam entação teórica na historicidade.

(« ) Ibid., 6.

(“ ) GS I, 123 ff.; V 339 ff.; VIII passim; todos eles discutem a sua doutrina da visão do mundo. Pode-se encontrar uma abordagem deste tema, em inglês, cm PhWD 85-95. («) D 221.

(") L 6. 123

O círculo hermenêutico e a compreensão As operações da compreensão são consideradas por Dilthey enquanto ocorrendo no interior do princípio do círculo hermenêu­ tico já enunciado por Ast e Schleiermacher. O todo recebe a sua definição das partes, e, reciprocamente, as partes só podem ser compreendidas na sua referência ao todo. O termo «sentido» é crucial em Dilthey: o sentido é aquilo que a compreensão capta na interacção essencial recíproca do todo e das partes. Como foi já indicado, a frase fornece um exemplo nítido da interacção do todo e das partes e da necessidade de ambos: a partir do sentido das partes individuais vai-se revelando a compreensão do sentido do todo, que por sua vez transform a a indeterminação das palavras num modelo mais preciso e significativo. Dilthey cita este exemplo e depois sustenta que existe a mesma relação entre as partes e o todo da vida de cada um. O significado do todo é um «sentido» que deriva do significado das partes individuais. Um evento ou uma experiência podem alterar de tal modo as nossas vidas que aquilo que anteriorm ente tinha significado pode deixar de o ter e que uma experiência passada aparentem ente sem sentido pode tornar-se rectrospectivamente significativa. O sentido do todo determina a função e o sentido das partes. E o sentido é algo his­ tórico; é uma relação do todo e das partes encarada por nós de determinado ponto de vista, num determinado tempo, para uma dada combinação de partes. Não é algo acima ou fora da história, mas a parte de um círculo hermenêutico, sempre historicamente definido O sentido e a significação são portanto contextuais; são parte da situação. Por exemplo, o sentido da afirmação «Venho desejar boa noite ao meu Rei e Senhor» só num sentido trivial é clara e significativa, independentemente da situação em que se integra. O sentido da afirmação é diferente se for formulada 1) pelo criado velho em The Cherry Orchard, 2) pelo criado no Fausto, 3) por Smerdyakov em Os Irmãos Karamazov ou na sua origem literal, neste caso 4) K ent no R e i Lear. Analisemos sumariamente o significado da frase no seu con­ texto. No último acto da peça, depois de term inada a batalha, tendo o traidor Edmund sido derrotado e estando a m orrer, entra o fiel Kent. Exprime a sua lealdade em palavras de despedida simples e tocantes. Que universo significativo exprime aqui a palavra «Senhor»! Nele escutamos não só a relação de Kefit a Lear mas em ressonância, o tema da simples lealdade na ordem hierárquica das coisas. É claro que estas palavras são mais do que uma mera expressão do carácter de K ent e da sua relação com Lear; têm um significado funcional, pois a essa simples frase segue-se ime­ diatamente a pergunta: «Ele não está cá»? que desencadeia a acção 124

final trágica da peça. Imediatamente a atenção se centra na ausência nefasta de Lear e Cordelia, que leva Edmund a dizer que ordenou a sua morte e a fazer um esforço inútil de anular a ordem. Entra então o velho «Senhor», agora senhor dc si mesmo mas não senhor dos acontecimentos desencadeados pela ausência funesta de um verdadeiro poder; entra trazendo nos braços o tesouro que em tempos recusara como não tendo qualquer valor. Como mudou para L ear o sentido de «amor» e «lealdade» no decurso da peça! De que maneira os eventos alteraram terrivel­ mente o significado da sua decisão de dividir o reino! O significado é histórico: mudou com o tempo; é uma questão de relação, sempre ligada com a perspectiva a partir da qual os eventos são considerados. O significado não é fixo e determinado. Mesmo o significado do R ei Lear enquanto peça, se altera. Para nós, que estamos num universo pós-hierárquico e pós-deístico e num contexto social muito diverso, o sentido é obviamente diferente do que era para os contemporâneos de Shakespeare. A história das interpretações de Shakespeare mostra que há um Shakespeare dos séculos xvu, xviii, xix e xx, tal como há uma versão aristotélica de Platão, um Platão dos primeiros cristãos, um Platão me­ dieval, um Platão do século xvi e do século x vu e mesmo um Platão do século xx. A interpretação coloca-se sempre na situação em que o intérprete se coloca; o significado depende disso, por muito cir­ cunscritos que pareçam a peça, o poema ou o diálogo. Assim vemos como é justa a asserção de Dilthey de que pode haver vários tipos de sentido, mas que se trata sempre de uma espécie de coesão, de relação ou de força de ligação; estamos sempre num contexto (Susammenhang). Embora o significado seja constantemente uma questão de relação e de contexto, isto não significa que ele «paire no ar», como uma construção artística flutuante. Não é algo que se feche em si mesmo e que se coloque contra nós, como um objecto; é aquele algo não objectivo que nós objectificamos parcialmente ao tornarmos explícito um sentido. Diz Dilthey: «O significado surge essencialmente a partir da relação da parte com o todo que se baseia na natureza da experiência vivida O . Por outras palavras, o signi­ ficado está imanente na textura da vida, isto é, na nossa participação na experiência vivida; é em última instância a categoria restrita fundamental a partir da qual captamos a vida.» O Tal como foi afirmado antes, «a vida» não é algo metafísico mas sim «experiência vivida». De um modo muito característico, Dilthey fala-nos deste dado básico, a vida: «A vida é o elemento ou facto básico (Grundtatsche) que deve constituir o ponto de partida para a filosofia.

(«) GS VII, 233. (") Ibid., 232.

125

É conhecida a partir de dentro. É aquilo que não podemos ultrapassar. A vida não pode ser apresentada ao tribunal da razão.» O O nosso acesso à compreensão da «vida» é mais fundo do que a razão pois a vida torna-se compreensível através das suas objectificações. Aqui, no domínio dos objectos, podemos construir um mundo de verdadeiras relações que são captadas pelos indivíduos na actualidade da expe­ riência vivida. O sentido não é subjectivo; não é uma projecção do pensamento ou do pensar, sobre o objecto; é a percepção de uma relação real adentro de um nexo anterior à separação sujeito-objecto feita pelo pensamento. Compreender o sentido implica entrar numa relação real e não imaginária com as formas do «espírito» objectificado, que se encontram por todo o lado, à nossa volta. É uma questão de interacção da pessoa individual e do Geist objectivo, num círculo hermenêutico que pressupõe a actuação conjunta de ambos. Significado é o nome dado às diferentes espécies de relações desta interacção. A circularidade da compreensão tem outra conseqüência de grande importância para a hermenêutica: não há realmente um verdadeiro ponto de partida para a compreensão, pois toda a parte pressupõe as outras partes. Isto significa que não há compreensão «sem pressupostos». Todo o acto de compreensão se dá num deter­ minado contexto ou horizonte; mesmo nas ciências, apenas expli­ camos «em termos de» um contexto referencial. A compreensão nos estudos humanísticos toma a «experiência vivida» como o seu contexto e compreensão que não tenha relação com a experiência vivida não é adequada aos estudos humanísticos (Geisteswissen­ schaften). Uma abordagem interpretativa que ignore a historicidade da experiência vivida e aplique categorias intemporais a objectos históricos, só ironicamente pode pretender chamar-se «objectiva» pois desde o início que deturpou o fenômeno. Visto que compreendemos sempre a partir do nosso próprio horizonte, fazendo este parte do círculo hermenêutico, nada pode ser compreendido de um modo não posicionai. Compreendemos por uma constante referência à nossa experiência. A tarefa meto­ dológica do intérprete não é portanto a de mergulhar totalmente no seu objecto (o que de qualquer modo seria impossível) mas sim a de encontrar modos de uma interacção viável entre o nosso hori­ zonte e o horizonte do texto. Como demonstraremos, Gadamer dá um relevo considerável a esta questão: como é que. dentro do nosso horizonte, poderemos conseguir uma abertura ao texto que não imponha previamente sobre ele as nossas próprias categorias.

(" ) Ibid., 359.

126

O significado de Dilthey para a hermenêutica: conclusão O contributo de Dilthey foi alargar o horizonte da hcrmcnôuticu colocando-o no contexto da interpretação dos estudos fíum unlN tlco.i. O seu pensamento sobre o problema hermenêutico começou muito na sombra do psicologismo de Schleiermacher, e só gradualmente concebeu uma interpretação centrada na expressão da «experiòm in» vivida sem referência ao seu autor. Mas quando o fez, a herme­ nêutica e não a psicologia, tornou-se a base dos estudos h u m u n ls ticos. Isto satisfez dois objectivos básicos em D ilth e y . Primeiramente focar o problema da interpretação num objecto com um estatuto fixo, duradouro e objectivo; assim os estudos humanísticos podiam prever a possibilidade de um conhecimento objectivamente válido, pois o objecto em si mesmo era relativamente imutável. Segundo, o objecto apelava claramente para modos «históricos» de com­ preensão, mais do que para modos científicos; só podia compreen­ der-se por uma referência à própria vida, em toda a sua histori­ cidade e temporalidade. A penetração cada vez mais funda no significado das expressões da vida apenas ocorria através de uma comprensão histórica. Isto trouxe como conseqüência para a teoria literária, o poder­ mos de novo falar significativamente na «verdade» de uma óbra. Como corolário, a forma não é vista em si mesma como um elemento mas sim como um símbolo de realidades mais íntimas. A arte para Dilthey é a expressão mais pura da vida. A grande literatura enraíza-se na experiência vivida dos mistérios da vida; o porquê e o como do nascimento e da morte, da alegria e da tristeza, do am or e do ódio, do poder e da fragilidade do homem, do seu lugar ambíguo na natureza. Como nota Bollnow «Quando valorizamos a arte porque consegue exprimir a vida, negamos a ideia de que a valorizamos apenas por si mesma.» f 9) Assim embora, a obra de arte seja em si mesma um bem e o nosso encontro com ela não seja um meio para qualquer outro fim, a obra não silencia o homem, antes fala à sua natureza íntima, relaciona-se com algo para além dela. Por outras palavras, a arte não é o jogo de formas puro e sem finalidade que alguns estetas supõem; é uma espécie de alimento espiritual que obriga as fontes da vida em que nos movemos a ganhar expressão. No título da obra de Dilthey The Three Epochs o f M odem Aesthetics and Its Present Task (1892) surge como divisa a afirmação de Schiller: «Talvez que finalmente pudéssemos desistir da busca da beleza, substituída total e com­ pletamente pela busca da verdade.» (” ) A arte não é fantasia poética ("■> L 74. (5>) Die drei Epochen der modernen Asthetik und ihre heutige Aufgabc, GS VI.

127

nem deleite mas sim expressão da verdade da experiência vivida. Claro que «verdade» aqui não é usada num sentido metafísico mas como representação fiel da realidade interior. Assim, a interpretação da obra de arte literária é colocada por Dilthey no contexto da historicidade da autocompreensão hum ana. Não só é histórica porque tem que interpretar um objecto herdado historicamente, mas também porque tem que compreender o objecto no horizonte da temporalidade de cada um e da posição que cada um ocupa na história. Porque a obra expressiva envolve a autocompreensão do homem, abre um a realidade que nem é «subjectiva» nem é verdadeiramente «objectiva» (i. e. separada do horizonte da nossa autocompreensão). Metodologicamente, isto confronta a interpretação com o problema de compreendermos o sentido de um modo exterior à dicotomização sujeito-objecto, característico no pensamento científico. M uito mudou em hermenêutica desde Dilthey. Notamos em seu desfavor que não conseguiu libertar-se totalmente do cientismo e da objectividade da escola histórica que tinha procurado ultra­ passar. Hoje vemos mais claramente que a procura de um «conhe­ cimento objectivamente válido» é em si mesmo um reflexo de ideais científicos totalmente contrários à historicidade da nossa autocom­ preensão. Podemos mesmo defender que a própria «vida» é uma categoria suspeitosamente próxima do «espírito objectivo» de Hegel, por muito que Dilthey proteste contra o idealismo absoluto e tente fundam entar a hermenêutica em factos empíricos livres de toda a metafísica (51). Podemos criticar o facto de Dilthey ter con­ siderado a compreensão — tal como Schleiermacher — enquanto nova experiência e enquanto reconstrução da experiência do autor, sendo portanto análoga ao acto de criação. Porque o nosso acto de compreensão da N ona Sinfonia de Beethoven tem certamente características muito diferentes do acto realizado por Beethoven ao criá-lo. A obra na sua totalidade tem impacte; os processos da sua criação implicam um conhecimento que não precisamos ter de modo a «compreender» o que nele é «dito». Contudo Dilthey renovou o projecto de uma nova hermenêutica e deu-lhe um impulso significativo. Colocou-a no horizonte da historicidade, adentro do qual sofreu ulteriormente um conside­ rável avanço. Colocou os fundamentos do pensamento de Heidegger na temporalidade da autocompreensão. Pode com razão ser con­ siderado como o pai da «problemática hermenêutica contemporâ­ nea».

( n ) A defesa de Dilthey diz essencialmente: «Hegel construiu de um modo metafísico; eu analiso o dado» (GS VII, 150), mas o princípio parece ser o mesmo: as objectificações históricas da mente revelam o homem a si mesmo.

128

9

O CONTRIBUTO DE H EID EG G ER PA R A A HERM ENÊUTICA EM SE R E TEM PO

Husserl e Heidegger; dois tipos de fenomenologia Tal como Dilthey considerou a hermenêutica no horizonte do seu projecto de procurar uma teoria do método para as Geistes­ wissenschaften historicamente orientada, também Heidegger usou a palavra «hermenêutica» no contexto da sua busca, mais ampla, de uma ontologia «fundamental». Poderia dizer-se que Heidegger defendeu as pretensões de Leben contra Geist 11a tradição desses dois grandes filósofos da vida, Nietzsche c Dilthey, mas dc um modo diferente e a um nível diferente. Tal como Dilthey, Heidegger queria um método que revelasse a vida nos seus próprios termos, e em Ser e Tem po (1927) citou apavoradoramente o objectivo de Dilthey de querer compreender a vida a partir da própria vida ('). Desde o começo que Heidegger procurou um método de ultrapassar as concepções de Ser defendidas no Ocidente, um método que per­ mitisse ir às raízes dessas concepções, um a «hermenêutica» que lhe permitisse to m ar manifestos os pressupostos sobre os quais se têm baseado. Tal como Nietzsche, desejava pôr em causa toda a tradição metafísica ocidental. Na fenomenologia de Edmund Husserl encontrou Heidegger as ferram entas intelectuais inacessíveis a Dilthey ou a Nietzsche, e um método que explicava os processos do ser na existência humana de tal modo que o ser, e não simplesmente a ideologia de cada um, pudesse tornar-se patente. Porque a fenomenologia tinha aberto o campo de uma apreensão pré-conceptual dos fenômenos. Este novo «campo» tinha contudo um significado totalmente novo em Heidegger, diferente daquele que tivera em Husserl. Enquanto Husserl o utilizara com a ideia de tornar visível o funcionamento

(») SZ 398. 129

da consciência como subjectividade transcendental, Heidegger viu ne!e o meio vital do ser-no-mundo histórico do homem. Na sua historicidade e temporalidade viu pistas indicativas da natureza do ser; o ser, tal como se revela na experiência vivida, escapa às categorias conceptualizaníes, especializantes e intemporais de um pensamento centrado em ideias. O ser era o prisioneiro escondido, quase esquecido, das categorias estáticas do Ocidente, que Heidegger esperava libertar. Conseguiriam o método fenomenológico e a teoria fenomenológica fornecer-nos meios para essa libertação? Em parte conseguiram; mas era grande a dívida de Heidegger para com Dilthey e Nietzsche; o tipo de busca que efectuava cri­ ticando a metafísica ocidental, particularmente a ontologia, torna­ va-o pouco seguro quanto ao desejo de Husserl de fazer rem ontar todos os fenômenos à consciência humana, isto é, à subjectividade transcendental. Heidegger defendia a facticidade do ser como sendo um problema ainda mais essencial do que a consciência e o conhe­ cimento humanos, enquanto que Husserl tendia a encarar a própria facticidade do ser como um dado da consciência (2). Um ponto de vista deste gênero, fundado na subjectividade, não fornecia o con­ texto em que o tipo de crítica que Heidegger tinha em mente pudesse ser levado a cabo com êxito. Era suficiente para uma revisão epistemológica de longo alcance, cujas ramificações ainda se fazem hoje sentir em muitos campos (3), mas não era em si mesmo o que Heidegger podia usar para questionar de novo o problema do ser. É significativo, para uma definição de hermenêutica, que o tipo de fenomenologia que Heidegger desenvolveu em Ser e Tempo seja por vezes designado como hermenêutica fenomenológica (*). Esta designação é mais do que uma subdivisão da área que Husserl tinha em mente: pelo contrário, antes indica dois tipos de fenomenologia muito diferentes. É grande a dívida de Heidegger para com Husserl e são inúmeros os conceitos primitivos de Heidegger que podem ser referidos a Husserl; colocam-se no entanto num novo contexto e ao serviço de um objectivo diferente. Assim, seria um erro con­ siderarmos o «método fenomenológico» como uma doutrina for­ mulada por Husserl e usada por Heidegger para outros fins. Pelo contrário, Heidegger repensou o próprio conceito de fenomenologia de modo a que a fenomenologia e o método fenomenológico adqui­ rissem um carácter radicalmente diferente. Esta diferença concentra-se na própria palavra hermenêutica. Husserl nunca a usou relativamente à sua obra, enquanto que

(J) WM 241. (3) Ver Hcrbcrt Spiegclbcrg, The Phenomenological Movement. (4) Como em ibid., I, 318-26, 339-49.

130

Heidegger afirmou em Ser e Tempo que a autêntica dimensfio de um método fenomenológico o torna hermenêutico; o seu projecto em Ser e Tempo era o de uma «hermenêutica do Dasein». A esco­ lha feita por Heidegger do termo hermenêutica — uma palavra carregada de associações, desde as suas raízes gregas até ao seu uso moderno em filologia e teologia — sugere um desvio anticicntífico fortem ente contrastante com Husserl. A mesma orientação é transposta para a «hermenêutica filosófica» de Hans-Georg Gada­ mer, marcando a própria palavra com laivos de anticientismo. As atitudes contrastantes relativamente à ciência podem ser tomadas como a chave das diferenças existentes entre Husserl e Heidegger. Surgem como a seqüência lógica da prática do primeiro nas matemáticas e do segundo em teologia. Para Husserl, a filo­ sofia tem que tornar-se uma «ciência rigorosa» (5) um «empirismo mais alto»; para Heidegger, todo o rigor do mundo nunca poderá fazer com que o conhecimento científico se torne uma meta final. As inclinações científicas de Husserl reflectem-se na sua busca de um saber apodítico, nas reduções que faz, na tendência em pro­ curar o visualizável e o concebível através da redução eidética; os escritos de Heidegger não mencionam virtualmente um saber apodítico, nem reduções transcendentais nem a estrutura do ego. Depois de Ser e Tem po Heidegger volta-se cada vez mais para a reinterpretação dos filósofos anteriores — Kant, Nietzsche, Hegel — e para a poesia de Rilké, Trakl, ou Hõlderlin. O seu pensamento torna-se mais hermenêutico, no sentido tradicional de centração na interpretação de textos. A filosofia em Husserl mantém-se essencialmente científica, e isso reflecte-se no significado que hoje tem para as ciências; em Heidegger, a filosofia torna-se histórica, é uma reconstrução criativa do passado, uma forma de interpre­ tação (6). Mesmo que Heidegger nunca tivesse designado por «her­ menêutica» a sua análise do Dasein, mesmo assim podia ser conside­ rado como um filósofo hermenêutico por excelência, pelo impacte que teve a última fase da sua obra. A fronteira entre os dois tipos de fenomenologia é claramente traçada noutro problema: a historicidade (Geschichlichkeit). Husserl tinha observado a temporalidade da consciência e fornecera uma descrição fenomenológica do tempo interior da consciência; no entanto, a sua ânsia em encontrar um conhecimento apodítico levou-o a traduzir essa temporalidade nos termos estáticos e repre­ sentativos da ciência — essencialmente para renegar a temporalidade (’) Ver uma das primeiras obras de Husserl Philosophie ais slrenge Wissrnschaft. (°) Os dois tipos antitéticos de interpretação que Ricoeur descreve — rénilleclion du sens (desmitologização) e exercice du soupçon (dcsmitificalAo) — existem em Heidegger, embora o primeiro predomine. (Ver Dl 36-44.)

131

do próprio ser e estabelecer um campo de ideias que ultrapassassem o devir. Assim, em 1962, Heidegger proclama que a fenomenologia de Husserl elaborou «um padrão estabelecido por Descartes, K ant e Fichte. A historicidade do pensamento mantém-se totalmente alheia a esta posição» O- Ao mesmo tempo Heidegger sentiu que a sua análise em Ser e Tem po «era, como ainda hoje penso (1962), uma subordinação ao princípio da fenomenologia, materialmente jus­ tificada» ('). A fenomenologia não precisa de ser construída como sendo necessariamente um a revelação da consciência; pode também ser um -meio de revelar o ser, em toda a sua facticidade e histo­ ricidade. Para compreendermos o que isto significa, voltemo-nos para a discussão que Heidegger faz da fenomenologia do § 7 de Ser e Tempo.

A fenomenologia enquanto hermenêutica Na secção de Ser e Tem po intitulada «O método fenomenoló­ gico de investigação», Heidegger refere-se explicitamente ao seu método como sendo uma «hermenêutica». Se nos podemos inter­ rogar quanto ao significado deste facto para a fenomenologia, há uma outra questão que é também importante para o presente estudo: que significado tem isto para a hermenêutica? Contudo, antes de abordarmos esta questão há que explorar a redefinição que Heidegger dá de fenomenologia. Heidegger rem onta às raízes gregas da palavra: phainomenon ou phainestai, e logos. Phainomenon, diz-nos Heidegger, significa «aquilo que se mostra, o manifesto, o revelado (das Offenbare).» Pha é semelhante ao grego phos, significando luz ou brilho, «aquilo em que algo pode tornar-se manifesto, pode tornar-se visível» (*). Phenomena, portanto, é «o conjunto daquilo que se revela à luz do dia, ou que pode ser revelado, aquilo que os gregos identifica­ ram simplesmente com ta onta, das Seiende, aquilo que é» (10). Este «tornar-se manifesto» ou forma de revelar algo «tal como é», não devia ser interpretado, diz-nos Heidegger, como uma forma secundária de referência — como acontece quando algo «parece ser qualquer outra coisa». Também não é um sintoma de algo que indica um fenômeno primitivo. É antes um m ostrar ou um tornar aparente algo, tal como ele é, na sua manifestação.

O Carta a W. J. Richardson em Abril, 1962, publicada como prefácio a TPhT XV de Richardson. (*) Ibid. (e) SZ 28. 0») Ibid.

132

O sufixo logia em fenomenologia, remonta, é claro à pttltt vi >« grega logos. Logos, diz-nos Heidegger, é aquilo que 6 transmitido na fala; portanto, o sentido mais fundo de logos é deixar que ul(jo apareça. N ão é definido por Heidegger como «razão» ou «funil» mento» mas antes sugere a função da fala, que torna possíveis, quer a razão quer o fundamento. Tem uma função apofânticu aponta para os fenômenos. Por outras palavras, tem uma funçOo de «como» visto que deixa que algo seja visto como algo. Contudo, essa função não é livre. É uma questão de descoberta, ou de manifestação, do que uma coisa é; trá-la para fora do escon­ derijo, para a luz do dia. A mente não projecta um sentido no fenômeno; é antes o que aparece que é uma manifestação ontológica da própria coisa. Claro que devido a uma atitude dogmática uma coisa pode ser forçada a ser apenas encarada no aspecto que desejamos. Mas deixar que uma coisa apareça como aquilo que é, torna-se um a questão de aprendermos a deixá-la proceder desse mo­ do, pois ele revela-se-nos. Logos (a fala) não é na verdade um poder dado à linguagem por aquele que a utiliza, mas sim um poder que a linguagem dá a essa pessoa, um meio que ela tem de ser captada por aquilo que através da linguagem se torna manifesto. Portanto, a combinação de phainestai e de logos, enquanto fenomenologia, significa deixar que as coisas se manifestem como o que são, sem que projectemos nelas as nossas próprias categorias. Significa uma inversão da orientação a que estamos acostumados; não somos nós que indicamos as coisas; são as coisas que se nos revelam. Isto não sugere qualquer animismo primitivo, antes é o reconhecimento de que a própria essência do conhecimento ver­ dadeiro é ser orientado pelo poder que a coisa tem de se revelar. Esta concepção é um a expressão da própria intenção de Husserl de regressar às próprias coisas. A fenomenologia é um meio de ser conduzido pelo fenômeno, por um caminho que genuinamente lhe pertence. Um método deste tipo deveria ser da maior importância para a teoria hermenêutica, pois implica que a interpretação não se fun­ damente na consciência humana e nas categorias humanas, mas sim na manifestação da coisa com que deparamos, da realidade que vem ao nosso encontro. Mas a preocupação de Heidegger era a metafísica e o tem a do ser. Poderia um método deste tipo acabar com a subjectividade e com o carácter especulativo da metafísica? Poderia aplicar-se à questão do ser? Infelizmente a tarefa complica-se pois o ser não é realmente um fenômeno mas sim algo mais lato e indefinível. Nunca pode tornar-se verdadeiramente um objecto para nós, dado que somos ser no próprio acto de constituir qualquer objecto enquanto objecto. Contudo em Ser e Tem po Heidegger encontra uma espécie de saída no facto de cada um ter, com a sua existência, ao mesmo

tempo que ela, uma certa compreensão do que é a plenitude do ser. Não é uma compreensão fixa, antes se forma historicamente, acumula-se com a própria experiência de quem encontra fenômenos. Podemos talvez interrogar o ser analisando o modo como ele apa­ receu. A ontologia tem que se tornar fenomenologia. A ontologia tem que se voltar para os processos de compreensão e de interpre­ tação pelos quais as coisas aparecem; tem que descobrir o modo e a orientação da existência humana; tem que tornar visível a estru­ tura invisível do ser-no-mundo. Como é que isto se relaciona com a hermenêutica? Significa que a ontologia deve, enquanto fenomenolgia do ser, tornar-se uma «hermenêutica» da existência. Mas este tipo de hermenêutica não se identifica com uma metodologia filológica antiquada, nem mesmo é a tal metodologia geral das Geisteswissenschaften prevista por Dilthey. Revela o que estava escondido; não constitui uma inter­ pretação de uma interpretação (que é em que consiste a explicação de texto) mas sim um acto primário de interpretação que faz com que uma coisa saia do seu esconderijo. «O sentido metodológico da descrição fenomenológica é inter­ pretação (Auslegung, tornar aberto). O logos de uma fenomenologia do Dasein tem o carácter de herméneuein (interpretar), através do qual se tornam conhecidos ao Dasein, a estrutura do seu próprio ser e o significado autêntico do ser dado na sua compreensão (pré-consciente) do ser. A fenomenologia do Dasein é hermenêutica no sentido original da palavra, que designava um trabalho da inter­ pretação.» (” ) Com este impulso a hermenêutica, transformou-se em «inter­ pretação do ser do Dasein» ( ” ). Filosoficamente, coloca as estru­ turas básicas da possibilidade do Dasein; é uma «análise da existencialidade da Existenz» O3), isto é, das possibilidades autênticas ■) Ibid., 37. (12) Ibid. (” ) (Ibid., 38. 134

definição já aceite, o facto é que ela pode aprofundar c alargar n tendência histórica de definir hermenêutica de uma formo ainda mais lata. Porque a hermenêutica em Schleiermacher, tinlm procurado um fundamento nas condições comuns a todo o diálogo, e Dilthey tentara tornar a compreensão como um dos poderes do homem, um poder pelo qual a vida encontra a vida. Contudo, a compreensão em Dilthey não era universal; agradava-lhe a ideia dc uma compreensão «histórica» separada de uma compreensão cien­ tífica. Heidegger dá o impulso final e define a essência da herme­ nêutica como o poder ontológico de compreender e interpretar, o poder que torna possível a revelação do ser das coisas e em última instância das potencialidades do próprio ser do Dasein. Dizendo de outro modo: a hermenêutica ainda é a teoria da compreensão, mas a compreensão é definida de um modo diferente (ontologicamente).

A natureza da compreensão: como Heidegger ultrapassa Dilthey A compreensão (Verstehen) é um termo específico em Hei­ degger, não significando o que a palavra inglesa geralmente denota, nem aquilo que o term o significava em Dilthey. Em inglês, «com­ preensão» sugere simpatia, capacidade de sentir aquilo que outra pessoa experimenta. Falamos de um «olhar compreensivo» c com ele sugerimos mais do que um mero conhecimento objectivo, é como se participássemos na coisa percebida. Poder.qs ‘.cr cru grande conhecimento e uma fraca compreensão, pois a compreensão parece chegar ao que é essencial e, nalgumas das suas aplicações, ao que é pessoal. Em Schleiermacher a compreensão baseava-se na afirmação filosófica da identidade das realidades internas (Identiicitsphilosophie) de modo que ao compreendermos vibrávamos em uníssono com quem falava, à medida que íamos compreendendo; a compreensão tanto envolvia fases comparativas como divinatórias. Em Dilthey, a com­ preensão referia-se ao nível mais fundo da compreensão incluído na captação de uma pintura, de um poema ou de um facto, fosse ele social, econômico ou psicológico. Era mais do que um mero dado, era como que a «expressão» de «realidades internas» e em última instância da própria «vida». Todas estas concepções de compreensão acarretam associações totalmente estranhas à definição de Heidegger. Para Heidegger. a compreensão é o poder de captar as possibilidades que cada um tem de ser, no contexto do mundo vital em que cada um de nós existe. Não é capacidade ou o dom especial de sentirmos a situação de outra pessoa, nem é o poder de captar mais profundamente o signi­ ficado de «alguma manifestação da vida». A compreensão não se 135

1

concebe como algo que se possua mas antes como um modo ou elemento do ser-no-mundo. Não é uma entidade no mundo, antes é a estrutura do ser que torna possível o exercício actual da com­ preensão a um nível empírico. A compreensão é a base de toda a interpretação; é contemporânea da nossa existência e está presente em todo o acto de interpretação. A compreensão é assim ontologicamente fundamental e anterior a qualquer acto de existência. Um outro aspecto do problema está no facto da compreensão sempre se relacionar com o futuro; nisso consiste o seu carácter projectivo (Entwurfscharakter). Mas a projecção tem que ter um a base, e a compreensão está também rela­ cionada com a situação de cada um (Befindlichkeit). Contudo, a essência da compreensão não está na simples captação de situação de cada um mas sim na revelação das potencialidades concretas do ser, no horizonte da situação que cada um ocupa no mundo. Heidegger usa o termo «existencialidade» (Existenzialitàt) para este aspecto da compreensão. Uma característica importante da compreensão tal como Hei­ degger a encara, é que ela opera sempre no interior de um conjunto de relações já interpretadas, num todo relacionai (Bewandtnisganzheit). Para a hermenêutica, as implicações deste facto são de longo alcance, especialmente quando relacionadas com a ontologia de Heidegger. Dilthey já estabelecera que a significação se referia sem­ pre a um contexto de relações (Strukturzusammenhang), exemplifi­ cando o princípio já conhecido de que a compreensão opera prefe­ rencialmente no interior de um «círculo hermenêutico» e não na progressão ordenada que vai das partes simples e auto-suficientes ao todo. Contudo, a hermenêutica fenomenológica de Heidegger, avança mais um passo; explora as implicações do círculo herme­ nêutico no que respeita à estrutura ontológica de toda a compreen­ são e interpretação existenciais do homem. É claro que a com­ preensão não pode conceber-se como algo metafísico, acima da existência sensível do homem, mas sim enquanto inseparável desta; Heidegger não nega a visão de Dilthey orientada para a experiência mas coloca-a num contexto ontológico. Isso vê-se no facto da com­ preensão não ser separável da nossa disposição. Nem tão pouco a podemos imaginar se o «mundo» ou sem a «significação». O ponto chave em Heidegger é que a compreensão se tornou ontológica. Um exame do conceito heideggeriano de mundo, irá clarificar este aspecto.

O mundo e a nossa relação com os objectos no mundo O term o «mundo» em Heidegger não significa o meio ambiente, objectivamente considerado, o universo tal como aparece aos olhos 136

de um cientista. Está mais próximo daquilo a que poderíamos cha­ m ar o nosso mundo pessoal. O mundo não é a totalidade de todos os seres mas a totalidade em que o ser humano está mergulhado; o ser hum ano encontra-se rodeado pela manifestação dessa tota­ lidade. Ela revela-se-lhe através de uma compreensão sempre englobante, anterior a qualquer captação. Conceber o mundo separado da pessoa é totalmente contrário à concepção de Heidegger, pois pressupõem a separação sujeito-objecto que aparece no interior do contexto relacionai a que cha­ mamos mundo. O mundo é anterior a qualquer separação da pes­ soa e do mundo num sentido objectivo. É anterior a qualquer «objec­ tividade», a qualquer conceptualização: é também anterior à .sub­ jectividade, dado que tanto objectividade como subjectividade são concebidas dentro do esquema sujeito-objecto. Não podemos descrever o mundo tentando enum erar as enti­ dades que o formam; num processo desse tipo o mundo seria igno­ rado pois ele é justamente aquilo que é pressuposto em todo o acto de conhecer uma entidade. Todas as entidades do mundo são captadas como entidades em termos do mundo, sendo este algo já dado. As entidades que formam o mundo físico do homem não são o mundo mas estão no mundo. Só o homem tem mundo. O mundo é tão englobante e ao mesmo tempo tão fechado que se esquiva ao conhecimento. Vemos através dele, no entanto sem ele nunca nos poderíamos aperceber da manifestação das coisas. Desa­ percebido, pressuposto, englobante, o mundo está sempre presente, transparente, iludindo as tentativas feitas para o captar enquanto objecto. Abre-se assim um novo campo à exploração — o mundo. Não é de abordagem fácil, pois nem a descrição das entidades empíricas que o constituem nem mesmo a interpretação ontológica do seu ser individual como tal responderão ao fenômeno mundo (M). O mundo é algo que é sentido «juntamente com» as entidades que aparecem nele; contudo, a compreensão tem que dar-se através do mundo. Isto é fundamental em toda a compreensão; o mundo e a compreensão são partes inseparáveis da constituição ontológica da existência do Dasein. Tal como o mundo não é obstrutivo também não são obstrutivos certos objectos do mundo com os quais diariamente nos relaciona­ mos. Os instrumentos usados diariamente, os movimentos do corpo realizados sem pensar, todos eles se tornam transparentes. Só os notamos quando há qualquer ruptura. N a ocasião da ruptura pode­ mos observar um facto significativo: o sentida dos objectos está na relação que eles têm com um a totalidade estruturada de significados

(“ ) Ibid.. 64. 137

e de intenções inter-relacionados. Na ruptura, por um breve mo­ mento, o sentido dos objectos ilumina-se, emergindo directamente do mundo. Como esta compreensão de um objecto difere de uma com­ preensão meramente intelectual! Usando o exemplo usual de Ser e Tempo: um martelo que se limita a estar presente é algo que pode ser pesado e catalogado relativamente às propriedades de outros martelos; um m artelo partido mostra imediatamente o que um martelo é (15). Esta experiência sugere um princípio hermenêu­ tico: que o ser de algo se revela, não ao olhar analítico e contem­ plativo mas no momento em que bruscamente sai da penumbra ingressando no contexto plenamente funcional do mundo. De igual modo, captaremos melhor as características da compreensão, não através de um catálogo analítico dos seus atributos, nem no decurso do seu funcionamento adequado mas sim quando há qual­ quer ruptura, quando esbarra contra uma parede, talvez quando lhe falta algo que deveria ter.

A significação pré-predicativa, compreensão e interpretação O fenômeno da ruptura que por momentos esclarece o ser de um instrumento enquanto instrumento, aponta, como acabámos de ver, para um «mundo» em grande parte imperceptível, no qual vive­ mos. Este mundo é mais do que apenas o campo das operações pré-conscientes da mente aquando da percepção; é o campo em que as actuais resistências e as possibilidades da estrutura do ser moldam a compreensão. É o campo onde a temporalidade e a his­ toricidade do ser estão radicalmente presentes, é o lugar em que o ser se traduz em significação, em compreensão e interpretação. Numa palavra, é o campo do processo hermenêutico, processo pelo qual o ser se tematiza enquanto linguagem. Como foi dito, a compreensão actua numa fabricação de relações (Bewandnisganzheit). Heidegger inventou o termo «signifi­ cação» (Bedeutsamkeit) para designar a base ontológica que permite compreender essa fabricação de relações. Como tal, forneceu às palavras a possibilidade ontológica de terem um significado pleno de sentido; é a base da linguagem. Com isto Heidegger prova que a significação é algo mais fundo do que o sistema lógico da lin­ guagem, funda-se sobre algo anterior à linguagem — e que se insere

(ls) Ibid., 69. WB Macomber vê o martelo partido como uma imagem clrnvc do pensamento de Heidegger; ver o seu esclarecedor estudo The Analomy of Disitlusion sobre a noção heideggeriana de verdade. 138

no inundo — a totalidade relacionai Por muito que as palavras possam moldar ou produzir sentido, apontam sempre mais além do que o seu próprio sistema, para uma significação que já reside na totalidade relacionai do mundo. A significação portanto, não é algo que o homem dê a um objecto; é aquilo que um objecto dá ao homem, fornecendo-lhe a possibilidade ontológica das palavras e da linguagem. A compreensão tem que ser vista inserida neste contexto, e a interpretação é simplesmente tornar explícita a compreensão. A in­ terpretação não é pois uma questão de imprimir valor a um objecto isolado, pois aquilo que encontramos surge como já visto numa rela­ ção particular. Mesmo na compreensão, as coisas no mundo são vistas como isto ou como aquilo. A palavra como explicita-se pela interpretação. O fundamento da compreensão é anterior a toda a afirmação temática. Heidegger di-lo resumidamente: «Toda a visão simplesmente pré-predicativa do mundo invisível do que está ‘íi mão’ e iá em si mesma uma visão ‘compreensiva interpretativa’.» (16) Quando a compreensão se torna explícita como interpretação, como linguagem, entra em acção um outro facto extra-subjectivo, pois «a linguagem já esconde em si mesma um modo elaborado dc ideação», uma «maneira de ver já moldada» (17). A compreensão c a significação conjuntamente constituem, a base da linguagem e da interpretação. Em trabalhos posteriores dá-se ainda mais ênfase à relação entre linguagem e ser, de modo a considerar o próprio ser como lingüístico: Heidegger nota por exemplo, cm «Introdução à Metafísica» que «as palavras e a linguagem não são envólucros com que se embrulham as coisas para o comércio daqueles que escrevem e falam. É pelas palavras e pela linguagem que as coisas ganham ser e existem» (’*). Este é o sentido em que devemos interpretar a afirmação muito comum de Heidegger, «A linguagem e a casa do ser» (” ). Assim a compreensão tem uma certa «estrutura prévia» que actua em toda a interpretação. Isto torna-se muito evidente na análise que Heidegger faz da pré-estrutura trifacetada da compreen­ são. Não precisamos de a expor aqui, visto que o seu carácter e

('*) «Alies vorprãdikative schlichte Sehen des Zunhandcnen ist an ihm selbst schon vertstehend-auslegend» (SZ 149). (’7) «Die Sprache je schon eine ausgebildete Begrifflichkeit in sich birgt» (ibid., 157). ('*) IM 13. (») p l — BH 53. A Carta começa na p. 53; assim, as citações das pági­ nas anteriores são de PL e as posteriores de BH.

significado essenciais estão implícitos no que já dissemos sobre o mundo e sobre a significação (20).

A impossibilidade de uma interpretação sem pressupostos A estrutura prévia da compreensão, sempre interpretada e inse­ rida no mundo, ultrapassa o modelo mais antigo da situação interpretativa em termos de sujeito-objecto. De facto, levanta graves questões à validade básica de uma descrição interpretativa em ter­ mos da relação sujeito-objecto. Também levanta questões ao que devemos entender por interpretação objcctiva, ou «interpretação sem pressupostos». Heidegger coloca a questão de um modo claro: «A interpretação nunca é a captação sem pressupostos de algo pre­ viamente dado.» (J1) A esperança de uma interpretação «sem preconceitos e sem pressupostos» desapareceu ultimamente, face ao modo como a com­ preensão opera. O que aparece do «objecto» é o que deixamos que apareça, é aquilo que a tematização do mundo actuante na com­ preensão, traz à luz. Seria ingênuo pretender que «o que ali está realmente» é «auto-evidente». A própria definição de auto-evidência assenta num corpo de pressupostos que passam despercebidos, mas que estão presentes em toda a construção interpretativa feita pelo intérprete «objectivo» e sem «pressupostos». É este corpo de pres­ supostos já dados e admitidos que Heidegger põe a nu na análise que faz da compreensão. Na interpretação literária, tal facto significa que o intérprete mais «destituído de pressupostos» de um texto de poesia lírica tem já posições prévias. Mesmo quando aborda um texto, pode já tê-lo considerado como um certo tipo de texto, digamos, como um texto lírico, e assim coloca-se logo na posição que considera adequada a um texto desse tipo. O seu encontro com a obra não se dá num contexto exterior ao tempo e ao espaço, exterior ao seu próprio horizonte de experiências e de interesses; dá-se sim num tempo e num lugar determinados. P or exemplo, há um a razão pela qual se voltou para este texto e não para outro qualquer, e assim aborda o texto colocando-lhe perguntas, e não em branco. É pois importante lembrarmo-nos que, a pré-estruturação da compreensão não é simplesmente uma propriedade da consciência C2») Ver SZ 150-53, esp.: «Die Auslegung von Etwas ais Etwas wesenhaft durch Vorhabe, Vorsicht und Vorgriff fundiert» p. 150; e «Sinn ist das durch Vorhabe, Vorsicht und Vorgriff (a estrutura tri-facetada da pré-compreensão) strukturierte Woraufhin des Entwurfs, aus dem her etwas ais etwas verstàndlich wird» (p. 151). C1) Ibid.. 150. 140

que se coloca diante de um mundo já dado. Considerar as coisas deste modo seria cair no modelo interpretativo do sujeito-objecto, que a análise de Heidegger transcende. A estrutura prévia assenta preferentemente, no contexto do mundo que já contém sujeito e objecto. Heidegger descreve a compreensão e a interpretação de modo a colocá-las anteriormente à dicotomia sujeito-objecto. Discute como é que as coisas começam a ser vistas através do signi­ ficado, da compreensão e da interpretação. Discute aquilo a que poderíamos cham ar a estrutura ontológica da compreensão. A hermenêutica, como teoria da compreensão, é consequente­ mente uma teoria da revelação ontológica. Pois a existência humana é em si mesma um processo de revelação ontológica. Heidegger não permite que encaremos o problema ontológico separadamente da existência humana. A sua análise junta a hermeneutica à onto­ logia existencial e à fenomenolog.ia e aponta para um fundamento da hermenêutica que não se baseia na subjectividade mas na facti­ cidade do mundo e na historicidade da compreensão.

O carácter derivativo das asserções Uma conseqüência ulterior das considerações que temos vindo a abordar e de considerável importância hermenêutica está na discussão que Heidegger faz das asserções lógicas — e, extensiva­ mente, da própria lógica. Para Heidegger um «juízo» (Aussage) não é uma form a fundam ental de interpretação; ele assenta cm operações anteriores de compreensão e de interpretação da — com­ preensão — prévia. Sem eles, as asserções não teriam sentido. Heidegger dá um exemplo: «O martelo é pesado.» Na própria asserção, diz ele, já actua um determinado modo de concepção, o modo lógico. Antes de qualquer interpretação ou análise real­ mente visíveis, a situação foi estruturada em termos lógicos para se adequar à estrutura de uma asserção. O martelo foi já interpre­ tado como uma coisa com propriedades, neste caso o peso. A estru­ tura da frase, na asserção, com o seu modelo de sujeito, cópula e adjectivo predicativo, colocou logo o m artelo diante de nós, como um objecto, como algo que possui propriedades. Mas os processos fundamentais de interpretar o mundo não ocorrem nas asserções lógicas e nos juízos teóricos. Muitas vezes as palavras estão ausentes, como quando pegamos num martelo e o pomos de parte, sem palavras. Isto é um acto interpretativo mas não é uma asserção. Continuando com o exemplo do martelo Heidegger interroga-se como é que surge um a asserção: «O martelo que possuímos no ‘pré-adquirido’ está à mão como ferram enta. Quando o seu ser se torna ‘objecto’ de uma asserção, com a própria construção da asserção dá-se uma mudança no ‘pré141

-adquirido’. A tendência imediata para pensar ‘com quê’ torna-se o ‘sobre quê?’ de uma asserção referencial. A visão do objecto na pré-compreensão centra-se agora no manipulável deste estar à mão. E o ‘estar à m ão’ enquanto tal, passa a esconder-se.» (2!) A revelação do martelo como objecto, é simultaneamente uma ocultação do martelo como instrumento. O martelo como objecto é arrancado do seu contexto vivo, e a sua essência como instru­ mento que pode martelar, é escondida. O exemplo do martelo pode ser usado para clarificar a distinção de Heidegger entre as formas «apofânticas» e «hermenêuticas» da palavra «como». No contexto de «estar à mão», o martelo desa­ parece como objecto sendo substituído pela função que tem como instrumento; não o abordamos como um objecto mas como um instrumento. O «como» que se limita a apresentar o martelo como um objecto à mão, como algo que se apresenta ao nosso olhar e para o qual apontamos, é o «como apofântico». O martelo que desa­ parece na sua função com o instrumento representa o «como-existencial-hermenêutico». O «como apofântico» assinala uma mudança subtil na compreensão, encaminhando-a para um estádio de designa­ ção objectiva, uma designação que já não relaciona o martelo com a totalidade primordial de um contexto vivo, relacionai (o Bewandtnisganzheit); corta-o do campo da significação no «estar à mão» e coloca o fenômeno à nossa frente, como algo que apenas pode­ mos ver. Heidegger exige que avancemos para um «como» mais original. «Devíamos examinar com mais cuidado» diz ele, «o que Aristóteles pretendia com ‘unir e separar’ na unidade que ambos formam, e ao mesmo tempo, atender ao fenômeno de qualquer coisa como qualquer coisa.» (” ) De acordo com esta estrutura, tomamos con­ juntam ente uma coisa e outra a partir da qual a primeira é com­ preendida, de modo a que a interpretação e a articulação formem uma unidade. Destruir a unidade original e ignorar o «como» mais original, abre caminho a uma mera «teoria do juízo» (Uhrteilstheorie), uma teoria que considera as asserções como mera ligação e separação de ideias e conceitos, uma teoria que se mantem ao nível superficial das realidades objectivas, «à mão» (M). A firm ar o «como-existencial-hermenêutico» primordial, é reconhecer que as asserções derivam todas de um nível anterior de interpretação, enraizando-se todas elas nesse nível. É ver que as asserções só têm sentido quando consideradas nas suas raízes existenciais. Verificamos a importância desta distinção ao examinarmos o modo como actualmente a linguagem é tratada nas «ciências» da (“ ) Ibid., 157-8. (” ) Ibid.. 159. («) Ibid. 142

linguagem. Isto torna-se especialmente evidente se alentarmos como são insuficientes todas as definições de linguagem que se mantêm ao nível das asserções e da lógica, ou que adoptam uma visão ins­ trumental da linguagem como mera consciência manipuladora dc juízos e de ideias. Porque o verdadeiro fundamento da linguagem ê o fenômeno da fala, onde algo se revela; esta ê a função (herme­ nêutica) da linguagem. Considerando a fala como ponto de partida, remontamos ao evento em que a palavra funciona como palavra, remontamos ao contexto vivo da linguagem. Gerhard Ebeling repete a perspectiva de Heidegger quando diz: «A própria palavra tem uma função hermenêutica.» (” ) Dc facto, a função hermenêutica primordial da linguagem torna-se um factor central no último Hei­ degger e na Nova Hermenêutica Teológica. Esta visão da linguagem significa que a compreensão, mais uma vez como Ebeling a con­ sidera, «não é compreensão da linguagem mas compreensão através da linguagem» ("). Nunca é demais o valor teológico atribuído a esta perspectiva; pois ela restaura a ênfase dada à função da fala (” )• A linguagem como fala deixa de ser um corpo objectivo de palavras que manipulamos como objectos; toma o seu lugar no mundo «do que está à mão». É claro que pode passar para a objec­ tividade daquilo que está diante de nós como um mero objecto, mas essencialmente, a linguagem é encontrada pelo homem como algo «à mão», transparente, contextual. Contudo, a linguagem como fala não deve ser encarada como expressão de uma «realidade interior». É uma situação que se torna explícita nas palavras. Mesmo a linguagem poética não é um veicular de pura interioridade, mas um partilhar do mundo. Como revelação do ser no mundo e não daquele que fala, não é nem um fenômeno subjectivo nem um fenômeno objectivo, é simultanea­ mente ambos, pois o mundo é anterior a ambos e engloba ambos.

(“ ) WF 318; NH 93-94. ( J')

Ib id .

(Jr) Ver cap. 2 sobre o significado de hermeneuin «como dizer» ou «anun­ ciar». Heidegger acentua esta dimensão primordial. Ver também Gerhard Ebeling Theology and Proclamation onde a palavra «proclamação» tem este significado. 143

10

O Ü LTIM O CONTRIBUTO DE H EID EG G ER PA RA A TEORIA HERM ENÊUTICA

Mesmo que Heidegger não tivesse escrito mais nada depois de Ser e Tempo, o seu contributo para a hermenêutica teria sido decisivo pois nessa obra ele coloca o problema da compreensão num contexto radicalmente diferente. Como modo fundante de existir, transcende os limites definicionais em que Dilthey o colocara ao concebê-lo como a form a histórica contra a forma científica da compreensão. Heidegger foi mais longe defendendo que toda a compieensão é temporal, intencional, histórica. Ultrapassou con­ cepções anteriores ao encarar a compreensão, não como um pro­ cesso mental mas como um processo ontológico, não como um estudo de processos conscientes e inconscientes mas como uma revelação daquilo que é real para o homem. Antes dele, aceitávamos simplesmente como certa a definição prévia daquilo que era real, e só depois perguntávamos como é que os processos mentais colo­ cavam essa realidade; ora Heidegger veio provar que a compreensão é um passo prévio indicativo do acto de «fundamentação — revela­ ção» da realidade, com o qual se completa a definição anterior. Um dos últimos temas de Heidegger é o esforço para ultrapassar o facto que funda a realidade, facto sobre o qual hoje se tematiza o próprio ser. «Todo o grande poeta faz poesia a partir de um só poema» diz Heidegger em Unterwegs zur Sprache (l) e dado que o fenômeno originário é essencialmente poético, todo o grande pensador enuncia um único pensamento que se mantém como algo nunca totalmente dito. Num certo sentido, podemos considerar os últimos escritos de Heidegger como uma série de notas de rodapé a Ser e Tempo, tentando continuamente a mesma procura de acesso ao ser, apro­ fundando e tornando mais radicais as intuições da sua obra-prima.

0) US 37. 145

Transforma-se talvez no filósofo mais poético e mais hermenêutico desde Platão; contudo, a busca essencial do seu pensamento não sc altera, apenas se revela mais plenamente. De facto, ao com­ preendermos a focalização de Heidegger na compreensão e suas articulações, compreendemos também porque é que os últimos escri­ tos se preocuparam com o «pensamento» e por que razão Heidegger define o pensamento em termos de resposta, mais do que de mani­ pulação de ideias. É usual considerar uma «viragem» no pensamento de Heidegger. Contudo o seu pensamento quando considerado de um ponto dê vista actual, é constituído por uma só peça. Ser e Tempo é o soio a partir do qual se desenvolve a última fase do seu pen­ samento. Do início ao fim da sua obra, Heidegger preocupa-se com o processo hermenêutico, pelo qual o ser se revela. Isto foi abor­ dado em Ser e Tempo como uma fenomenologia do Dasein e tornou-se, em obras subsequentes, numa exploração do não ser, da própria palavra ser, de concepções quer gregas quer actuais de ser, de verdade, de pensamento e de linguagem. É um facto aceite que Heidegger se tornou mais poético, obscuro e profético nos seus últimos escritos, mas que a revelação do ser se mantem nele como um tema cons'.ante. Nos últimos escritos, o carácter hermenêutico do pensamento de Heidegger apresenta outras orientações mantendo-se no entanto hermenêutico, tornando-se mesmo hermenêutico, no sentido de se preocupar com a exegese. A temática é ainda «como foi que o ser se tornou compreendido» e «corno foi que se articulou em termos estáticos e essencialistas», mas o objecto da interpretação afasta-se de uma descrição geral do contacto quotidiano do Dasein com o ser, enveredando pela metafísica e pela poesia. Cada vez mais se volta para a interpretação de textos; na história da filosofia oci­ dental, poucos pensadores deram tanta importância, no interior da sua filosofia, à exegese dos textos, especialmente à exegese dos fragmentos antigos. E mesmo que Heidegger não tivesse dado o contributo filosófico fundam ental que deu à teoria da compreensão no seu Ser e Tempo, poderia no entanto continuar a ser designado como o mais hermenêutico dos filósofos ocidentais. Talvez que esta abordagem se deva à natureza intrinsecamente hermenêutica da tentativa de lidar com o «ser» se este for abordado no contexto do processo de compreensão, pelo qual as coisas se revelam. E torna-se mais hermenêutico se quisermos ultrapassar o «texto» do pensamento ocidental, indo para os problemas que deram origem a essa tradição. Então, dá-se a tentativa de destacar o sen­ tido oculto do texto, não nos basta a exploração de um sistema nos seus próprios termos. É isto que Heidegger tenta fazer dando-nos simultaneamente a sua própria perspectiva quanto à posição cor­ recta da hermenêutica no que respeita ao homem, na relação que este tem com o ser e com a tradição. Uma exposição pormenorizada 146

do pensamento do último Heidegger ultrapassaria o âmbito «IchIc capítulo O ; no entanto focaremos resumidamente nas restantes sei ções alguns temas fundamentais e o significado que tiveram para n teoria hermenêutica.

Crítica ao pensamento apresentacional, subjectismo e terminologia Heidegger em Ser e Tempo tinha já sugerido a orientação das suas últimas críticas ao pensamento apresentacional, na discussão que faz do carácter derivado das «asserções» enquanto tendentes a apresentar as coisas como algo para que olhamos. Aí mostra como, no interior da estrutura prévia da compreensão, a visão do objecto tende subtilmente a ordenar-se segundo as exigências do pensamento lógico e conceptual, e como por exemplo um martelo é arrancado ao seu contexto vital das (Zuhandene) e colocado no campo abstracto do pensamento apresentacional. Em escritos posteriores, Hei­ degger tenta sintetizar como é que o pensamento ocidental chegou à definição de pensamento, de ser e de verdade em termos essen­ cialmente apresentacionais. Em «A doutrina da verdade em Platão» Heidegger aborda a famosa alegoria da caverna. Em todos os seus aspectos a alegoria sugere que a verdade é desocultação, pois saímos da caverna, para a luz, e regressamos à caverna; mas a concepção de verdade como «correspondência» acabou por predominar sobre a concepção mais dinâmica da verdade como desocultação. A verdade transformou-se em visão correcta e o pensamento transformou-se numa questão de colocação de ideias face à visão da mente, isto é, transformou-se em manipulação adequada de ideias. Com esta visão do pensamento e da verdade, armou-se o palco para todo o desenvolvimento da metafísica ocidental, para a abor­ dagem teórica da vida — ideologicamente, em termos de ideias: «A essência da ideia reside na aparência e na visibilidade. Isto leva a que se realize plenamente em cada ser, a presença do ‘quid’ que cada ser é. Apresenta-se na ‘quiddidade’ do ser. A natureza do ser é considerada contudo como sendo o estar ‘presente’. Por essa razão, o ser para Platão tinha a sua natureza mais autêntica ‘aquilo que é’. Uma terminologia posterior diz-nos que a quidditas é o ver­ dadeiro esse; a essência e não a existência. Assim, aquilo que se (r) Ver no entanto The Anatomy of Desillusion de W. B. Macomber, assim como a discussão detalhada que Richardson faz em TPhT; também reco­ mendamos vivamente a obra (em alemão) de Otto Poggeler Der Denkwtg Martin Heideggers. Em inglês, há discussões interessantes cm Koclcclmnn, Langer, Versényi e outros, citados na bibliografia.

147

torna visível enquanto ‘ideia’ para aquele que contempla, é a reve­ lação da coisa tal como aparece. Assim, a coisa revelada é desde o começo (e apenas) captada como aquilo que se percebe quando percebemos a ideia de algo, aquilo que é conhecido no acto de conhecer.» (’) Heidegger sustenta que, à medida que tudo se ordena de acordo com a concepção das ideias e com a ideação, e, mais importante ainda, de acordo com o conceito de razão, vai-se perdendo a con­ cepção primitiva da verdade como revelação. O homem ocidental já não sente o ser como algo que constantemente aparece e desa­ parece do seu alcance; antes o vê sob a form a da presença estática de uma ideia. A verdade torna-se algo que se vê: «orthotes, correcção da percepção e da asserção» O . Isto significa que o pensamento que visa a verdade, não se fundamenta na existência mas sim na percepção de uma ideia: o ser não é concebido em termos de expe­ riência vivida mas em termos de ideia — estaticamente, como pre­ sença constante e atemporal. Poder-se-ia dizer que o ocidente construiu a metafísica e a teologia sobre esse rochedo. Logo em 1921, nas suas conferências (não publicadas) sobre Augustinus und der Neuplatonismus, Hei­ degger traça o conflito patente no livro X das Confissões, entre um cristianismo que surge da facticidade da experiência vivida, cuja realização não está tanto no conhecimento de Deus como no viver n ’Ele, e um cristianismo orientado para a «fruição» de Deus como o Sum m um bonum (i. e. a ideia de fruitio Dei). Esta última concepção do Ser e da vivência de Deus, mais estática e apresentacional, liga-se directam ente ao neo-platonismo. Quando a expe­ riência de Deus é definida como fruitio Dei, e quando Deus é fruído com a «paz» que cala a inquietude do coração, então Ele é colo­ cado fora do fluxo da vida, factual e histórica, e a Sua vitalidade enquanto Deus da experiência vivida é silenciada. Já não é o Deus vivo, temporal, finito, disponível. Está m eramente «disponível» para ser contemplado e fruído; Deus torna-se um Ser Eterno fora e acima do tempo, do lugar e da história (s). Numa conferência realizada em Junho de 1938, intitulada «A fundamentação da imagem moderna do mundo pela metafísica», Heidegger traça as conseqüências que teve esta abordagem geral da verdade e do pensamento quando unida com a perspectiva cartesiana, pois com Descartes, o pensamento ocidental sofre uma nova e decisiva viragem. A verdade para Descartes, é mais do que mera adequação entre aquele que conhece e o que é conhecido, é a cer-

(s) PL-BH 35. («) Ibid. 42. (") 1’oggclcr, pp. 38-45; Ho 338-39.

148

teza racional que o sujeito tem desta adequação. Tal facto, tiu/ como conseqüência o facto de o sujeito humano ser considerado como o último ponto de referência no que se refere ao estatuto dc tudo aquilo que é visto. Isto significa que cada ser apenas o 6 cm termos da polaridade sujeito-objecto entre a consciência e os objei tos da consciência. Aquilo que é conhecido não é visto, em última instância, como uma entidade ontologicamente independente que se apresenta tal qual «é», revelando-se-nos e manifestando-se-nos no poder que tem de existir; aquilo que é conhecido antes é encarado como objecto, como algo que o sujeito consciente apresenta a si próprio. Porque o estatuto do mundo se fundamenta na subjectivi­ dade humana passa a centrar-se no sujeito, e a filosofia passa a centrar-se na consciência. A este síndroma chama Heidegger o «subjectismo» moderno (Subjektitãt) ('). Subjectismo é um termo mais lato do que subjectividade pois significa que o mundo é considerado como sendo essencialmente medido pelo homem. Nesta perspectiva o mundo tem sentido ape­ nas relativamente ao homem, cuja tarefa é dominar o mundo. São muitas as conseqüências do subjectismo. Em primeiro lugar as ciên­ cias ganham relevo pois servem a vontade de domínio presente no homem. Contudo, dado que no subjectismo o homem não reconhece qualquer meta ou sentido que não estejam fundamentados na sua própria certeza racional, fica fechado no círculo do próprio mundo em que se projecta. Os objectos de arte são vistos como «objectificações» da subjectividade, ou como «expressões» da experiência humana. Uma cultura só pode ser a objectificação colectiva daquilo que os sujeitos humanos valorizam, uma projecção da actividade sem fundamento do homem. Nem a actividade cultural nem a actividade individual humanas podem neste contexto ser encaradas como resposta à actividade de Deus (ou do Ser), dado que tudo tem fundamento no homem. Em última instância, mesmo Deus é redefinido como «o infinito, incondicionado e absoluto» e o mundo é dessacralizado; a relação do homem com Deus é vista como sendo meramente a sua «experiência religiosa» particular. Enquanto a

(') Subjectismo distingue-se de subjectivismo pois constitui quer a objecti­ vidade do objecto quer a subjectividade do sujeito. A subjectividade implica necessariamente que o ego humano seja o sujeito que se apresenta e esta subjec­ tividade é a forma que toma o subjectismo em Descartes. Mas Heidegger vê o subjectismo como residindo em toda a posição filosófica que toma o fenômeno humano como o seu último ponto de referência, seja ele o colectivismo, o absolutismo ou o individualismo, O subjectismo está latente na interpretação pla­ tônica do ser, dado que uma ideia é algo visto por alguém. Mas com Descartes a situação explicita-se — o homem não é aquele que recebe emanações do ser que lhe é anterior (i. e., o homem já não é uma criatura); ele 6 antes um ser criador, o fundamento de um mundo que ele próprio forma e projecta. Ver TPhT 320-30.

149

antiga concepção da fruitio Dei purificava Deus colocando-o fora do fluxo da vivência quotidiana, o subjectismo faz de Deus uma projecção do homem, considerando a relação com Ele como sendo um sentimento humano de dependência OAs modernas «filosofias dos valores» não são mais do que con­ seqüências da metafísica do subjectismo. Os valores são conceitos substitutivos que pretendem completar «coisas» (agora que o seu valor se fundamenta subjectivamente) com o sentido que perderam ao colocarem-se no contexto do subjectismo. Perdeu-se o sentido da sacralidade das coisas, com ou sem o homem; o estatuto das coisas reduziu:se à utilidade que têm para o homem. Quando o homem «atribui» valor aos objectos, filosoficamente falando há apenas uma pequena distância relativamente à visão dos próprios valores en­ quanto objectos. Um valor é então algo que se coloca sobre os objectos no mundo, como se fosse uma camada de tinta. A ciência e o humanismo transformam-se em divisa, numa idade em que o homem é verdadeiramente o centro e a medida de todas as coisas. Como definir o pensamento num contexto deste tipo? Nova­ mente em termos apresentacionais que remontam a Platão. Como conceber a verdade? Em termos de correcção, de certeza de que o juízo sobre algo corresponde ao modo como o objecto se nos apre­ senta. Esta apresentação não pode ser realmente uma auto-revelação de algo, pois é captada pelo sujeito nesse acto de poder exces­ sivo que é a objectificação. Por conseqüência, diz-nos Heidegger, os grandes sistemas metafísicos tornam-se expressões da vontade, quer formulados em term os de razão (Kant), liberdade (Fichte), am or (Schelling) quer em termos de vontade de poder (Nietzsche) (*). A vontade de poder que se fundam enta no subjectismo não conhece qualquer valor absoluto, apenas tem sede de um poder cada vez maior. Nos tempos que correm, expressa-se num desejo frenético de domínio tecnológico. No entanto, o impacte do pen­ samento tecnológico é mais subtil e universal, pois temos vindo gradualmente a considerar o próprio pensamento em termos de domínio. O pensamento torna-se tecnológico, molda-se às exigên­ cias de conceitos e de ideias que perm itirão um controle sobre os objectos e sobre a experiência. Pensar já não é uma questão de resposta directa ao mundo, antes se coloca como tentativa incons­ ciente para o dominar; o pensamento não se mantém nem actua como protector dos ricos da terra, antes esgota o mundo ao tentar recstruturá-lo de acordo com as finalidades do homem. Um rio, por exemplo, deixa de ter valor intrínseco e o homem orienta o seu curso para satisfazer os seus objectivos, construindo grandes bar-

C7) Ho 70. (•) VA 114-122; TPhT 381.

150

rager.s e descarregando nele resíduos venenosos. Os deuses 1'unirum e a terra está a ser implacavelmente consumida. É assim que se gundo Heidegger se dá o desenlace melancólico do desenvolvimento do pensamento desde Platão, passando por Descartes e Nietzsche até aos nossos dias. A hermenêutica como teoria da compreensão e da interpretado é directamente afectada por essas considerações, pois quando o pro­ blema interpretativo é abordado no interior do contexto do pensa­ mento tecnológico, a interpretação fornece meios para um domínio conceptual do objecto. Quando o pensamento é definido como mani­ pulação de ideias e de conceitos, deixa de ser criativo passando a ser manipulatório e inventivo. Quando o subjectismo se coloca na base da situação interpretativa, o que é ser interpretado senão uma objectificação? O conceito de verdade como adequação enquadra-se Icgicameníe nestas abordagens, e a verdade torna-se mera «correcção». Portanto, para a teoria da interpretação, é muito diferente con­ ceber o pensamento em termos estritamente ideacionais pois assim interpretação não lida com uma matéria desconhecida que tem que ser clarificada mas sim com a clarificação e a avaliação de dados já conhecidos. A sua tarefa não é uma primeira «revelação» da coisa mas sim chegar à interpretação correcta, entre as várias pos­ síveis. Tais pressupostos tendem a manter-nos sempre na claridade daquilo que já é conhecido, em vez de construir uma ponte entre luz e escuridão. A linguagem passa a ser concebida como um sistema de signos aplicados a um conjunto de objectos já conhecidos. Ora para Heidegger, todo este conjunto de definições — de lin­ guagem, de verdade, de pensamento — e os conceitos de com­ preensão e de interpretação que sobre ele se constrói, representam uma tematização da doutrina platônica da verdade. Desde Platão que o pensamento ocidental e especialmente a metafísica, repre­ sentam o «texto» desta tematização. Heidegger considerou que a sua tarefa hermenêutica seria interpretar esse texto, procurando ver o que estaria por trás dele. Em Kant, Hegel e Nietzsche, Heidegger encontra aspectos da antiga abordagem que os Gregos fizeram à ver­ dade como desocultação. As pretensões dos Gregos são defendidas sucintamente tornando-se depois obscuras e perdendo-se. Portanto, desde o início que Heidegger definiu a sua tarefa filosófica em termos essencialmente hermenêuticos. Neste contexto a hermenêu­ tica não significa simplesmente uma interpretação em termos de correcção e de concordância; a hermenêutica continua com as suas teses tradicionais mais fundas ao querer descobrir um significado cscondido, ao querer esclarecer o que é desconhecido: a revelação é desocultação. Assim, quando Heidegger «interpreta» K ant não se limita a dizer o que o autor pretendeu pois proceder desse modo xeria parar no ponto exacto em que deve começar a verdadeira 1S1

interpretação. Heidegger antes se interroga sobre o que o texto não disse, perguntando porque é que K ant fez certas revisões entre a primeira e a segunda edição da Crítica da Razão Pura. Vai para além do texto, interrogando-se sobre o que é que o autor não disse e não podia dizer e que no entanto aparece no texto como sendo a sua mais íntima dinâmica (*)• O texto final, acabado, não é o único objecto de interpretação. Preocupam-no sim, a violência e a luta que actuaram na criação do texto. Isto traz à hermenêutica, duas conseqüências já tradicionalmente familiares: 1) violentar o texto e 2) compreender melhor o autor do que ele se compreendeu a si próprio. Quando a verdade é con­ cebida como algo que simultaneamente emerge e de novo se esconde, quando o acto hermenêutico coloca o intérprete na fronteira de um vazio criativo a partir do qual a obra emergiu, então a interpretação tem que ser criativamente aberta ao que ainda não foi dito. Porque «o nada» é o pano de fundo criativo de toda a criação positiva; contudo, esse nada só é significativo no contexto do ser, na sua positividade. Quando a obra de arte é considerada, não como uma objectificação da subjectividade humana mas como uma revelação do ser, ou como uma janela para um domínio sagrado, então o encontro que com ela temos é como que receber uma dádiva, não mais é o acto de um sujeito que capta a sua subjectividade. A interpretação de uma grande obra não é pois um exercício arqueológico nem a tentativa, comum ao humanismo, de tomar os Gregos como modelo de vida. É antes uma repetição e uma recupe­ ração do facto original da desocultação. Tenta penetrar nas cama­ das acumuladas de interpretação errônea (Heidegger adora «polir» palavras até que o seu esplendor original volte a brilhar) e ocupar um lugar no centro daquilo que é dito e daquilo que não é dito. Contudo, não é um simples regresso ao passado mas sim um novo facto de desocultação; tentar ressuscitar K ant tal como ele era, seria uma restauração idiota. Assim, toda a interpretação tem que violentar as formulações explicitadas no texto (10). A recusa em ultrapassar uma mera explicitação do texto é realmente uma forma de idolatria bem como de ingenuidade histórica. Será que podemos compreender o autor melhor do que ele se compreendeu a si próprio? Não, porque o autor estava no pleno domínio das considerações que animaram a sua composição; não compreendemos melhor o autor; compreendêmo-lo de um modo diferente. Em Uriterwegs zur Sprache na célebre conversa com um japonês, Heidegger explica que o seu objectivo é «pensar o pensa­ mento grego de um modo profundamente grego» (“ )• Perguntam-lhe (“) KPM 181; na tradução inglesa., 206. (">) KPM 181-83; trad. inglesa 206-8. (") US 134. 152

se isto significa compreender os Gregos melhor do que c l c x so iom preenderam a si próprios. Não, não é tanto isso como também rctn m ar àquilo que foi pensado. Heidegger quer penetrar no pano do fundo do pensamento grego, tal como ele surgiu: no vazio criativo e no não ser que estão por detrás da sua emergência positiva podr estar a chave para um outro tipo de pensamento, para uma oulru captação do ser, da verdade e da linguagem. Enquanto isto não ,sc der, as coisas serão meros objectos e o mundo será um brinquedo do homem. Não precisamos de avançar no desenvolvimento do pensamento apresentacional; precisamos sim de recuar, partindo de um tipo de pensamento meramente ideacional, i. e., explicativo, rumo a um pensamento meditativo (andenkende) (12).

A caminho do pensamento É vulgar dizer que Heidegger formulou uma crítica devastadora à metafísica ocidental ou que colocou de novo a questão ontológica; contudo também seria correcto dizer-se que os seus últimos escritos se relacionam virtualmente com o processo hermenêutico pelo qual o homem, no pensamento «essencial» ou noutros tipos de pensa­ mento, constrói a fronteira entre o ser e o não ser. A questão cru­ cial relativamente ao ser não é apenas a da natureza do ser mas sim a de como pensar o ser, a de como é que o ser aparece; dá-se muita importância, por exemplo, à situação do homem neste evento herm enêu^co em que o ser se coloca ou se torna «compreendido» de um certo modo. T entar traçar o tema do «pensamento» seria um esforço complexo e multifacetado, um esforço que já foi feliz­ mente realizado em inglês, pelo Padre W. J. Richardson ("). Basta aqui realçar o carácter geralmente hermenêutico de um tal tema, e tocar apenas em alguns dos seus aspectos que tenham um signi­ ficado especial para a hermenêutica. É significativo que no diálogo com um japonês e precisamente no ponto a que acima nos referimos, Heidegger defenda que o ho­ mem se coloca num a «relação hermenêutica» (ein hermeneutischen Bezug) em que ele é o mensageiro, aquele que enuncia o ser (“ ). O homem é o ser que constrói a ponte entre o ser que se' esconde e o que se revela, noutras palavras, entre o não ser e o ser. O homem, ao falar, interpreta o ser. O pensamento verdadeiro é definido por Heidegger não como manipulação daquilo que já foi revelado, mas como revelação do que estava escondido. Contudo, no texto dito

(13) VA 180. (” )

Ib id .

(“ ) US 125-27, 135-36.

153

por um grande pensador ou por um grande poeta, muito fica ainda oculto e por dizer; portanto, um diálogo pensante com o texto acarretará uma nova desocultação. Isto torna-se hermenêutica no seu sentido mais tradicional (e os escritos de Heidegger contêm mui­ tos destes diálogos). Contudo, este acto secundário de interpretação tem que recuar continuam ente para uma repetição amorosa da desocultação original, tem que se m anter na fronteira entre aquilo que se esconde e o que é revelado. Como se processa um diálogo criativo com o texto? Nos últimos escritos, ao longo dos anos quarenta e cinqüenta, tais como por exemplo Gelassenheit (15), «Carta sobre o Humanismo» e «A que se chama pensar»?, a posição do homem é uma espécie de passividade devota que se abrirá totalmente à luz do ser. Contudo, em «Intro­ dução à Metafísica», anterior a estas obras, há uma discussão signi­ ficativa do ponto de vista hermenêutico, sobre a natureza da inter­ rogação quando procura ser criativa, uma discussão que unifica uma série de aspectos relevantes do pensamento do último Hei­ degger. A «Introdução à Metafísica» começa com uma pergunta. Para Heidegger, perguntar não precisa de ser uma mera investigação, podendo ser um meio de revelação. A pergunta inicial do ensaio — «Porque há o ser e não o nada?» leva a uma segunda questão que se dirige àquele que interroga: «Como se coloca o ser»? Aquele que pergunta vê-se imediatamente transportado para um ponto de vista diferente daquele que a questão inicial colocara pois a questão é de modo a voltar-se para quem pergunta. No processo de colocação de uma questão deste tipo, diz-nos Heidegger, «parece que perten­ cemos inteiramente a nós próprios. Contudo é este perguntar que nos abre caminho desde que, ao interrogar, se transforme (o que faz toda a verdadeira interrogação) e estabeleça um novo espaço sobre todas as coisas e em todas as coisas» (” ). Interrogar é pois algo com que o homem se defronta obrigando o ser a mostrar-se. Une a diferença ontológica entre o ser e o ser dos seres. A interrogação que se mantém simplesmente ao nível do ser dos seres e não faz qualquer tentativa de se dirigir para o fun­ damento (negativo) de um tal ser não é uma interrogação verdadeira mas antes manipulação, cálculo, explicação. É típico de Heidegger afirm ar: «Há muito que existe em nós uma paralisia de toda a paixão dc in terro g ar... A interrogação como elemento fundamental da existência histórica, desapareceu (n ). A essência da mundancidade do homem é precisamente o pro­ cesso hermenêutico dc interrogar, um tipo de interrogação que na (*•) Trad. como DT. ('*) IM 29-30. (") Ibid., 143.

154

sua verdadeira forma alcança o ser que não se manifestou c que o faz revelar-se numa ocorrência concreta, histórica. Através dit interrogação, o ser torna-se então história. A inter-relaçüo cntrc o ser, a história e a personalidade torna-se clara na seguinte passagem de Introdução à Metafísica: 1 — A determinação da essência do homem nunca é uma res­ posta mas essencialmente uma pergunta. 2 — O colocar desta pergunta é histórico, no sentido essencial de que este interrogar cria primeiro a história. 4 — Só há história quando o ser se revela na interrogação e com a história surge o ser do homem. 6 — O homem só se torna ele próprio enquanto ser interrogante e histórico; só deste modo ele é um «eu». A personalidade humana tem este significado: o homem tem que transform ar o ser que se lhe revela na história e tem que se colocar na história. Nos últimos escritos dá-se relevo não tanto à interrogação feita pelo homem como à necessidade de uma abertura atenta relativa­ mente ao ser. O ser ainda ê histórico, mas a sua ocorrência é uma dádiva que parte do ser, mais do que produto de uma inquirição c capíação feitas pelo homem (**). Contudo, devemo-nos precaver, não vendo aqui qualquer tran­ sição radical ou qualquer viragem, pois Heidegger não está a con­ tradizer-se; antes completa a sua posição anterior; nos últimos tra­ balhos tenta dar ênfase a uma posição não centrada no sujeito, e por essa razão a imagem afasta-se de uma visão do homem «lutando» inquisitivamente com o ser, para uma visão do homem como «pastor do ser». Contudo, mesmo enquanto pastor do ser, a tutela do ho­ mem é referida em termos de «pensar» e «poetizar»; ambas são acções por parte do homem, se bem que respondendo ao ser, e ambas mantém o seu caracter histórico. Na «Carta sobre o Hum a­ nismo» Heidegger afirma: «Na medida em que o pensamento, enquanto historicamente ponderável, atende ao destino do ser, já se ligou àquilo que é fatal, que se mede pelo destino ... O carácter fatal (Geschichlichkeit) do dizer do ser enquanto dádiva da verdade — nisto e não em regras lógicas, consiste a primeira lei do pensamento ... O ser é como que a ocorrência fatal (Geschick) do pensamento. Este evento é em si mesmo histórico. A sua história já se tornou linguagem no acto de dizer, realizado por aquele que pensa.» (l>) Como pastor do ser, o homem perde o carácter prometeico sugerido em Sófocles, na «Ode ao homem» (antígona) (” ) sobre a (>•) Ibid. (") PL-BH 118. (M) IM 146-165.

155

qual Heidegger se debruça na «Introdução à Metafísica»; em Gelasser.heit Heidegger diz mesmo que «não deveríamos fazer nada, apenas deveríamos esperar» (” )• Em «O que se cham a pensar» o pensamento é descrito como um a resposta ao chamam ento e às imposições do ser. É algo que vem do mais íntimo do homem, no qual «tudo o que fica para ser pensado é ocultado e escondido» (” ). A palavra chave não é per­ guntar mas sim responder. E no entanto o homem ainda é o ser que, na resposta, chega à negatividade do ser, ao seu carácter não revelado, misterioso. A discussão da interrogação conduziu a alguns dos temas mais importantes do último Heidegger: a historicidade, a diferença onto­ lógica, a poesia e o pensamento, a atitude de receptividade neces­ sária que nos permite orientar para o «Aberto», que possibilita a interpelação. Tudo isto sugere uma postura hermenêutica radical­ mente diferente da atitude objectiva que é conseqüência de um a consideração da interpretação como acto conceptual primitivo, como uma espécie de análise.

A linguagem e a fala Na passagem da «Carta sobre o Humanismo» acima citada, a referência ao «acto de dizer efectuado por aquele que pensa» sugere um outro tema im portante nos últimos escritos de Heidegger: a linguisticidade do ser. O interesse de Heidegger pela linguagem data do começo da sua carreira, com a sua dissertação: «A doutrina do juízo no psicologismo: uma contribuição crítica e positiva para a lógica» (” ) e com a sua dissertação sobre a doutrina de Duns Escoto sobre as categorias e o significado. Nela defendia a necessidade de colocar os fundamentos teóricos da linguagem (” )• Heidegger fala deste primeiro período no seu recente «Diálogo com um Japonês». Significativamente, as observações que faz ligam-se ao porquê da sua escolha em usar a palavra «hermenêutica» em «Ser e Tempo»; Conhecia o term o «hermenêutica» dos meus estudos teológicos. Nessa altura interessava-me especialmente a questão da relação entre a palavra bíblica e o pensamento teológico especulativo. Era, se quiserem, a mesma relação — nomeadamente a relação entre lin­ guagem e ser, para mim então escondida e inacessível — que eu cm vão procurava encontrar, uma chave que levasse aos caminhos mais fundos, que levasse aos desvios (” ). (’■) (” ) (” ) (“ ) (>•)

G 37; DT 62. VA 139; ver TPhT 599-601. TPhT 675. 1'òggcler, p. 269. US 96.

156

A linguagem colocou-se num novo contexto quando da anrtllir, em Ser e Tem po, da mundancidade do Dasein, feita em termo* de situação, compreensão e interpretação. Era a articulação du com preensão existencial. De tal modo estava ligada à compreensão c i\ inteligibilidade que o pensamento lógico e toda a manipulação con ceptual dos objectos no mundo se tornaram secundários e derivados, comparados com a linguagem no contexto vivo da articulação essencial da compreensão (” ). Logo em Ser e Tempo o campo da lógica e das asserções integra a categoria do pensamento apresen­ tacional, enquanto que a linguagem na sua verdadeira essência, como articulação essencial da compreensão situacional, histórica, 6 algo que pertence ao modo de ser do homem. Deste ponto de vista, Heidegger podia criticar as teorias que encaravam a linguagem como um mero instrum ento de comunicação C7). O tema da linguagem tem importância em «Introdução à Meta­ física». Dedicado à questão «O que é o ser?», o ensaio remete para um fragmento de Parménides no qual Heidegger encontra a asserção de que o ser é idêntico àquilo pelo qual ocorre a apreensão. Isto significa que «apenas há ser quando há uma aparição, uma desocul­ tação, quando há revelação» (” ). Tal como não pode haver ocor­ rência de ser sem apreensão nem apreensão sem ser, também não pode haver ser sem linguagem, nem pode haver linguagem sem ser. Suponnamos que o hom em . não tinha qualquer conhecimento prévio do ser, que desconhecia todo e qualquer sentido indetermi­ nado do ser. Heidegger interroga-se: «Haveria apenas um substan­ tivo e um verbo a menos na nossa linguagem? Não. Não haveria qualquer linguagem. Nenhum ser enquanto tal se revelaria por meio de palavras, não mais seria possível invocá-lo e falar dele com palavras; pois falar de um ser enquanto tal implica compreendê-lo previamente como sendo um ser, isto é, compreender o seu ser.» (” ) Por outro lado, «se a nossa essência não incluísse o poder da linguagem, todos os seres se nos fechariam»; nós próprios não somos menos que o ser que não somos (50). Sem a linguagem nunca pode­ ríamos imaginar o homem. Heidegger avança abruptamente com o tema: «Porque ser homem é falar.» (” ) Que ilusão, diz Heidegger, pensar que o homem inventou a linguagem! O homem não inventou a linguagem, tal como não inventou a compreensão, nem o tempo

(” ) Ver a discussão do carácter derivado das asserções no capítulo anterior. (*0 Relativamente a um novo tipo de lógica, ver Hans Lipps, llntersuchungen zu einer hermeneutischen Logik, e Kitarô Nishida, Intelligibility and the Philosophy of Nothingness. (” ) IM 139. (” ) Ibid., 82. («) Ibid. (” ) Ibid.

157

nem o ser ele mesmo. «Como poderia o homem ter alguma vez inventado o poder que o penetra, que só por si lhe permite ser homem?» (” ) Mesmo o acto poético de nomear é uma resposta que o homem dá ao ser dos seres. Em escritos posteriores a «Introdução à Metafísica», aumenta a ênfase dada ao homem considerado enquanto aquele que responde às interpelações ou chamamentos do ser. Por exemplo, na «Carta sobre o Humanismo», Heidegger sustenta que «a única ocupação do pensamento é trazer cada vez mais para uma forma faiada, a ocorrência do ser; um ser que permanece e que na sua permanência espera pelo homem» (” ). E é óbvio que o ser se revela na linguagem. A ocorrência do ser na linguagem é descrita em termos da palavra Geschick, fado ou destino. «A fatalidade do ser que se diz, tal como a fatalidade da verdade, é a primeira lei do pensamento.» (” ) O tema da história não é novo pois na «Introdução à Metafísica» Heidegger apresenta a linguagem como a dinâmica do ser do homem que lhe permite tornar-se histórico — que !he permite na realidade fundar a história. A apreensão e a fala foram apresentadas como actos espe­ cificamente históricos, em que o ser surge no iempo, acontece. A diferença é essencialmente uma diferença de ênfase: mais do que lutar com o ser, o homem abre-se ao ser, à interpelação do ser. Contudo, a interrogação não é posta de lado por Heidegger pois interrogar é precisamente pôr em causa as concepções apresentacionais. Títulos posteriores como «A que chamamos pensar?» ou o desejo expresso por Heidegger de colocar de um modo interroga­ tivo das Wesen e der Sprache (como das Wesen? e der Spraehe?) mostram isso. De facto, a interrogação mantém-se um método bá­ sico no seu pensamento. A mudança de ênfase é apenas um esforço para apontar de um modo mais forte a primazia do ser. Isto tem como implicações na linguagem, a inversão da orien­ tação habitual da fala; não se diz que o homem fala mas sim que a própria linguagem fala. Tal facto torna-se mais explícito numa colecção de ensaios sobre a linguagem Unterwegs zur Sprache. «A linguagem na sua essência, não é nem expressão nem actividade do homem. A linguagem fa!a.»(35) As palavras ecoam no silêncio e através delas colocam-se as realidades do nosso mundo e o conflito entre a terra e o mundo: «o som no silêncio não tem nada de humano. Pelo contrário, o humano é lingüístico na sua essên­ cia» (■’"). E o acto hum ano de dizer que é especificamente humano. Contudo o dizer é em si mesmo um acto pela linguagem. Aquilo (” ) Ibid., 156. («) PL-BH 118. (M) Ibid. Mudei um pouco a tradução da primeira versão dada na p. 151. (” ) US 19. («) Ibid., 30. 158

que pela linguagem se revela, não é algo de humano mas sim t> mundo, o próprio ser. Em Unterwegs zur Sprache Heidegger encontra na fala, espe­ cialmente no dizer (das Sagen), a própria essência da linguagem. Dizer é m ostrar (J7)- Assim, o silêncio pode por vezes dizer mais do que as palavras. Ao dizer pertence a capacidade de escuta, de modo que aquilo que tem que ser dito se possa mostrar; o dizer conserva aquilo que é cuvido (3‘). Nele, o ser mostra-se sob a forma de ocor­ rência. Colocando o tema em termos de expressão e de aparição: a iinguagem não é uma expressão do homem mas uma aparição do ser. O pensamento não exprime o homem, deixa que o ser aconteça como e\en to lingüístico (30). Neste deixar que aconteça está o destino do homem, e também o destino da verdade. Em última instância o destino do ser. A viragem de Heidegger para uma crescente ênfase da linguisticidade (Sprachlichkeii) do modo de ser do homem, e a sua afir­ mação de que o ser conduz e chama o homem, de modo que em última instância não é o homem que se mostra mas sim o ser, têm de facto uma importância incalculável para a teoria da compreensão. Faz com que a própria essência da linguagem consista na função hermenêutica de obrigar uma coisa a mostrar-se. Significa que a disciplina da interpretação se transforma numa tentativa de aban­ donar decisivamente uma mera análise e explicação, enveredando pela realização de um diálogo pensante com o que aparece no texto. Compreender torna-se uma questão não só de interrogar que pretende ser aberto e não dogmático, mas também de aprender a esperar e a encontrar um lugar (Ort) a partir do qual o ser do texto se revele. A interpretação transforma-se numa ajuda para o evento lingüístico. Este terá que ocorrer pois acentua-se a função herme­ nêutica do próprio texto, como sendo o lugar onde o ser se revela. A linguagem é em si mesma hermenêutica, é hermenêutica no seu mais alto grau na poesia, pois como Heidegger diz em Sobre a essência da Poesia o poeta é o mensageiro, o hermeneuta, dos deuses para o homem. Heidegger identificou a essência do ser, do pensamento, do homem, da poesia e da filosofia com a função hermenêutica do dizer. Não vamos aqui discutir se essa posição é ou não sustentável. Um facto é que a sua própria filosofia se torna essencialmente her­

(") Ibid., 258. (” ) Ibid., 255. (39) Assim o termo Sprachereignis (evento lingüístico) como Leitworl da Nova Hermenêutica de Ernst Fuchs. Ver Das Sprachereignis in der Verkiindigung lesu in der Theologie des Paulus und im Oslergeschehen, HPT 281-305; e The Essence oj the Language Event in Christoiogy, Studies of the Hiltorlcul Jesus, pp. 213-28.

159

menêutica e que os temas centrais se integram na área da herme­ nêutica. É claro que ele mudou todo o contexto da hermenêutica, abandonando a antiga concepção desta como disciplina filológica de interpretação de textos. O esquema sujeito-objecto, a objectivi­ dade, as normas de validação, o texto como expressão de vida — nada disto consta na abordagem de Heidegger. A hermenêutica é definida como lidando com o momento em que o sentido se revela, concepção que Ricoeur considera uma compreensão «demasiado geral» pois não inclui necessariamente o acto de interpretação de um texto. Esta definição trouxe uma m udança radical à topografia da hermenêutica. E o próprio acto de interpretação redifiniu-se, colocando-se num a perspectiva ontológica.

A explicação e a topologia do ser Será imprudente e talvez pouco justo, tom ar as explicações de Heidegger como paradigmáticas de uma teoria da exegese poética em geral, pois o uso que o filósofo delas faz circunscreve-se ao con­ texto da sua investigação sobre a natureza do ser e sobre a natureza da linguagem. N um a nota introdutória em «Sobre a Essência da Poe­ sia», Heidegger nega particularm ente que elas possam constituir um contributo para um a investigação em história da literatura ou em estética (,0)- Contudo a título de exemplo, podemos aqui mencionar duas passagens em que Heidegger se volta para a questão da expli­ cação, uma em Introdução à Metafísica, um a das suas primeiras obras, e outra em Unterwegs zur Sprache. N a última parte de Introdução à Metafísica Heidegger explica a «Ode sobre o Ho­ mem», coral da Antígona de Sófocles, num a tentativa de definir mais claramente a primitiva concepção grega do homem nela expressa. Diz-nos então: «A nossa interpretação comporta três fases, em cada um a das quais consideraremos o poema de um ponto de vista diferente. Na primeira fase, colocaremos o significado intrínseco do poema, aquele que sustenta o edifício das palavras, situando-se acima deste. Na segunda fase atravessamos toda a seqüência de estrofes e antiestrofes e delimitamos a área que o poema abriu. Na terceira fase, tentamo-nos situar no centro do poema, jul­ gando o que é o homem de acordo com este discurso poético.» (41) É evidente que Heidegger não envereda por uma abordagem dc tipo formal, pois esta seria incompatível com as intenções e problemas por ele levantados. É interessante notar que o procedi­

(«) EHD; EB 232. («) IM 148. 160

mento que aqui demonstra, antecipa uma posterior ubordutioin «topológica» em que a explicação tenta colocar o lugar (topos) u partir do qual o poema fala, a localização de uma justificação no interior do ser, que a passagem ilumina. Assim, a primeira fase nfto começa serialmente mas sim com a tentativa de encontrar um sen tido que sustente todo o edifício das palavras e que se situe acima dele. Aquilo que se diz situa-se no interior de um significado que não é totalmente explícito, o significado que está sob e sobre o texto. Este significado circundante, esta Gestalt que é mais do que a soma das partes, é o princípio que governa o poema, clarificando as suas partes individuais. É a verdade do poema, o ser que se des­ venda — poderíamos dizer que é a alma do poema. Só a essa luz é que Heidegger empreende a segunda fase, que é a passagem da estrofe para a antiestrofe e, através do poema, um recuo até «à delimitação da área que o poema abriu». «Na terceira fase tentamo-nos situar no centro do poema» — isto é, na fronteira determinante entre a ocultação e a revelação estabe­ lecida pelo acto criativo do poeta ao nomear o que é o homem, e ao repensar em profundidade o que foi nomeado. Isto significa, é claro, que se vá mais longe do que o poema, que se enverede por aquilo que não foi dito: «Se nos contentarm os com o que o poema diz directamente, a interpretação acaba (com a segunda fase). Na verdade apenas come­ çou. A interpretação real tem que m ostrar o que não está nas pala­ vras mas que no entanto é dito. Para que isto se dé o exegeta tem que usar de violência. Tem que procurar o essencial onde a inter­ pretação científica já nada mais encontra, essa interpretação que estigmatiza como não científico tudo aquilo que transcende os seus limites.» (“ ) O processo hermenêutico no que tem de essencial, não surge na explicação científica daquilo que já está formulado no texto; antes é o processo do pensamento originário, pelo qual o significado desvenda o que não era explicitamente presente. Em Unterwegs zur Sprache, um ensaio intitulado Die Sprache im Gedicht prefacia a discussão sobre a poesia de Trakl, com algu­ mas considerações gerais sobre a explicação poética. Heidegger toma como ponto de partida a discussão da palavra alemão «discussão»: Eròrterung. Primitivamente, o título do ensaio fora: Georg Trakl: Eine Eròrterung seines Gedichtes e Heidegger procurou definir o seu próprio ensaio não como histórico, biográfico, sociológico ou psicológico, mas como um a consideração do «lugar» (Ort) a partir do qual Trakl fez poesia, o lugar que se clarifica com a sua poesia. Pois todo o grande poeta fala a partir de um único «poema» cir­

(« ) Ibid., 162.

161

cundante, que nunca é dito; a tarefa de um diálogo pensante com o poeta terá que ser encontrar o lugar no ser que seja o funda­ mento do poema: «Só a partir do lugar que ocupa o poema (não dito) é que o poema individual brilha e ecoa.»(“ ) Heidegger sustenta que um diálogo intelectual com um poema pode «perturbar aquilo que o poema diz, em vez de o deixar dizer tranquilamente ... uma discussão do poema nunca poderá substi­ tuir-se a uma verdadeira audição de poemas, nunca poderá tom ar a liderança. Uma discussão intelectual pode, quanto muito, probleinatizar uma audição, ou, num caso favorável, tornar uma audi­ ção m?is significativa» (“ ). Terá Heidegger aqui abandonado a primitiva controvérsia sobre a violentação do texto? Temos que ir mais longe, procurar o que é mais fundo do que uma aparente mudança. À primeira vista poderia parecer que Heidegger quer deixar falâr o texto, com a sua própria verdade, com a sua própria voz. A solução de «fazer violência ao texto» é essencialmente uma réplica aos críticos que queriam restringir a interpretação àquilo que no texto é inexplícito. R eafirm a a necessidade de finalmente transcender o texto e de recolocar a questão com que o texto lida. Mais ainda, o processo de Eròrterung em cada um dos seus degraus, parece ir para além do texto, parece ír às raízes de cada palavra, pela repetição contínua de um verso ou versos, fazendo-se a explicação ouvir cada vez mais a partir do próprio verso. Essas repetições evidenciam que a funçãq da explicação é deixar falar o poema e não querer dizer mais do que ele diz. A própria ideia de iluminar o «lugar» do poema é uma tentativa de «construir a cena» do poema e não de tomar o seu lugar em cena. Tal como na Nova Crítica, o próprio poema é preponderante e não constitui um background biográfico. O background de um poema não é a vida do autor mas sim o tem a do poema. A Nova Crítica e Hei­ degger estariam de acordo sobre a autonom ia ontológica do poema e sobre a heresia da paráfrase; a diferença está em que a Nova Crítica tem dificuldade em defender a verdade do poema no con­ texto dos seus pressupostos. Nela, o texto transforma-se facilmente num objecto de explicação, num exercício conceptual lidando ape­ nas com o «dado», aceitando as restrições da objectividade cien­ tífica; o tipo de explicação que Heidegger dá é radicalmente dife­ rente de qualquer «análise» objectiva ao que é incontestavelmente dado. Mas para além de diferenças de estilo, a existência de afini­ dades essenciais sugere que a hermenêutica de Heidegger poderia dar à Nova Crítica bases para uma revitalização.

( específico, dentro do nosso campo de experiência, a maior pmlo das vezes como algo que pode servir de meio de rcalizaçdo nos nossos objectivos. A outra pessoa é vista como um objecto do nosso campo de experiência, e o Tu é compreendido em termos universais. Inerente a esta abordagem do Tu está a teleologia de todo o pen­ samento indutivo. Ora se aplicarmos este modelo à relação herme nêutica com a tradição, facilmente caimos nos «métodos» e na «objectividade». A tradição torna-se então um objecto separado de nós, balouçando-se livremente sem que a nossa presença a afecte. Facilmente nos decepcionamos ao pensarmos que, se puder­ mos eliminar todos os momentos subjectivos que se relacionam com esta tradição, podemos ter algum conhecimento do que ela contém. Uma «objectividade» destas, orientada para o método, domina muitas vezes nas ciências naturais e também nas ciências sociais, excepto onde a fenomenologia se faz sentir (*'). Mas não pode servir as disciplinas centradas na experiência humana, não pode constituir o fundamento de uma consciência na qual a his­ tória actua ('*). Uma segunda m aneira de experim entar e compreender o Tu, encara-o como uma pessoa, mas Gadam er mostra que esta relação «pessoal» pode ainda manter-se prisioneira do Eu, sendo de facto uma relação entre o Eu e um Tu reflexivamente constituído. «Esta relação Eu-Tu não é uma relação imediata mas sim reflectida ... Assim, há sempre a possibilidade de que cada parceiro da relação possa vencer a actividade reflexiva do outro. Conhece as pretensões do outro através da sua própria reflexão e assim com­ preende melhor o outro do que ele próprio se compreende. Mas é precisamente esta reflexividade que esvazia a relação de imediatez que um deles reclama.» (") Herm eneuticam ente falando, este segundo tipo de relação carac­ teriza a consciência histórica contra a qual se dirige a crítica de Gadamer. Esta atenção histórica conhece a alteridade do outro, não num a relação com o universal, que caracterizara a primeira relação Eu-Tu, mas antes no que ela tem de particular. A alte­ ridade do outro e o passado do passado apenas são conhecidos do mesmo modo que o Eu conhece o Tu — através da reflexão. Ao pretender reconhecer o outro em todo o seu condicionalismo, ao pretender ser objectivo, aquele que conhece pretende realmente dominar. Mas é apenas esse tipo de domínio subtil através da com­ preensão, que utiliza a compreensão para verificar que a história (,s) Ver Stephan Strasser, Phenomenology and the Human Sciences, o Severyn Bruyn, The Human Perspective in Sociology. («) WM, 341. (” ) Ibid.

195

é «exterior», que é como um Tu reflexivamente constituído; objectifica-a e destrói realmente a pretensão que tem de ser verdadeira­ m ente significativa (” ). O terceiro tipo de relação Eu-Tu caracteriza-se por uma autên­ tica abertura ao Tu. É a relação que não projecta o significado a partir do eu mas que tem um a autêntica abertura que «permite» que algo seja dito: «Aquele que permite que algo lhe seja dito abre-se, de um modo essencial.» (” ) Uma relação deste tipo está mais perto do que as duas primeiras daquilo que Buber tem em mente como sendo a verdadeira relação Eu-Tu. É o tipo de abertura que mais do que dominar pretende ouvir, que quer ser modificada pelo outro. É o fundam ento da consciência historicamente opera­ tiva, a wirkungsgeschichtlice Bewusstein. Esta consciência consiste num a relação com a história na qual o texto nunca pode ser total e objectivamente «outro», pois a com­ preensão não é o «reconhecimento» passivo da alteridade do pas­ sado, mas antes um colocarmo-nos de modo a que o outro nos reclame. Quando um texto histórico é lido como «meramente his­ tórico», o presente já se tornou dogma e já se colocou fora de questão. Por outro lado, uma consciência verdadeiramente histórica, não vê o presente como o ponto culminante da verdade; mantém-se aberto à exigência que a verdade da obra lhe pode fazer. «A cons­ ciência hermenêutica realiza-se totalmente, não numa autocerteza metódica mas sim na prontidão experiencial e na abertura que a pessoa ‘que teve essa experiência’ adquiriu, contrastando com aquele que é dogmático. Isto é o que caracteriza uma consciência historica­ mente operativa ...» ( ” ) A pessoa «que teve a experiência» não só não tem um conhecimento meramente objectificado «como tem uma experiência» não objectificável que a amadureceu e a fez aberta à tradição e ao passado. Como veremos no próximo capítulo, o conceito de experiência é muito importante para a compreensão da hermenêutica de Gadamer.

C>) Ibid., 341-43. (5J) Ibid., 343. (” ) Ibid., 344. 196

12

A H ERM EN ÊU TICA D IA LÉCTICA DE GADAM ER

A estrutura da experiência e da experiência hermenêutica G adam er começa a sua análise da experiência hermenêutica criticando o conceito dominante de experiência que ele considera demasiado orientado para um conhecer encarado como acto perceptivo e para um conhecimento visto como corpo de dados conceptuais. Por outras palavras, tendemos hoje para definir expe­ riência de um modo que se orienta totalm ente para o conhecimento científico descurando a historicidade intrínseca da experiência his­ tórica. Procedendo deste modo, realizamos inconscientemente o objectivo da ciência, que é «objectificar a experiência de modo a ela não conter qualquer elemento histórico» (l). Através de um procedimento rigorosamente metódico, a experiência científica retira o objecto da sua época histórica e reestrutura-o, adequando-o ao método. H á um objectivo análogo, diz Gadamer, na teologia e na filosofia, com o «método histórico» que nalguns aspectos reflecte o ímpeto que a ciência tem de tudo tornar objectivo e verificável OEnquanto este espírito predominar, só é real aquilo que é verifi­ cável; não há qualquer lugar para os aspectos não objectificáveis e históricos da experiência. Consequentemente, a própria definição de «experiência» exclui os dados dessas ciências. Contra o mito de um conhecimento puramente conceptual e verificável, Gadam er coloca o seu conceito histórico e dialéctico dc «experiência», cuidadosamente enunciado; neste, conhecer não é simplesmente um fluxo de percepções mas um acontecimento, um evento, um encontro. Embora Gadam er não partilhe dos prcs-

(l) WM, 329. P) Ibid. 197

supostos e das conclusões de Hegel, considera a avaliação que este faz da experiência como o ponto de partida da sua própria her­ menêutica dialéctica, e isto pode-nos fornecer um ponto de partida para a exposição que queremos fazer do conceito. A experiência, tal como Hegel a define, é um produto do encontro da consciência com um objecto. Gadam er cita Hegel do seguinte modo: «[Há] um movimento em que a consciencialização se efectua quer no saber quer no seu objecto; na medida em que, devido a isso, um novo objecto se gera, devemos portanto chamar-lhe ‘experiência’» (3). De acordo com Hegel, a experiência tem sempre a estrutura de uma inversão ou de uma reestruturação da consciencialização; é uma espécie de movimento dialéctico. Na base desta tendência para a inversão está um elemento de negatividade; a experiência é primeiro que tudo experiência de negação — uma coisa não è como a tínhamos pensado. O objecto da nossa experiência é visto a uma luz diferente, é alterado: e nós próprios mudamos quando conhecemos um objecto de um modo diferente. O novo objecto contém uma verdade sobre o velho; o velho «já serviu o tempo suficiente» (4). Mas para Hegel a expe­ riência é auto-objectificação da consciência, de modo que a expe­ riência é abordada do ponto de vista vantajoso do conhecimento que a transcende. Hegel defende assim um a fundamentação na consciência que segundo Gadam er seria ultrapassada pela objec­ tividade da experiência. A experiência, diz Gadamer, tem a sua realização dialéctica «não num conhecimento mas numa abertura à experiência, sendo ela própria liberta peia experiência» (5). É evidente que aqui expe­ riência não significa um tipo de conhecimento informativo sobre isto ou aquilo, que se foi conservando. Tal como o term o é usado por Gadamer, é menos técnico e está mais perto de um uso habi­ tual. Refere-se a uma acumulação de «compreensão» não objectificada e largamente não objectificável a que muitas vezes chamamos sabedoria. Por exemplo, um homem que passou toda a sua vida a lidar com pessoas adquire uma capacidade para as conhecer a que chamamos «experiência». Embora esta experiência não seja um conhecimento objectificável, entra no seu encontro interpreta­ tivo com as pessoas. Contudo, não é uma capacidade puramente pessoal; c um conhecimento do modo como as coisas são, um

(J) «Die dialektische sowohl an seinem Wissen neue wahre Gegenstand Erjahrung gennant wird» WM, 336. (*) WM, 337. 0 ) Ibid., 338.

Bewegung, welche das Bcwusstein an ihm selbst, ais an seinem Gcgenstand ausübt, insofern ihm der daraus entspringt, ist eingentlich dasjenige, was (Ho 115), no ensaio Hegels Begrijf der Erfahrung,

198

«conhecimento das pessoas» que na verdade não pode scr poftln em termos coneeptuais. A experiência muitas vezes lembra a dor do crescimento c umit nova compreensão. Tem que ser constantemente adquirida c nin­ guém pode livrar-nos dela. Gostariamos de poupar aos nossos filhos as «experiências desagradáveis» que tivemos, mas não podemos impedir que adquiram experiência, pois esta é algo que pertence à natureza histórica do homem. «A experiência», diz Gadamer, «é uma desilusão multifacetada, baseada na expectativa; só deste modo se adquire. O facto da experiência ser predominantemente dolorosa e desagradável não a tinge de negro; deixa-nos ver a sua natureza íntima.» (‘) A negatividade e a desilusão são parte inte­ grante da experiência, pois parece haver, no interior da natureza histórica do homem, um momento de negatividade que é revelado na natureza da experiência. «Toda a experiência merecedora desse nome. contraria a expectativa.» (7) Atendendo a estes factos, não nos surpreende que Gadamer se refira à tragédia grega e à fórmula de Esquilo paihei malhos — «aprender pelo sofrimento» (*). Esta fórmula não significa que adquiramos um tipo de conhecimento científico, nem mesmo um tipo de conhecimento que nos permita «saber melhor para a pró­ xima vez» quando deparamos com uma situação semelhante; antes quer dizer que, por meio do sofrimento, conhecemos as fronteiras da própria existência humana. Aprendemos a compreender a finitude do homem: «A experiência é experiência de finitude.» (”) A experiência, no seu significado mais íntimo, ensina-nos a conhecer que não somos senhores do tempo. O homem «experiente» é aquele que conhece os limites de toda a antecipação, à insegurança de todos os planos humanos. No entanto, tal facto não o torna rígido e dogmático, antes o abre a novas experiências. Dado que pela experiência alcançamos o futuro que esperamos e dado que a experiência passada nos ensina como todos os planos são incompletos, temos aqui nitidamente presente a estrutura da historicidade, que já salientámos na exposição anteriormente feita. «A verdadeira experiência», diz Gadamer, «é a experiência da nossa própria historicidade.» (*') Na experiência os poderes que o homem tem de actuar e os pianos racionais que faz encontram os seus limites. O homem, situando-se e agindo na história, ganha através da experiência uma intuição do futuro na qual a expectativa c os planos ainda se mantêm abertos. A maturidade na experiência.

(•)

Ib id .

C) Ibid. (■) Ibid., 339. (•) Ibid. (>•) Ibid., 340. 199

que nos coloca num a abertura adequada ao futuro e ao passado, constitui em si mesma a essência daquilo que Gadamer tem em mente quando fala de uma «consciência historicamente opera­ tiva» (“ ). Com estas observações em mente, podemos caracterizar a «experiência hermenêutica», que tem a ver com aquilo com que deparamos como herança. É esta herança que, no encontro herme­ nêutico, tem que ser experimentada. Enquanto que, de um modo geral, uma experiência é um acontecimento, a nossa herança «não é simplesmente um acontecimento que reconhecemos por meio da experiência e que passamos a controlar; é antes linguagem, isto é, fala de si própria, como um Tu». (“ ) A herança não é algo que possamos controlar, nem é um objecto que nos faça face. Chegamos à sua compreensão, mesmo quando nos situamos nela, como uma experiência intrinsecamente lingüística. Quando experimentamos o significado de um texto, chegamos à compreensão de uma herança que nos interpelou como algo que se situa face a nós, mas que faz no entanto simultaneamente parte desse fluxo não objectificável de experiências e de história, no qual nos situamos. O íexto com que deparamos como se fosse um Tu não deve ser encarado como uma «expressão da vida» (a concepção profes­ sada por Dilthey), diz-nos expressamente Gadamer. O texto tem um conteúdo significativo específico, independentemente de toda a relação com a pessoa que o diz. Nem os termos «Eu» e «Tu» nos deveriam levar a pensar em termos essencialmente interpessoais, pois o poder de dizer não reside na pessoa que diz mas naquilo que é dito. O que Gadamer pretende, ao relacionar com a herança a relação Eu-Tu, é que num texto a herança dirige-se ao leitor e interpela-o, não como algo com o qual ele nada tem em comum mas como algo com quem sustenta reciprocidade. Devemos deixar falar o texto, sendo o leitor aberto ao texto como um sujeito pleno de direito, mais do que como um objecto. É precisamente esta autêntica abertura que descrevemos em conexão com a estrutura Eu-Tu da consciência historicamente operativa. A estrutura Eu-Tu sugere uma relação de diálogo ou dialéctica. Há uma questão que se levanta ao texto, e, num sentido mais fundo, o texto levanta uma questão ao seu intérprete. De um modo geral a estrutura dialéctica da experiência e particularmente da experiência hermenêutica, reflecte-se na estrutura pergunta-resposta de todo o verdadeiro diálogo. N o entanto temos que ter cuidado ao conceber a dialéctica em termos interpessoais, mais do que em

(n ) Ibid. (1J) Ibid.

200

termos de sujeito-tema. O significado do sujeito-tema no diálogo, aparecerá na análise que seguidamente faremos da interroguçfio em hermenêutica.

A estrutura da interrogação em hermenêutica O carácter dialéctico da experiência reflecte-se no movimento e no encontro com a negatividade patentes em toda a interrogação verdadeira. Gadam er vai ao ponto de dizer que «em toda a expe­ riência se pressupõe a estrutura da interrogação. A compreensão de que uma temática é diferente do que tínhamos primeiramente pensado pressupõe o processo de passagem pela interrogação» (” ). A abertura da experiência tem a estrutura de uma questão: «Será deste ou daquele modo?» Já vimos que a experiência se completa na realização da nossa finitude e historicidade; assim, também na interrogação há um a parede última de negatividade, há sempre o conhecimento de que não sabemos. Isto sugere a famosa docta ignorantia socrática que revela a verdadeira negatividade subjacente a toda a interrogação. Uma interrogação genuína, diz Gadamer, significa «colocarmo-nos num espaço aberto» porque a resposta ainda não está deter­ minada. Por conseqüência, uma questão retórica não é uma ver­ dadeira questão, pois não há1um questionamento verdadeiro quando a coisa de que falamos nunca é verdadeiramente «posta em causa». Para estarmos aptos a interrogar temos que querer saber, e isso significa saber que não sabemos (“ )• Quando alguém sabe que não sabe e quando não defende, por meio de um método, que precisa de compreender mais profundamente aquilo que já compreende, então adquire essa estrutura de abertura que caracteriza o ques­ tionamento autêntico. Sócrates instituiu o modelo, com a sua troca lúdica de pergunta e resposta, sabendo e não sabendo, investigando a própria temática para uma abordagem verdadeiramente adequada à sua natureza. Contudo, o carácter aberto da interrogação não é absoluto, pois uma pergunta tem sempre uma certa orientação. O sentido da pergunta contém já de antemão a orientação em que se coloca a resposta a essa questão, se pretende ser significativa e adequada. Ao colocar-se a questão, aquilo que se pergunta é colocado a uma determinada luz. Isto «abre» o ser daquilo que é questionado. A lógica que revela este ser que se abriu já implica uma resposta, pois toda a resposta apenas tem sentido em termos da pergunta.

0 S) Ibid., 344. («) Ibid., 345. 201

A verdadeira interrogação pressupõe portanto abertura — i. e., a resposta ó desconhecida — e ao mesmo tempo especifica neces­ sariamente as fronteiras. Este fenômeno levanta o problema de procurarmos a questão exacta. O ponto de vista a partir do qual a questão se coloca pode ser errado. Neste caso não permite um verdadeiro conhecimento; assim «uma pergunta errada não pode ter resposta, não pode ter uma resposta verdadeira nem falsa mas apenas errada, pois a res­ posta não está na orientação em que a pergunta foi feita» (” )• Segundo Gadamer apenas há uma maneira de encontrar a questão adequada, que é penetrando no próprio tema. Um diálogo verda­ deiro é o contrário de um a discussão pois uma discussão acaba se dermos uma resposta aberta a uma questão: «Um diálogo não tenta derrotar a outra pessoa, antes testa as suas afirmações à luz do próprio tema.» (“ ) Um diálogo platônico sobre amor, ética, justiça ou qualquer outro tema orienta-se por caminhos imprevisíveis porque os parceiros são determinados pela sua imersão no tema que se discute. Para testar as afirmações do outro não devemos tentar enfraquecê-las, antes devemos procurar torná-las cada vez mais fortes, ou seja, encontrar no próprio tema a sua verdadeira força. Esta, diz Gadamer, é uma das razões que tornam os diálogos platônicos ainda hoje altamente significativos. Portanto, no diálogo hermenêutico, o tem a geral em que esta­ mos inseridos — tanto o intérprete como o texto — é a tradição, a herança. Um dos nossos parceiros no diálogo é o texto, na rigidez da sua form a escrita. Assim há uma necessidade de encontrar um caminho para o «dar e tirar» do diálogo: é esta a tarefa da herme­ nêutica. A formulação rígida tem que de certo modo colocar-se no movimento da conversação, um movimento em que o texto inter­ roga o intérprete e este o interroga. A tarefa da hermenêutica é «tirar o texto da alienação em que se encontra (enquanto forma rígida, escrita), recolocando-o no presente vivo do diálogo, cuja primeira realização é a pergunta e a resposta» (” ). Quando um texto transm itido se transform a em objecto de interpretação, coloca um a questão ao intérprete, questão a que pretende responder através da interpretação. A verdadeira inter­ pretação terá que se relacionar com a questão «colocada» pelo texto (o texto tem um lugar e um tema). Compreender o texto significa compreender essa questão. O primeiro requisito para interpretarmos um texto é compreendermos o horizonte significativo ou interro-

(1!) Ibid., 346. Zygmunt Adamczewski abordou este tema numa comuni­ cação apresentada num encontro anual da Sociedade de Filosofia Fenomenológica e Existencial na Universidade de Purdue, em 27 de Outubro de 1967. (“ ) WM. 349. (” ) Ibid., 350.

202

gativo dentro do qual se determina a orientação significativi» d texto (” ). E contudo o texto é em si mesmo uma asserção. Num ccrto sentido ele constitui em si próprio a resposta a uma pergunta — nfto a pergunta que lhe pomos a pergunta que o «tema» do texto lhe põe. Ora se compreendermos o texto em termos das questões u que responde, é óbvio que temos que continuar a sondá-lo interro­ gativamente, de modo a interpretá-lo. Temos também que questionar aquilo que não é dito: «Se vamos para além daquilo que foi dito, temos também que sair daquilo que foi dito. Só compreendemos o que o texto quer dizer na medida em que este atinge um hori­ zonte de interrogação que necessariamente engloba outras respos­ tas possíveis.» (19) O significado de qualquer afirmação é sempre relativo à questão a que responde; isto é, ultrapassa necessaria­ mente aquilo que foi explicitamente dito. Isto é decisivo para uma interpretação humanística dos textos. Não nos devemos satisfazer com uma mera explicitação daquilo que já está explícito no texto; o texto deve ser colocado no horizonte interrogativo que o fez nascer. R. G. Collingwood ao actuar na interpretação histórica segundo este princípio, diz-nos que para compreendermos um evento histórico temos que reconstruir a questão à qual as acções histó­ ricas das pessoas dão resposta (J0). Collingwood, sustenta Gadamer, é um dos poucos pensadores modernos que tenta form ular uma lógica de pergunta e resposta, mas mesmo esta tentativa não é empreendida de um modo sistemático e exaustivo. Contudo, a reconstrução da questão a que o texto ou o evento histórico respondem, nunca pode ser pensada como tarefa auto-suficiente. Como nos indica a crítica empreendida por Gadamer à consciência histórica, o horizonte significativo adentro do qual um texto ou um acto histórico se situam, é abordado interrogati­ vamente a partir do nosso próprio horizonte; e quando interpre­ tamos, não abandonamos o nosso próprio horizonte, antes o alar­ gamos de modo a fundi-lo com o do acto ou com o do texto. Não se trata de encontrar as intenções do personagem histórico ou do escritor do texto. É a própria herança que fala no texto. A dia­ léctica da pergunta-resposta efectua uma fusão de horizontes. O que é que torna isto possível? O facto de que ambos são, num certo sentido, universais e fundamentados no ser. Assim, o encontro com o horizonte do texto que nos foi transmitido, de facto ilumina o nosso horizonte e leva à auto-revelação e à autocompreensão; o encontro transforma-se num momento de revelação ontológica.

(“ ) Ibid., 351-52. («) Ibid., 352. (2“) Ver: R. G. Collingwood, Autobiography. 203

É um evento em que algo sai da negatividade — a negatividade que 6 compreendermos que há algo que não sabíamos, que as coisas não eram como pensávamos. Por outras palavras, a revelação surge como um tipo de evento cuja estrutura é a estrutura da experiência e a estrutura da pergunta-resposta; é uma questão dialéctica. E qual é o meio no qual e pelo qual esta revelação ontológica ocorre no evento dialéctico da experiência enquanto pergunta e resposta? Qual é o meio, dotado de tal universalidade que os horizontes se fundem? Qual é 0 meio em que se esconde e arm azena a experiência cumulativa de todo um povo histórico? Qual é o meio inseparável da própria experiência, inseparável do ser?A resposta tem que ser: a linguagem.

A natureza da linguagem 1 — O carácter não instrumental da linguagem A rejeição da teoria do «signo» quanto à natureza da linguagem é essencial na concepção de Gadamer. Contra a ênfase dada à forma e às funções instrumentais da linguagem, Gadamer assinala o carácter vivo da linguagem e a nossa participação nele. A trans­ formação da palavra em signo, defende Gadamer, está na base da ciência, com o seu ideal de designações exactas e de conceitos inequívocos. A concepção das palavras como signos tornou-se tão familiar e auto-evidente que «é preciso uma proeza de ginástica m ental para nos lembrarmos que fora do ideal científico de desig­ nações inequívocas, a vida da linguagem se processa natural­ mente» (” ). Encarar as palavras como signos é privá-las do poder essencial que têm e fazer delas meros instrumentos ou designações. «Sempre que a palavra é vista enquanto m era função de signo, a relação essencial da fala e do pensamento transforma-se numa relação instrumental.» (” ) A palavra torna-se instrum ento do pen­ samento e coloca-se face ao pensamento e à coisa designada. Não se vê qualquer relação orgânica demonstrável entre a palavra e aquilo que ela designa; a palavra é meramente um signo. O pensa­ mento parece separar-se das palavras usando-as para indicar as coisas. Quando é que a teoria da linguagem como signo surgiu no pensamento Ocidental? Gadam er faz rem ontar esta concepção à ideia de logos do pensamento grego. Diz ele: «Se o âmbito do noético, na multiplicidade dos seus elementos, é representado pelo âmbito do logos, então a palavra, tal como o (” ) WM, 410. (” ) Ibid.

204

número, torna-se mero signo de um ser bem definido c poi cot) seguinte previamente conhecido. A interrogação é portanto cm prln cípio anulada; agora já não partimos da temática em cansa, pci guntando sobre o ser das palavras enquanto mediação; antes comr çamos com a mediação — as palavras — e perguntamos o que ó que o signo transm ite àquele que o utiliza, e como é que o faz. Nu natureza íntima do signo está o facto de que ele tem o seu ser e a sua única propriedade na função de ser aplicado.» (” ) O signo desaparece na sua função de designação; já não sc considera im portante em si mesmo, como uma palavra, mas apenas como signo. N ão mais se refere o poder que tem de revelar o ser; é antes o logos que fornece os signos dotados de uma realidade já feita e já conhecida à qual se referem, e o verdadeiro problema está apenas no sujeito que os usa. As palavras são vistas como instrumentos que o homem dispõe para comunicar o seu pensa­ mento. A linguagem é vista em última instância como um instru­ mento de subjectividade totalmente separada do ser da coisa que é pensad? Intimamente relacionada com esta ideia está a concepção que conhecemos da filosofia de Ernst Cassirer, da linguagem como forma simbólica. Mais um a vez, a função instrumental da lingua­ gem é o ponto de partida e a base, embora, de um modo que ultrapassa a mera função de> signo. Gadamer certamente susten­ taria que Cassirer, a lingüística moderna e de um modo geral a moderna filosofia da linguagem, erram ao considerar a forma da linguagem como foco básico e central. Será o conceito da forma adequado ao fenômeno da linguagem? Será a linguagem enquanto linguagem uma forma simbólica, e o conceito de forma fará real­ mente justiça àquilo a que podemos chamar a linguisticidade da experiência humana? Ou será um conceito estático que priva a palavra das suas características de evento, do seu poder de falar, sendo o seu estatuto reduzido a pouco mais do que um mero ins­ trum ento de subjectividade? Se a linguagem não é signo nem form a simbólica criada pelo homem, o que é então? Em primeiro lugar as palavras não são algo que pertença ao homem, mas sim à situação. Procuramos palavras, as palavras que pertencem à situação. O que é posto cm palavras quando dizemos «A árvore é verde» não é tanto a rcflcxividade humana como o próprio tema. O que aqui importa não é a forma da asserção ou o facto de que a asserção está a ser apresentada por uma subjectividade humana. O importante, 6 que a árvore está a ser revelada a uma certa luz. O autor desta asser­ ção não inventou nenhum a das palavras, aprendeu-as. O processo

O3) Ibid., 390.

205

de aprendizagem da língua apenas veio gradualmente, por uma imersão no fluxo da herança. Ele não fabricou um a palavra nem lhe «deu» um significado; imaginar um procedimento destes é uma pura construção da teoria lingüística. Diz Gadamer: «A palavra lingüística não é um ‘signo’ de que nos aproprie­ mos; também não é algo existente que possamos modelar ou ao qual atribuamos significado, fazendo com que o signo torne visível uma outra coisa. Ambas as possibilidades são falsas; é antes a idealidade do significado que reside na própria palavra. A palavra é sempre já significativa.» (**) A natureza da experiência não é um dado não lingüístico para o qual encontremos subsequentemente palavras, por meio de um acto reflexivo; a experiência, o pensamento e a compreensão são totalmente lingüísticos e ao form ular uma asserção apenas usamos palavras que já pertencem à situação. A invenção de palavras para descrever uma experiência não é um acto gratuito, antes se con­ forma com as exigências da experiência. A formação das palavras portanto não é um produto da reflexão mas da experiência. Não é uma expressão do espírito ou da mente mas de uma situação e do ser. «O pensamento que procura expri­ mir-se não se relaciona com a ‘m ente’ mas com factos, com o tema.» (” ) Para esclarecer a estreita relação da palavra, do pensa­ mento e da fala, Gadamer refere-se à doutrina da Encarnação: «A unidade intríseca do pensamento e da fala que corresponde ao mistério trinitário da Encarnação.(O Verbo era já Verbo mesmo antes de se fazer carne) inclui a ideia de que a palavra interna do espírito não se forma por meio de um acto reflexivo.» (“ ) Alguém que «se exprime» está já a exprimir aquilo que pensa. É certo que a palavra emerge de um processo de actividade mental; Gada­ mer sustenta que ela não é um a auto-exteriorização c1- reflexão. O ponto de partida e de chegada na formação das palavras não é a reflexão mas o tema que se exprime por palavras. E ncarar a linguagem e as palavras como instrumentos da refle­ xão e da subjectividade hum anas é o mesmo que colocar a carroça diante dos bois. Considerar a form a como sendo o ponto de partida da linguagem é cometer essencialmente o mesmo erro de tom ar a form a como ponto de partida da estética. O carácter de evento do fenômeno e a sua temporalidade perdem-se, e sobretudo, caímos no erro de designar o sujeito humano, em vez da natureza da coisa que se exprime, como sendo um ponto de referência fixo. No caso da linguagem, o facto central e decisivo é o poder que ela tem

(” ) Ibid., 394; itálicos nossos. (” ) Ibid., 403. (“ ) Ibid.

206

de dizer e não a sua forma. A forma não pode scr scpuriulii do conteúdo, mas quando pensamos na linguagem cm termos Inutiu mentais, automaticamente fazemo-lo. As línguas, diz Gadunicr, não deveriam ser catalogadas consoante a forma mas dc acordo com o que a língua nos transmite historicamente. A linguiixcm não pode divorciar-se do pensamento. A unidade da linguagem c do próprio pensamento, a não reflexividade da formação das pala­ vras, ambas refutam a ideia de uma linguagem como signo. A lin­ guagem, tal como a própria compreensão, é um fenômeno englo­ bante. Nunca pode ser captada como um «facto», nunca pode scr totalmente objectificada; tal como a compreensão a linguagem engloba tudo quanto pode tornar-se objecto para nós. Os primeiros Gregos, nota Gadamer, não tinham um termo ou um conceito para linguagem; tal como o ser e a compreensão a linguagem é uma mediação, não é um instrumento. Gadam er resume deste modo o que pensa sobre a forma, sobre a inseparabilidade do pensamento, da linguagem e da compreensão e a indivisibilidade desejável da linguagem: «A linguagem que vive no discurso, a linguagem que engloba toda a compreensão e todos os intérpretes de textos, está de tal modo fundida com o processo do pensamento (e consequentemente com a interpretação) que pouco nos fica quando abandonamos o que as linguagens nos dão em m atéria de conteúdo e pretendemos pensar a linguagem como forma. A inconsciência da linguagem ainda não deixou de ser o autêntico modo de ser da linguagem.» (” )

A linguagem e a revelação do mundo Se a função da linguagem não é indicar coisas, e se a orientação da linguagem não é da subjectividade através do instrumento signo, para a coisa designada, então precisamos de um conceiío de lingua­ gem e da sua função que se oriente diferentemente — da coisa, ou na situação, através de linguagem, para a subjectividade. É com essa finalidade que Gadamer escolhe o conceito de revelação ou representação. A linguagem revela o nosso mundo — não o nosso mundo ambiente ou universo científico, mas sim o nosso mundo da vida. Para compreender o conceito de linguagem de Gadamer, temos que primeiramente recordar o que é que ele entende por mundo pois a linguagem cria a possibilidade de o homem poder ter um mundo. Mundo não é o mesmo que ambiente, pois só o homem (cm mundo. «Para termos um mundo temos que estar aptos a abrir um (” ) Ibid., 382. 207

espaço diante de nós, no qual o mundo se possa mostrar tal como é. T er um mundo é ao mesmo tempo ter linguagem.» (3‘) Gadamer defende que os animais não têm mundo pois não têm linguagem. Certamente que têm uma maneira de se entenderem mutuamente, mas isso não é linguagem, excepto para o cientista que tenha uma visão puram ente instrum ental da linguagem como signo. Mas a lin­ guagem como poder de abrir um espaço em que o mundo se possa revelar, isto os animais não possuem. Por exemplo, os animais não podiam criar os seus instrumentos de comunicação para chegar a um a «compreensão» sobre um a situação ou circunstância, como tal, no passado ou no futuro; só a linguagem pode fazer isso, com o poder real que tem de construir um mundo. É um erro pensar nesse «mundo» como sendo essencialmente uma posse ou propriedade da subjectividade; esse é o erro típico da subjectividade moderna orientada para o pensamento; o mundo e a linguagem são antes temas trans-pessoais, e a linguagem é feita para se ajustar ao mundo, e por conseguinte é ordenada consoante o mundo mais do que consoante a nossa subjectividade. Neste sen­ tido (mas não num sentido científico) a linguagem é objectiva: «Da comensurabilidade da linguagem e da palavra segue-se a sua objectividade peculiar (Sachlichkeit). U m a situação ou tema que se comporta desta ou daquela maneira — nisso reside o reco­ nhecimento de uma alteridade auto-suficiente que pressupõe a sua própria distância entre o tema e aquele que fala. Na base dessa distância, pode definir-se algo como uma «situação» e em última instância pode ser capaz de se transform ar no conteúdo de um juízo que outro possa compreender (” ). O mundo não é impessoal nem falando em termos figurados, circula como um indivíduo isolado, como um balão gigante projectado pela mente e pelas percepções. É mais adequado encarar o mundo como estando entre as pessoas. É a compreensão parti­ lhada pelas pessoas, e é o meio dessa compreensão; é a linguagem que possibilita este facto. A linguagem, como um campo de interacção, não é realmente um «instrumento» que se construiu para a compreensão. Nesse aspecto o homem vive em algo semelhante à comunidade de compreensão que há entre os animais. Mas no homem trata-se de uma compreensão lingüística, e por conseguinte, é o mundo que está entre as pessoas. Gadamer diz-nos que a com­ preensão lingüística «torna aquilo em que ocorre (i. e. o mundo) como um processo e coloca-o entre as partes como um objecto que se disputa. O mundo é uma base comum que toda a gente reco­ nhece, que une todos aqueles que nele comunicam» (” ). («) Ibid., 419. (” ) Ibid.. 421. (’•) Ibid., 422. 208

Dado que o espaço aberto em que o homem existe 6 o domínio da compreensão partilhada criada pela linguagem como mundo, i> homem existe nitidamente na linguagem. «A linguagem nflo 6 i »i *c nas algo de fixo que o homem encontra no seu mundo, antes 6 ncl» e por ela que surge a possibilidade de termos um mundo.» (") Isto é dizer que a linguagem e o mundo transcendem toda a possibilidade de se transform arem totalmente em objecto. Não transcendemos a linguagem nem o mundo por determinado tipo de conhecimento ou de reflexão; «a experiência lingüística do mundo é que um abso­ luto» (” ). Esta experiência do mundo como algo que já reside na linguagem, transcende todas as relatividades e relações em que o.s seres se poderiam mostrar; todo o objecto de conhecimento é englo­ bado no horizonte da linguagem. A isto podemos chamar a linguisticidade da experiência humana do mundo. Esta concepção alarga extraordinariam ente o horizonte em que consideramos a experiência hermenêutica. O que se compreende pela linguagem não é só uma experiência particular mas o mundo no qual ela se revela. O poder que a linguagem tem de revelar ultra­ passa mesmo o tempo e o espaço; um texto antigo de um povo há muito extinto pode tornar presente, com a mais espantosa exactidão, o mundo lingüístico interpessoal que existiu entre essa gente. Assim os nossos próprios mundos de linguagem têm uma certa universa­ lidade neste poder de coihpreender outras tradições e lugares. Diz-nos Gadamer: «O nosso próprio mundo de linguagem, este mundo em que vivemos, não é um recinto fechado que impede o conhecimento das causas tal como elas são; antes engloba essencialmente tudo o que a nossa vista consegue alcançar em comprimento e altura. É certo que uma tradição vê o mundo diferentemente de outra. Os mundos históricos no decurso da história diferiram uns dos outros e do mundo de hoje. No entanto, o mundo é sempre humano, e isto significa que ele é um mundo linguisticamente criado que está pre­ sente em todas as heranças.» (” ) É tão grande o poder de dizer da linguagem, que ele cria o m undo no interior do qual tudo pode ser revelado; o seu alcance é tão grande que podemos compreender mais diversos mundos que se exprimiram na linguagem; tão grande é o seu poder de revelação que mesmo um texto relativamente curto pode abrir um mundo diferente do nosso, um mundo que no entanto conseguimos com­ preender.

(" ) Ibid., 419. 7, 227 pp. M a y r , F r a n z , «Philosophie im Wandel der Sprache: Zur FruRC der ‘Herm eneutik’», Z T hK , L X I (1964), 439-91. M e i e r , G e o r g F r i e d r ic h , Versuch einer allgemeinen A uslegungskunst. Düsseldorf: Stern Verlag, 1965, 136 pp. Reprodução fotomecânica da edição de 1757. M ü l l e r -V o l l m e r , K u r t , Towards a Phenomenological Theory of Literature: A Study o f Wilhelm Dilthey's «Poetik». Stanford [University] Studies in Germanics and Slavics. The Haguc: Mouton, 1963. Disponível nos E. U. A. nas Humanities Press. N o l l e r , G e r h a r d . Sein und Existenz: Die Ueberwindung des Subjekt-Objektschemas in der Philosophie Heideggers und in der Theologie der Entmythologisierung. Munich: Kaiser, 1962, 167 pp. P a n n e n b e r g , W o l f h a r t , «Hermeneutik und Universalgeschichte», Z T hK . LX (1963), 90-121. Tradução em HH 122-52. P õ g g e l e r , O t t o , Der Denkweg Martin Heideggers. Pfullingen: Neske. 1963, 318 pp. R ic h a r d s o n , W . J. Martin Heidegger: Through Phenomenology to Thought. The Hague: Nijhoff, 1964, 764 pp. R i c o e u r , P a u l , De Vinterprétation: essai sur Freud. Paris: Editions du Seuil, 1965, 533 pp. ---------«Existence et herméneutique», Dialogue, IV (1965-1966), 1-25. R o t h a c k e r , E r i c h , Die dogmatische Denkform in den Geisteswis­ senschaften und das Problem des Historismus. Mainz: Verlag der Akademie der Wissenschaften und der Literatur, 1954, 55 pp. ---------Einleitung in die Geisteswissenschaften, 2.* ed. Tübingen: J. C. B. Mohr, 1930, 288 pp. Publicado originalmente em 1919. ---------Logik und Systematik der Geisteswissenschaften. Bonn: H. Bouvier, 1948, 172 pp. S c h l e ie r m a c h e r , F r . D. E., H ermeneutik. Ed. com um a introdu­ ção de H e in z K im m e r l e , Heidelberg: Carl Winter, Universitãtsverlag, 1959, 166 pp. ---------H erm eneutik und Kritik: m it besonderer Beziehung auf das Neue Testament. Ed. F r ie d r ic h L u c k e . Vol. VII da Primeira Parte de Sám m tliche Werke. Berlim: Reimer, 1838 S c h n e e b e r g e r , G u i d o , Ergânzungen zu einer Heiddeger-Bibliographie. Bem: Hochfeldstrasse 88 (edição do autor), 1960, 27 pp. S c h u l t z , W e r n e r , «Die unendliche Bewegung in der Herme­ neutik Schleiermachers und ihre Auswirkung auf die hermeneutische Situation der Gegenwart», Z th K , LXV (1968), 23-52. S e i d e l , G e o r g e J o s e p h , Martin Heidegger and the Presocratics: A n Introduction to His Thought. Lincoln: University of Nebraska Press, 1964, 169 pp. S i n n , D ie t e r , «Heidegger’s Spátphilosophie», PhR, XIV (1967), 81-182. T h u l s t r u p , N ie l s , «An Observation Concerning Past and Prescnt Hermeneutics», OL, X X II (1967), 24-44. L o n e rg a n , B e rn a rd

261

T e r r e n c e N., Schleiermacher Bibliography: With Brief Introductions, Annotations, and Index. Princeton Pamphlets, No. 12. Princeton: Princeton Theological Seminary, 1966, 168 pp. V e r s e n y i , L a s z l o , Heidegger, Being, and Truth. New Haven: Yale University Press. 1965, 201 pp. W a c h , J o a c h im , Das Verstehen: Grundzüge einer Geschichte der hermeneutischen Theorie im 19. Jahrhundert. 3 vols. Tübingen: J. C. B. Mohr, 1926-1933. Vol. I: Die grossen Systeme, 1926, 266 pp. Vol. II: Die theologischen H erm eneutik von Schleier­ macher bis H offm ann, 1929, 379 pp. Vol. III: Das Verstehen in der Historik von Ranke bis zum Positivismus, 1933, 350 pp. I vol., reimpresso, Hildesheim: Georg Olms, 1965. W o l f , F r i e d r ic h A u g u s t , «Darstellung der Altertumswissenschaft nach' Begriff, Umfang, Zweck und Wert», in Museum der Altertumswissenschaft, ed. F . A . W o l f e P h . B u t t m a n n , vol. I, Berlim: Reimer, 1807, 584 pp. ---------Vorlesung uber die Enzyklopadie der Altertumswissenschaft. Vorlesungen über die Altertumswissenschaft series, ed. J. D. G ü r t l e r , vol. I, Leipzig: Lehnhold, 1831, 498 pp. T ic e ,

B.

H ERM EN ÊU TICA TEOLÓGICA

Old and New in Inlerpretation. New York: Harper, 1966, 215 pp. B a r t h e l , P ie r r e , lnterprétation du langage m ythique et theologie biblique: étude de quclques étapes de Vevolution du problème de Vinterprétation des représentation d ’origine et de structure mythique de Ia foi chrétienne. Leid;n: Brill, 1963, 399 pp. B a r t s c h , H a n s W e r n e r . ed. Kerygma and M yth. Trad. R e g in a l d H . F u l l e r , 2 vols. 2." ed. London: Biüngue, 1964, 228 pp., 358 pp. B e h m , J o h a n n e s , Ermeneuo, erm eneia... Artigo em TD NT, trad. G e o f f r e y W. B r o m i l e y . Grand Rapids. Mich.: Eerdmans, 1964. Originalmente em Theologisches Wõrterbuch zum Neuen Testam ent, 1935. B l a c k m a n , E. C. Bíblica! Inlerpretation. Phiiadelphia: Westminster Press, 1957, 212 pp. B r a a t e n , C a r l , E. History and Hermeneutics. New Directions in Theology Today series, ed. W il l ia m H o r d e r n , vol. II. Philadelphia: Westminster Press. 1966, 205 pp. B r o w n , J a m e s , Kierkegaard, Heidegger. Buber, and Barth: Subject and Object in Modern Theology. New York: Collier Books, 1962, 192 pp. B u l t m a n n , R u d o l f , Glauben und Verstehen: Gesammelte Aufsatze. 4 vols. Tübingen: J. C. B. Mohr, 1952-1965, 336 pp., 293 pp., 212 pp., 198 pp. Vol. II tradução de J. C. B. G r e i c , Essays: Philosophical and Theological. New York: Macmillan, 1955, 337 pp. H á outros ensaios em Existence and Faith: Shorter Writings o f R udolf Bultmann, ed. e trad. S c h u b e r t M. O g d e n . London: Hodder and Stoughton, 1961. 320 pp. --------- History and Eschatology. Edinburgh: The University Press: New York: Harper, 1957, 155 pp. --------- The History o f the Synoptic Tradition. Trad. J o h n M a r s h . Oxford: Biackwell, 1963, 456 pp. B a r r , J a m es,

262

---------Jesus, Berlin: Deutsche Bibliothek. 1926, 204 pp. Ueimpion» Tübingen: J. C. B. Mohr, 1958. Tradução inglesa do .......... P e t t i b o n e S m ith e E r m in ie H u n t r e s s L a n t e r o , Jesus und tln Word. New York: Scribner’s, 1958, 226 pp. ---------Jesus Christ and Mythology. New York: Scribner’.s, 1V58, 96 pp. ----------- Theology of the New Testament. Trad. K e n d r ic k Cír o u i i , 2 vols. London: Lowe & Brydone, 1959, 395 pp., 278 pp. C a s t e l o , E n r ic o , ed. Demitizzazione e immagine. Padua: A . Ml lani, 1962, 351 pp. Comunicações do International Colloquium em Roma, Janeiro, 1962, por Ricoeur, Ott, Bartsch, Mathicu, e outros. --------- Ed. 11 Problema delia demitizzazione. Padua: A. Milani, 1961. 334 pp. Comunicações do International Colloquium em Roma, Janeiro, 1961, por Bultmann, Danièlou, Ricoeur, Gadamer, Bartsch, Anz, Marlé, e outros. É possível obter nos editores uma lista de títulos de outros anos. D o b s c h ü t z , E . «Interpretation», ERE, VII (1914), 390-95. D o t y , W il l ia m G . A New Utterance: Studies in New Testament Hermeneutics. New York: Herder & Herder, a publicar em 1969. E b e l l in g , G e r h a r d , Evangelische Evangelienauslegung: Eine Untersuchung zu Luthers Hermeneutik. Munich: Kaiser, 1942. Ree­ dição Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1962, 520 pp. ---------God and Word. Trad. J a m e s W. L e i t c h . The Earl Lectures at Pacific School of Religion, 1966. Philadelphia: Fortress Press, 1967, 49 pp. ---------«Hermeneutik», RG G , III (1959), 242-64. ---------Kirchengeschichte ais Geschichte der Auslegung der Heiligen Schrift. Tübingen: J. C. B. Mohr, 1947, 28 pp. Reeditado como primeiro ensaio em Wort Gottes und Tradition. ---------The Nature o f Faith. Trad. R o n a l d G r e g o r S m i t h . Philadelphia: Fortress Press, 1961, 191 pp. ---------The Problem of Historicity in the Church and lts Proclamation. Trad. G r o v e r F o l e y . Philadelphia: Fortress Press, 1967, 120 pp. Publicado originalmente em alemão, em 1954. ---------Theologie und Verkündigung: Ein Gesprach m it Rudolf Bultmann. Tübingen: J. C. B. M ohr, 1962, 146 pp. Tradução inglesa de J o h n R ic h e s , Theology and Proclamation. Philadel­ phia: Fortress Press, 1966, 187 pp. ---------Word and Faith. Trad. J a m e s W. L e i t c h . Philadelphia: For­ tress Press, 1963, 442 pp. ---------Wort Gottes und Tradition: Studien zu einer Hermeneutik der Konfessionen. Gõttingen: Vandenhoeck & Ruprecht. 1964, 235 pp. E b n e r , F e r d in a n d . Schriften, 3 vols. Munich: Kõsel, 1963, 1965, 1086 pp., 1190 pp.. 808 pp. E r n e s t i , J o h a n n A u g u s t , Institutio interpretis Novi Testament!. 4th ed. com notas de C h r is t o p h e r F r . A m m o n , Leip/.ig: Wcid mann, 1792. (Ist ed., 1761). Tradução inglesa dc MOSBS STUART, Elem ents o f interpretation. 3.9 ed.; Andover: M. Newman, IH27, 124 pp. 4." ed.; New York: Dayton and Saxton, 1842. llíi oiilm tradução inglesa de C h a r l e s H. T e r r o t , Principies of Uibllcul Interpretation, 2 vols. Edinburgh: T. Clark, 1832-33. 263

W. History o f Inlerpretation. Grand Rapids, Mich.: Baker Book House, 1961, 553 pp. Publicado original­ mente em 1884. F o r s t m a n , H. J a c k s o n , «Language and God: G erhard Ebeling’s Analysis of Theology», Inlerpretation, X X II (1968), 187-200. F r õ r , K u r t , Biblische H ermeneutik: Zur Schriftauslegung in Predigt und Unterrich. Munich: Kaiser, 1961, 396 pp. 3.* ed., rev., surgiu como Wege zur Schriftauslegung: Biblische Hermeneutik fü r Unterricht und Predigt. Düsseldorf: Patmos, 1967, 414 pp. Tradução inglesa em perspectiva, James Thin, Edinburgh. F u c h s , E r n s t . «Existentiale Interpretation von Rom er 7, 7-12 und 21-23», ZThK., LIX (1962), 285-314. --------- Glaube und Erfahrung: Zum christologischen Problem im Neuen Testament. Tübingen: J. C. B. M ohr, 1965, 523 pp. ---------Hermeneutik, Stuttgart: R. Müllerschõn, 1963, 271 pp. Publi­ cado originalmente em 1954. ---------Marburger H ermeneutik. Tübingen: J. C. B. Mohr, 1968, 277 pp. --------- Studies o f the Historical Jesus. Trad. A n d r e w Scobie. Lon­ don: SCM Press, 1964, 239 pp. --------- Z um hermeneutischen Problem in der Theologie. Tübingen: J. C. B. Mohr, 1959, 365 pp. F u n k , R o b e r t W . Language, Hermeneutic, and Word of God. New York: Harper, 1966, 317 pp. O professor Funk está a preparar uma outra obra sobre hermenêutica. --------- and G e r h a r d E b e l in g , eds. The Bultmann School o f Biblical Interpretation: N ew Directions? Journal of Theology and the Church series, Vol. I. New York: H arper, 1965, 183 pp. ---------eds. History and Hermeneutic, Journal of Theology and the Church series, Vol. IV. New York: Harper, 1967, 162 pp. G r a n t , R o b e r t M. A Short History o f the Interpretation of the Bible. Rev. ed. New York: Macmillan, 1963, 224 pp. H e i n r i c i , G e o r g . «Hermeneutik», RPTK , VII (1899), 719. H e r z o g , F r e d e r ic k W. Understanding God. New York: Scribner’s, 1966. 191 pp. K r a u s , H a n s -J o a c h t m , Geschichte der historisch-kritischen Erforschung des Alten Testaments von der Reform ation bis zur Gegenwart, Neukirchen: Verlag der Buchhandlung der Erziehungsvereins, 1956, 478 pp. L e s s in g , G o t t h o l d E . Lessing’s Theological Writings: Selections. Tradução e ensaio introdutório de H e n r y C h a d w i c k . Stanford: Stanford University Press, 1957, 110 pp. I .o r e n z m e ie r , T h e o d o r , Exegese und H ermeneutik: Eine vergleichende Darstellung der Theologie R udolf Bultmanns, Herbert Brauns, und Gerhard Ebelings. Hamburg: Furche, 1968, 232 pp. M a c q u a r r ie , J o h n , A n Existencialist Theology: A Comparison of Heidegger and Bultmann, London: SCM Press, 1955, 252 pp. ---------The Scopc o f Demythologizing: Bultmann and His Critics. London: SCM Press, 1960, 255 pp. Maki.1!, Riíne, Introduction to Hermeneutics. Tradução do francês L ’hcrméneutlque por E. F r o m e n t and R. A l b r e c h t . New York: Hcrder & Herdcr [1967], 128 pp. M ic h a l s o n , C a r l , The Rationality o f Faith: A n Historical Critique o f Theological Reason. New York: Scribner’s. 1964, 160 pp. M ü l l e r -S c h w e e e , H a n s - R u d o l p . Die Sprache und das Wort: Grundlagen der Verkündigung. H a m b u rg : F u r c h e , 1961, 268 pp. F a r r a r , F r e d e r ic

264

O livro compõe-se de quatro partes: «Die Struktur der Spriu In1», «Sprache und Existenz», «Sprache und Geschlehtc». o «IMr Sprache und das W ort Gottes». N e i l l , S t e p h e n , The Interpretation o i the New Testament IHM 1961, London: Oxford University Press, 1964, 358 pp N e e b u h r , R ic h a r d R . Schleiermacher on Christ and Rellglon A New Introduction. New York: Scribner’s, 1964, 267 pp. O c d e n , S c h u b e r t M. Christ Without Myth. New York: Hurpci, 1961, 189 pp. ---------The Reality of God and Other Essays. New York: Harper, 1966, 237 pp. O rr, H e in r i c h , Denken und Sein: Der Weg Martin Heideggers und der Weg Theologie. Zollikon: Evangelischer Verlag, 1959, 226 pp. ---------«Das Problem des nicht-objektivierenden Denkens und Redens in der Theologie», Z T h K , LX I (1964), 327-52. H a m s e y , I a n , Religious Language: A n Empirical Placing o f Theological Phrases. New York: Macmillan, 1957, 191 pp. R o b in s o n , J a m e s M. A New Que st o f the Historical Jesus. London: SCM Press, 1959, 128 pp. ---------«Theology as Translation», Theology Today, X X (1964), 518-27. ---------«World in Modern Theology and in New Testament Theo­ logy», em Soli Deo Gloria: N ew Testam ent Studies in Honor o f William Childs Robinson.. Richmond, Va.: John Knox Press, 1968, cap. 7. --------- J o h n B. C o b b , J r ., eds. The Later Heidegger and Theology, New Frontiers in Theology series. Vol. I. New York: Harper, 1963, 212 pp. --------- Eds. The N ew Heumeneutic. New Frontiers in Theology series, Vol. II. New York: Harper, 1964, 243 pp. A Introdução é excelente, pp. 1-77. ---------Eds. Theology as History. New Frontiers in Theology series, Vol. III. New York: Harper, 1967. 276 pp. S c h u l t z , W e r n e r . «Die unendliche Bewegung in der Hermeneutik Schleiermachers und ihre Auswirkung auf die hermeneutische Situation der Gegenwart», Z T hK , LXV (1968), 23-52. S m a l l e y , B. The Study o f the Bible in the Middle Ages. 2.* ed. Oxford: Blackwell, 1952. 406 pp. S m a r t , J a m e s D. The Interpretation o f Scripture. Philadelphia: Westminster Press, 1961. 317 pp. S p i e g l e r , G e r h a r d , The Eternal Covenant: Schleiermacher’s Experiment in Cultura! Theology. New York: Harper, 1967, 205 pp. S p in o z a , B e n e d ic t d e , A Theologico-Political Treatise. Trad. R. H. M. E l w e s . Classics of the St. John’s Program series. Ann Arbor, Mich.: Edwards Brothers, 1942, 278 pp. St e i g e r , L o t h a r , Die H erm eneutik ais dogmatisches Problem. Gütersloh: Gerd Mohn, 1961, 200 pp. w o o d , J a m e s D. The Interpretation o f the Bible: A Historical Introduetion. Naperville, III.: Alec R. Allenson, 1958, 179 pp. C. OUTRAS OBRAS CITADAS OU POTENCIALM ENTE SIGNIFICATIVAS PA R A A TEO R IA HERM ENÊUTICA W. Z u r M etakritik der Erkenntnistheorie: Studien über Husserl und die phànomenologischen Antinomien. Stuttgart: Kohlhammer, 1956, 251 pp.

A dorno, T heodor

265

Beitrãge zur Erkenntnistheorie und das Verhàltnis von Sprache und Denken. Halle: Niemeyer, 1959, 570 pp. A m m a n n , H e r m a n n , Die menschliche Rede: Sprachphilosophische Vntersuchungen, Teil I und II. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1962, 237 pp. A r e n s , H a n s , Sprachwissenschaft: Der Gang ihrer Entwicklung von der A niike bis zur Gegenwart. Munich: Verlag Karl Alber, 1955, 568 pp. A methodical and weü-documented history of linguistics from Plato and Aristotle to the mid-twentieth century, including coverage of American, French, Russian, and other developments in the twentieth century. Extensive bibliography. A r i s t o t l e , The Basic Works. Ed. R ic h a r d M c K e o n . New York: Random House, 1941, 1487 pp. --------- On Interpretation (Peri hermeneias). Comentários de St. T h o m a s and C a je t a n . Trad. do latim e introdução de J e a n T . O e s t e r l e . Milwaukee: M arquette University Press, 1962, 271 pp. --------- Organon. Vol I: Categories, On Interpretation, Prior Analytics. Loeb Classical Library, 325; Cambridge: Harvard Uni­ versity Press, 1938, 542 pp. A s t , F r ie d r ic h , Grundlinien der Gram m atik, H ermeneutik und Kritik. Landshut: Thom ann, 1808, 227 pp. --------- Grundriss der Philologie. Landshut: Krüll, 1808, 591 pp. A u e r b a c h , E r i c h . Mimesis: The Representation of Reality in Western Literature. Princeton: Princeton University Press, 1953, 563 pp. Mimesis. Perspectiva, São Paulo. B a c h e l a r d , G a s t o n , L a Formation de 1’esprit scientifique: contribution à une psychanalyse de la connaissance objective. Paris: Vrin, 1938. 256 pp. , --------- Le Nouvel esprit scientifique, 5.- ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1949, 179 pp. O N ovo Espírito Científico, Edições 70, Lisboa. --------- Poetics o f Space. Trans. M a r ia J o l a s . New York: Orion Press, 1964, 241 pp. ---------La Poétique de la rèverie, 2.* ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1961, 183 pp. --------- Psychoanalysis o f Fire, Trad. A. C. Ross, Boston: Beacon Press, 1964, 115 pp., Psicanálise do Fogo, Estúdios Cor, Lisboa. B o l l n o w . O t t o F r i e d r ic h , Die Lebensphilosophie, Berlim: Springer, 1958, 150 pp. B o s s e r m a n , P h i l l i p , Dialectical Sociology: 4 n Analysis of the Sociology o f Georges Gurvitch. Boston: Extending Horizons Books. 1968, 300 pp. B r e k l e , H e r b e r t E., ed. Grammatica Universalis. A series of vo­ lumes in linguistics and philosophy of language; selections from the seventeenth century to the present. First volume forthcoming in 1969, Frommann-Holzboog, Stuttgart. B r i l l o u in , L é o n , Scientific Uncertainty and Information. 2 ' ed. New York: Academic Press, 1962. 164 pp. B r u n n e r , A u g u s t , Geschichtlichkeit. Bern/M unich: Francke, 1961, 204 pp. B r u y n , S e v e r y n T . The Human Perspective in Sociology. Englewood Cliffs, N. J.: Prentice-Hall. 1966, 286 pp. B u r k e , K e n n e t h . A Grammar o f Motives and A Rhetoric of Motives. Meridian B o o k s. Cleveland: World, 1962, 868 pp.

A lb re c h t, E rh a rd ,

266

---------The Philosophy of Literary Form. Rev. ed. New Yoik Vintage Books, 1957, 330 pp. C a m p b e l l , J o s e p h . The Masks o f God: Primitive Mythologv. Nrw York: Viking, 1959, 504 pp. C a m p b e l l , P a u l N . The Speaking and the Speakers of Literaturr B e lm o n t, C a li f . : D ic k e n s o n , 1967, 164 pp. C a s s ir e r , E r n s t . A n Essay on Man. New Haven: Yale University Press. 1944. 237 pp. ---------Philosophy o f Symbolic Forms. 3 vols. New Haven: Yale University Press. 1953, 1955, 1957, 328 pp., 269 pp., 501 pp. C a s t e l l i , E n r ic o , ed. Técnica e casistica. Comunicações do Intei national Colloquium em Roma, Janeiro, 1964 [?] Pádua: A. Mi lani. n. d. C h o m s k y , N o a m . Aspects o f the Theory o f Syntax. Cambridge: M. I. T. Press, 1965, 251 pp. Aspectos da teo ria da Sintaxe, Armênio Amado, Coimbra. ---------Current Issues in Linguistic Theory. New York: Humanities Press. 1964. 119 pr>. ---------Topics in the Theory o f Generative Grammar. Nem York: Humanities Press. 1966. 95 pp. C o l l in g w o o d , R. G. A n Autobiography. Oxford: Oxford Uni­ versity Press, 1939. 167 pp. ---------Essays in the Philosophy o f History. E d . W il l ia m D e b b in s . Aus»in: Universitv of Texas Press. 1965. 160 np. ---------The Idea o f History. Oxford: Clarendon Press, 1946. 339 pp. A Ideia de História. Presença. Lisboa. C o r b in H e n r y . Avicem a and the Visionary Recital. Trad. W. R. T rask . Princeton: Princeton University Press, 1960, 423 pp. D a g o g n e t , F r a n ç o is . Gaston Bachelard. Paris: Presses Universitaires de France. 1965, 116 pp. Bacheclard, Edições 70. I.isboa. D a n c e , F r a n k E . X ., ed. Human Communication Theory: Original Essays. N e w York: Holt. 1967, 332 pp. D a n t o , A r t h u r C. Analytical Philosophy o f History. Cambridge: Cambridge University Press, 1965, 313 pp. D i e m e r . A t w i n . Edm und Husserl: Versuch eiener systematischcn Darstellung seiner Phanomenologie. Meisenheim am Glan: Hain, 1956. 397 dr. D u f r e n n e , M i k e l . Jalons. The Hague: Nijhoff, 1966, 221 pp. --------- Language and Philosophy. Bloomington: Indiana University Pres*. 1963. 106 np. ---------The Notion of the A Priori. T r a d . E d w a r d S. C a s e y . E v a n s ton: Northwestern University Press, 1966. 256 pp. ---------Phénomenologie de Vexpérience esthétique. Paris: Presses Universitaires de France. 1953. 688 pp. ---------La Poétique. Paris: Presses Universitaires de France. 1963, 196 pp. D u r a n d , G il b e r t . L'lmagination symbolique. Paris: Presses Uni­ versitaires de France, 1964, 120 pp. A Imaginação Simbólica, Presença, Lisboa. ---------Les Structures anthropologiques de Vimaginaire, Paris: Pres ses Universitaires de France, 1960, 513 pp. E d i e , J a m e s M ., ed. A n lnvitation to Phenomenology: Studies In the Philosophy o f Experience. Chicago: Quadrangle, 1965, 281 pp ---------, ed. Phenomenology in America: Studies in the Philosophy o f Experience. Chicago: Quadrangle, 1967, 306 pp. Einsichten: Festschrift fü r Gerhard Krüger. Ed. K la u s Ohiii i h und R ic h a r d S c h a e f l e r , Frankfurt: Klostermann, 1962, 398 pp 267

ir c e a . Cosmos and History: The M yth of the Eternal Return. New York: H arper Torchbook, 1959, 176 pp. O Mito do Eterno Retorno, Edições 70, Lisboa. --------- La Forêt interdite. Paris: Gallimard, 1957, 645 pp. --------- M yth and Reality. Trad. W il l a r d R. T r a s k . New York: Harper, 1963, 204 pp. Aspectos do M ito, Edições 70, Lisboa. --------- Myths, Dreams and Mysteries. New York: H arper Torch­ book, 1961, 256 pp. F a l l i c o , A r t u r o B. A r t & Existentialism. Spectrum Books. Engleglewood Cliffs, N. J .: Prentice-Hall. 1962. 175 pp. F in d l a y , J. N. Hegel, A Re-examination, London: George Allen & Unwin, 1964, 372 pp. F i n k , E u g e n . Sein, Wahrheit, Welt. Vor-Fragen zum Problem des Phánomen-Begriffs. The Hague: Nijhoff, 1958, 156 pp. --------- Spiel ais Weltsymbol. Stuttgart: Kohlhammer, 1960, 243 pp. For Rom an Ingarden, N ine Essays in Phenomenology. The Hague: Nijhoff. 1959, 179 pp. F o u c a u l t , M ic h e l , Les M ots e les choses: une achéologie des sciences humaines. Paris: Gallimard, 1966, 405 pp. A s Palavras e as Coisas, Portugália, Lisboa. F r a n k , E r ic h . Philosophical Understanding and Religious Truth. New York: Oxford University Press, 1945, 209 pp. F r y e N o r t h r o p . A natom y o f Criticism. Princeton: Princeton Uni­ versity Press, 1957, 394 pp. G a r e l l i , J a c q u e s , La Gravitation poétique. Paris: Mercure de France, 1966, 217 pp. G e i g e r , D o n . The Sound, Sense, and Performance of Literature. Chicago: Scott, Foresman, 1963, 115 pp. G i p p e r , H e l m u t . Bausteine zur Sprachinhaltsforschung: Neuere Sprachbetrachtung im Austausch m it Geistes und Naturwisserschaft. Sprache und Gemeinschaft series, ed. L e o W e i s g e r b e r , Vol. I. Düsseldorf: Pádagogischer Verlag Schwann, 1963, 544 pp. G l i n z , H a n s . A nsàtze zu einer Sprachtheorie. Beihefte zum Wirkenden W ort series, Pamphlet No. 2. Düsseldorf: Pádago­ gischer Verlag Schwann, 1962, 93 pp. G o g a r t e n , F r ie d r i c h . «Das abendlandische Geschichtsdenken: Bemerkungen zu dem Buch von Erich Auerbach Mimesis», Z T h K , LI (1954), 270-360. G ü n t e r t , H e r m a n n , Grundfragen der Sprachwissenschaft. 2.* ed. Ed. Dr. A n t o n S c h e r e r . Heidelberg: Quelle & Meyer, 1956, 155 pp. G ü n t h e r , G o t t h a r d . Idee und Grundriss einer nicht-Aristotelischen Logik. Hamburg: M einer, 1959, 417 pp. Vol. I: Die Idee und ihre philosophischen Voraussetzungen. G u r v it c h , G e o r g e s . Dialectique et sociologie. Paris: Flammarion, 1962, 242 pp. G u r w it s c h , A r o n . The Field o f Consciousness. Pittsburgh: Duquesne University Press, 1964, 427 pp. --------- , Studies in Phenomenology and Psychology.- Evanston, 111.: Northwestern University Press, 1966, 452 pp. G u s d o r i ', G e o r g e s . Speaking (La Parole). Trad. e introdução de Paul T. B r o c k k i .m a n . Evanston, 111.: Northwestern University Press, 1965, 132 pp. G ü t t i n g e r , F r it z . Ziclsprache: Theorie und Technik des Uebersetzens. Zürich: Mancssc, 1963, 236 pp.

Euade, M

268

Philosophie des Verstehens. Vcrsuch einer ,vvu tematisch-erkenntnistheoretischen Grundlegung alies Irketinrnx Tübingen: Niemeyer, 1963, 103 pp. H a r t , R a y L. «Imagination and the Scale of Mental Aets»,
View more...

Comments

Copyright © 2017 KUPDF Inc.
SUPPORT KUPDF